As sensações que você deve despertar em seu filho

24 Abril, 2017

Amar é tudo na maternidade, mas infelizmente não é suficiente na hora de criar um filho. Quando chega o momento de preencher esses pequenos vazios, nasce uma mãe que deve saber amar. Isso faz com que, por um lado, você evite certos comportamentos indesejáveis, mas, por outro lado, conheça a sensações que você deve despertar em seu filho.

Por isso, neste artigo do Sou Mamãe vamos contar a você quais são aquelas sensações que você deve despertar em seu filho, assim como todas as atitudes que seria bom você evitar e eliminar de sua vida, se não quiser ter resultados tóxicos.

As sensações que você deve despertar em seu filho para ser feliz

A habilidade de amar de toda mãe é precisamente a imensa capacidade de gerar uma sensação de conexão tão única e especial com aqueles que têm a felicidade de ter dado a vida e, ao mesmo tempo é inexplicável para quem decidiu que ainda não é o momento de trazer vida a esse mundo.

Esse enraizado e arraigado vínculo entre mãe e filho, acontece precisamente quando a criança se sente incluída dentro da família constituída, e é quando ela consegue sentir que tem um lugar dentro do lar. Todos nós gostamos que os demais lembrem e tenham consideração por nós, e claro, as crianças não fogem dessa regra.

Obviamente que outra das sensações que você deve aflorar em seu filho para que ele se sinta pleno e feliz é a aceitação. Isso significa assumir as diferenças e amá-lo como um ser único, com virtudes e defeitos. Deixar de lado as comparações que magoam e evitar as expectativas de que ele retribua.

Além disso, a criança deve se sentir sempre valorizada, sendo fundamental demonstrar de maneira constante o quão importante que ele é na nossa vida e o valor que ele tem como pessoa, destacando seus pontos fortes e potencializando as capacidades dele.

Paralelamente a isso, o respeito é outra sensação que toda criança precisa receber. Não importa a idade, o temperamento, os gostos pessoais, ou o comportamento que tenha: é importante que nada a faça se sentir inferior ou indigna de opinar, de escolher

Claramente, o menor deve se sentir amparado, sabendo assim que as emoções são aceitas e respeitadas. O diálogo e a compreensão são aqui pilares fundamentais para poder acompanhar a criança nos momentos mais delicados que for enfrentar durante a etapa mais plástica da vida dele.

Sensações que falam de amor

Mas todas essas sensações que você deve aflorar em seu filho que acabamos de recapitular não são as únicas. Pois existem umas adicionais de igual relevância. Por exemplo, o menino deve se sentir reconhecido em seus acertos e conquistas, demonstrando assim um profundo interesse por quem é, e pelo o que consegue em cada fase, seja muito ou pouco.

É preciso, além disso, que a criança acredite ser um bebê amado com a incondicionalidade e contra qualquer circunstância. Não importa o que aconteça nem os erros cometidos, a criança sempre precisa ouvir esse “te amo”, que envolve à alma dela ou, então, esses gestos que falam o idioma do amor. Canse de repetir isso, nunca dê isso por demais.

Por isso mesmo, a criança deve se sentir sempre tocada, beijada, abraçada, atendida, vista, acariciado e, por que não, amamentado e carregado. Não importa o que dirão, mas sim o que você sente e considera melhor para a criação da sua criança. Se, no final das contas, você nunca buscou ter um filho perfeito, mas sim uma criatura feliz.

Atos que nos afastam desse bem-estar

Como já dissemos, os pais devem saber amar seus filhos, e fazer isso sempre. Por isso, ainda que você esteja atravessando milhares de conflitos que  nossa vida quotidiana nos oferece, temos que fazer o melhor para sermos pais presentes, amorosos e deixar assim uma marca definitiva no coração deles.

Então, recomendamos lhes dar espaço, mas jamais afastá-los com uma série de atitudes negativas, ou comportamentos tóxicos que podem ter um preço muito alto no futuro. Por isso, você deve considerar evitar aquelas ações que sem querer afastam seu filho de você, por exemplo:

  • Gritar, castigar, bater ou manipular
  • Ridicularizar em público
  • Criticar em excesso
  • Castigar sem necessidade
  • Etiquetar e rotular com um título que não tem a ver com ele
  • Não escutar
  • Não brincar

Pois bem, sabendo que a criação de seu filho está em suas mãos e que o futuro dessa vida que você forjou com amor e sacrifício pode entrar em conflito com esses pequenos sentimentos formadores de personalidade; de que lado você estará?

  • Escrivá, M. V. M., García, P. S., Porcar, A. M. T., & Díez, I. (2001). Estilos de crianza y desarrollo prosocial de los hijos. Revista de psicología general y aplicada: Revista de la Federación Española de Asociaciones de Psicología, 54(4), 691-703. https://dialnet.unirioja.es/descarga/articulo/2364995.pdf
  • Rangel, J. V. (2003). Estilos de crianza, estilos educativos y socialización:¿ Fuentes de bienestar psicológico?. Acción pedagógica, 12(1), 48-55. https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=2972859
  • Jorge, E., & González, M. C. (2017). Estilos de crianza parental: una revisión teórica. Informes Psicológicos, 17(2), 39-66. https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=7044268
  • Mestre, M. V., Tur, A. M., Samper, P., Nácher, M. J., & Cortés, M. T. (2007). Estilos de crianza en la adolescencia y su relación con el comportamiento prosocial. Revista latinoamericana de psicología, 39(2), 211-225. https://www.redalyc.org/pdf/805/80539201.pdf
  • Rojas, M. (2015). Felicidad y estilos de crianza parental. Documento de Trabajo). México: Centro de Estudios Espinosa Yglesias. https://ceey.org.mx/wp-content/uploads/2018/06/16-Rojas-2015.pdf
  • Bowlby, J. (1986). Vínculos afectivos: formación, desarrollo y pérdida. Madrid: Morata.
  • Bowlby, J. (1995). Teoría del apego. Lebovici, Weil-HalpernF.
  • Garrido-Rojas, L. (2006). Apego, emoción y regulación emocional. Implicaciones para la salud. Revista latinoamericana de psicología, 38(3), 493-507. https://www.redalyc.org/pdf/805/80538304.pdf
  • Marrone, M., Diamond, N., Juri, L., & Bleichmar, H. (2001). La teoría del apego: un enfoque actual. Madrid: Psimática.
  • Moneta, M. (2003). El Apego. Aspectos clínicos y psicobiológicos de la díada madre-hijo. Santiago: Cuatro Vientos.