Os centros de interesse de Decroly

24 Dezembro, 2019
Para as pessoas aprenderem, é importante que aquilo que é ensinado para elas pareça atraente e também seja do seu interesse. Neste artigo, vamos ficar sabendo como os centros de interesse desenvolvidos por Ovide Decroly tinham esse objetivo.

Nascido na cidade de Renaix, Bélgica, em 1871, Ovide Decroly foi um pedagogo, psicólogo e médico. Os centros de interesse de Decroly fazem parte da sua proposta pedagógica e surgem como resposta à necessidade de uma educação que valorize os interesses das crianças e que seja organizada em função delas.

A pedagogia de Decroly

O desenvolvimento pedagógico didático de Decroly surge dentro da estrutura do movimento ‘Escola Nova’. Esse movimento começou no final do século XIX e reúne uma série de princípios que têm como objetivo a renovação das formas anteriores de educação tradicional.

Assim como alguns dos princípios básicos do movimento da Escola Nova, a proposta educacional de Decroly se baseia no respeito à criança e à sua personalidade. Por isso, ele argumenta que educação tem como objetivo a preparação das crianças para que elas vivam em liberdade.

Decroly levanta a necessidade de uma base científica para a intervenção educacional. Assim, as suas contribuições são baseadas em disciplinas relacionadas à infância e à sociedade, tais como psicologia ou biologia. Ciências que ajudam a desenvolver a sua metodologia específica com base nos ‘centros de interesse significativos para a infância’.

Os centros de interesse de Decroly

O que são os centros de interesse de Decroly?

Decroly argumenta que são o motor fundamental da educação e que devem ser mobilizados para atender às necessidades próprias da fase infantil. Ou seja, é necessário saber quais são as necessidades das crianças e quais são os seus interesses, para atrair a sua atenção e vontade de saber e aprender.

Para Decroly, há quatro necessidades naturais fundamentais e é em torno delas que os centros de interesse devem ser agrupados. Ele fala sobre as necessidades de:

  • Alimentar-se.
  • Lutar contra o frio e as intempéries.
  • Defender-se dos perigos e inimigos.
  • Agir e trabalhar de forma solidária, divertir-se e melhorar.

Embora o autor coloque essas quatro como as principais, ele também menciona a necessidade de luz, descanso e ajuda mútua.

Enquanto isso, os centros de interesse consistem na razão pela qual entra em jogo o que Decroly chama de ‘ação globalizadora’ ou ‘princípio de globalização. Isso constitui um procedimento didático que também se aplica ao ensino da alfabetização.

Como consequência, o princípio de globalização se baseia na ideia de que a criança percebe a realidade ao seu redor como um todo. Dessa forma, devemos, então, saber o que chama a atenção dela e o que estimula o seu conhecimento, além de atender aos seus conhecimentos anteriores.

Portanto, para que a ação globalizadora entre em ação, deve haver um interesse, e esse interesse não surge se não houver uma necessidade. Dessa forma, os estímulos ambientais adquirem importância para as crianças, alcançando, assim, aprendizados significativos que contribuem para o seu desenvolvimento físico, psicológico e social.

Organização dos centros de interesse: o tríptico decrolyano

Primeiramente, Decroly sugere que, para que os centros de interesse funcionem corretamente, as classes devem ser relativamente homogêneas.

Ou seja, as crianças que as compõem devem ter ritmos de aprendizado semelhantes, além de mesmas idades e níveis de desenvolvimento. E, em segundo lugar, não devem exceder 30 crianças.

Os centros de interesse de Decroly

Além disso, os centros de interesse devem seguir diferentes fases ou ser organizados de acordo com três tipos de exercícios, que respondem ao nome de ‘tríptico decrolyano’ e são os seguintes:

  • Observação. É essencial para despertar os sentidos e colocar as crianças em contato com objetos, seres ou eventos. Esse é o ponto de partida para atividades intelectuais realizadas a partir do conhecimento do meio ao seu redor.
  • Associação. Trata-se de um processo de associação e coordenação das ideias. As dimensões espaciais e temporais, como as relações de causa e efeito, por exemplo, devem estar inter-relacionadas. Além disso, também há comparações, classificações e a definição de semelhanças e diferenças.
  • Expressão. Para comunicar o que foi aprendido, os conhecimentos. Refere-se a dois tipos de expressão, a concreta e a abstrata. A primeira trata de trabalhos manuais e desenhos, incluindo a música. E a segunda trata da tradução do pensamento por meio de símbolos e códigos (letras, números, sinais, etc).

A importância dos centros de interesse de Decroly para a educação atual

É essencial que a aprendizagem seja organizada de acordo com os interesses das crianças e que sejam o produto das suas necessidades. E não apenas isso, também devem fazer com que os conhecimentos prévios que as crianças têm sejam considerados. Essa foi uma grande contribuição que Decroly deu à educação atual.

Os centros de interesse concentram o ensino em torno de assuntos atraentes para os alunos e que satisfazem as suas necessidades básicas. Necessidades como o descanso e a diversão, por exemplo, ou relacionadas ao seu entorno, tais como a família ou o meio ambiente.

Em suma, eles são unidades de trabalho que articulam todo o aprendizado que a criança deve realizar em torno de um núcleo operativo e de maneira global. Sem a necessidade, portanto, de fragmentar o conteúdo em matérias ou disciplinas.

Além disso, colocar em primeiro plano o caráter, a individualidade, a personalidade e o conhecimento das crianças, bem como o contato com o seu entorno, é algo essencial para que o ensino possa ser eficaz.

  • Dubreucq-Choprix, F., & Fortuny, M. (1988). La escuela Decroly de Bruselas. Cuadernos de Pedagogía163, 13-18. Recuperado de https://www.ugr.es/~fjjrios/pce/media/7-LaEscuelaDECROLY.pdf
  • Gervilla Castillo,  A. (2006): Didáctica básica de la educación infantil: conocer y comprender a los más pequeños.  Editorial Narcea. Madrid.