Gostos alimentares das crianças

18 de novembro de 2019
Embora a genética esteja envolvida no desenvolvimento dos gostos alimentares, o contato repetido com os sabores e as experiências vividas em relação aos alimentos são fundamentais para as nossas preferências, que são criadas durante a infância.

Você já se perguntou por que as crianças odeiam brócolis, mas nunca rejeitam um doce? Se a sua resposta é que isso depende apenas da genética, você está enganado. Essa é uma ideia que foi disseminada durante muito tempo. Porém, após inúmeras investigações, observou-se que os gostos alimentares são aprendidos. Você quer saber como isso acontece? Descubra a seguir.

Como os gostos alimentares se desenvolvem?

Primeiramente, você deve saber que as papilas gustativas se desenvolvem por volta das 7-8 semanas de gestação. Portanto, tudo começa ainda no útero. Durante esse período, o bebê se desenvolve graças aos nutrientes que passam através do cordão umbilical e do líquido amniótico. Esses nutrientes vêm da alimentação da mãe.

Posteriormente, ao receber a amamentação, também percebemos os sabores daquilo que a nossa mãe come. Dessa maneira, o paladar se acostuma, de modo que, quando os alimentos são introduzidos, geralmente preferimos os alimentos que tenham um sabor semelhante ao que já conhecemos.

Além disso, a exposição repetida, o ambiente social e as emoções associadas à alimentação também influenciam. Até mesmo a cultura também é determinante.

Os Gostos alimentares

Influência do tipo de amamentação nos gostos alimentares

Embora os benefícios da amamentação com o leite materno sejam maiores em comparação ao uso de leite industrializado, nem sempre é possível mantê-la durante pelo menos 6 meses.

Estudos clínicos mostram uma maior variabilidade na aceitação de sabores e uma facilidade para experimentar novos alimentos se o leite for materno. Inclusive, a alimentação geralmente é mais saudável, desde que a mãe também a siga.

Percepção do salgado

Desenvolve-se aos 4 meses de idade de forma inata. Geralmente, a partir dos 2 anos, os bebês têm um desejo maior por esse tipo de alimento em comparação aos adultos.

Existe até mesmo uma relação entre baixo peso ao nascer e o consumo de alimentos salgados. Mas, assim como acontece com todos os gostos alimentares, é possível educar o paladar.

Ninguém dispensa um doce!

Raramente haverá uma criança que rejeite esse sabor, a menos que ele seja pouco oferecido. O sabor doce sempre é associado ao bem-estar e ao prazer, pois ativa tais áreas do cérebro.

Além disso, foi observado que, diante do mínimo contato das crianças com esse sabor, a frequência cardíaca e a quantidade ingerida aumentam. Isso ocorre porque o leite materno é doce.

Ademais, é um sabor associado a festas e comemorações, gerando, assim, um sentimento de alegria. É por isso que, na idade adulta, comemos algo doce quando temos um dia ruim.

No entanto, o grau de percepção varia de acordo com a presença de determinados genes. Portanto, os mais sensíveis geralmente rejeitam o doce em grandes quantidades.

Gostos alimentares das crianças

A rejeição pelo amargo

Foi considerado um veneno na Pré-História, pois era característico dos frutos verdes consumidos para sobreviver. As pessoas que os consumiam ficavam doentes ou morriam. Daí a rejeição inata que poderia explicar a razão pela qual as crianças odeiam certos vegetais, tais como brócolis e a couve-de-bruxelas.

Da mesma forma que ocorre com o sabor doce, também temos receptores que predispõem a uma maior sensibilidade a esse sabor.

Se o nosso filho for um super degustador (ele o considera muito intenso, mesmo que seja mínimo), por mais que tentemos oferecer, ele sempre o rejeitará. Caso contrário, após 10 ou mais tentativas, ele provavelmente o aceitará.

  • Spahn JM, Callahan EH, Spill MK, Wong YP, Benjamin-Neelon SE, Birch L, et al. (2019). Influence of maternal diet on flavor transfer to amniotic fluid and breast matic review. Am J Clinmilk and children’s responses: a syste Nutr. 2019;109(7):1003S-1026S.
  • Beauchamp GK, Mennella JA. (2011). Flavor perception in human infants: Development and functional significance. Digestion. 2011;83(SUPPL.1):1–6.
  • Mennella JA, Bobowski NK, Reed DR. (2016). The development of sweet taste: From biology to hedonics. Rev Endocr Metab Disord. 2016;17(2):171–8.
  • Bobowski NK, Mennella JA. (2016). The sweetness and bitterness of chilhood: insights from basic research on taste preferences, Physiol Behav. 2016;25(3):289–313.
  • Duffy VB, Bartoshuk, LM. (2000). Food acceptance and genetic variation in taste. J Am Diet Ass. 2000; 1000(6):647-55.
  • Hayes JE, Bartoshuk LM, Kidd JR, Duffy VB. (2008). Supertasting and PROP bitterness depends on more than the TAS2R38 gene. Chem Senses. 2008;33(3):255–65.
  • Tepper BJ. (2008). Nutritional Implications of Genetic Taste Variation: The Role of PROP Sensitivity and Other Taste Phenotypes. Annu Rev Nutr. 2008;28(1):367–88.
  • Tepper BJ, White EA, Koelliker Y, Lanzara C, D’Adamo P, Gasparini P. (2009). Genetic variation in taste sensitivity to 6-n-propylthiouracil and its relationship to taste perception and food selection. Ann N Y Acad Sci. 2009;1170:126–39.
  • Bee Wilson. (2016). El primer bocado: cómo aprendemos a comer. 1ª ed. España: Turner; 2016.