Atividades para crianças com deficiência visual

· 25 de abril de 2019
As crianças com deficiência visual também podem participar das brincadeiras em sala de aula por meio de uma série de atividades inclusivas.

A sociedade em que vivemos defende que as crianças com deficiência, nesse caso a deficiência visual, também possam ter à sua disposição atividades para o seu divertimento.

Brincar é uma das principais tarefas na vida das crianças para atingir a maturidade, por isso deixamos aqui uma série de atividades para crianças com deficiência visual.

A deficiência visual em crianças

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a visão pode ser dividida em quatro tipos diferentes, dependendo do nível de visão que se tenha.

  1. Visão normal.
  2. Deficiência visual moderada.
  3. Deficiência visual grave.
  4. Cegueira.

A partir destes, outros três subgrupos podem ser formados: visão normal, deficiências visuais moderadas e graves e cegueira.

Atividades para crianças com deficiência visual

As crianças com deficiência visual desenvolvem melhor a motricidade e são mais habilidosas usando os outros sentidos. É importante, especialmente durante as aulas, que as atividades para crianças com deficiência visual sejam inclusivas, ou seja, que elas sejam feitas para todas as crianças.

Esse fator tem uma série de vantagens para todas as crianças, que são:

  1. As crianças com deficiência não vão se sentir inferiores aos seus colegas, mas sim iguais, um aspecto muito importante para o seu pensamento.
  2. As outras crianças vão se conscientizar das dificuldades que os colegas com deficiência visual têm e, assim, vão dar mais importância às coisas.
  3. Essas brincadeiras vão fazer com que todos desenvolvam habilidades sensoriais e motoras, muito importantes para as crianças com deficiência visual, mas também para todas as pessoas.

Brincadeira: Arca de Noé

Em um espaço grande, o professor deve colocar um gravador com o som de um animal ou de um elemento (água, fogo, tempestade, etc.) no local mais conveniente.

Em seguida, os olhos das crianças devem ser vendados para que, dessa forma, elas tenham as mesmas possibilidades que as crianças com deficiência visual e serão formados pares ou grupos, de acordo com o número de crianças disponíveis.

Brincadeira: Arca de Noé

Quando tudo estiver definido, o professor tocará os sons e o grupo de crianças deverá ouvir e ir para o local do qual elas achem que o som está vindo. Se chegarem onde está o som, o professor lhes dará um desenho do animal ou do elemento; o grupo com o maior número de desenhos ganha.

Essa brincadeira serve para as crianças trabalharem em grupos e tomarem decisões em conjunto, porque todas têm que ir juntas para o mesmo lugar.

Além disso, elas vão desenvolver a capacidade auditiva e de orientação, pois terão que ouvir de onde vem o som, tateando para não colidir e para conseguir se localizar.

Brincadeira: O código secreto

Essa brincadeira é recomendada para ser feita com crianças mais velhas, pois pode ser mais complexa. Em um espaço grande, o professor deverá criar um circuito composto por pequenas estradas e alguns obstáculos até chegar a um troféu.

Para passar pelo caminho e chegar ao troféu, o professor dividirá as crianças em pares e vendará um dos dois integrantes para que um colega guie o outro através de um código secreto previamente definido.

Esse código secreto deve ser baseado em cores ou ruídos. Por exemplo: amarelo, direita; azul, esquerda; o latido de um cachorro, três passos à frente… etc.

Essa brincadeira servirá para que as crianças:

  • Consigam se orientar sem a possibilidade de ver o que está ao seu redor.
  • Depositem a sua confiança em um colega.
  • Desenvolvam a memória para lembrar o código secreto combinado.
Brincadeira: O código secreto

Brincadeira: Reconhecimento de objetos

Para os mais novos, a brincadeira de reconhecimento de objetos será uma boa atividade para os pequenos com deficiência visual. O professor vai vendar os olhos das crianças para que todas estejam em igualdade de condições e distribuir objetos para que, através do tato, elas possam descobrir o que são.

É conveniente que esses objetos tenham sons, diferentes tipos de materiais e texturas, bem como vários tamanhos para que as crianças reconheçam mais tipos de objetos. Essa brincadeira servirá para desenvolver a capacidade perceptiva-sensorial através da estimulação da motricidade.

  • Prunera Ramón, M. (2010). Valoración optometrica de los niños más pequeños. Integracion. Revista Sobre Discapacidad Visual.
  • CEBRIÁN DE MIGUEL , M.D. (2003) Glosario de discapacidad visual. ONCE, Dirección de Cultura y Deporte. Madrid. ANORMI, S.L.