5 coisas sobre a maternidade que não são como me contaram

A maternidade parece bonita e é, mas também tem certas partes menos idílicas para conhecer.
5 coisas sobre a maternidade que não são como me contaram

Última atualização: 16 Abril, 2021

Quando eu ainda não era mãe e conhecia outras famílias, lembro que tinha uma imagem um tanto perfeita da maternidade. Embora seja verdade que eu sabia que as famílias não são perfeitas, a realidade é que criei uma imagem um tanto idealizada na minha cabeça. Por isso, vou listar algumas das coisas sobre a maternidade que não são como me contaram.

Eu achava que o instinto de uma mãe era mais do que suficiente para fazer tudo correr bem. Sentia que uma mãe sempre sabia o que fazer e que famílias perfeitas podiam existir. E eu queria uma. Gostava de aprender sobre a maternidade e a criação, e estudei sobre a educação e a criação dos filhos. Mas quando comecei minha família percebi que nem tudo era tão bonito como estava escrito nos livros, ou pelo menos o que minha cabeça me mostrava.

5 coisas sobre a maternidade que não são como me contaram

Família criando intimidade emocional com seus filhos.

A família perfeita não existe, mas as imperfeições são nos tornam únicos

O problema de ter imaginado uma família feliz por tanto tempo é que você realmente acredita que vai conseguir. Pensa que pode ter aquela família perfeita com a qual sempre sonhou e que só tem que fazer um pouco da sua parte para que o seu entorno, quase como em um passe de mágica, se torne idílico.

Nada está mais longe da realidade. Embora seja verdade que somos as pessoas que podem tornar a vida mais ou menos fácil, famílias perfeitas simplesmente não existem. Mas, com o tempo, percebi que essas imperfeições são o que tornam minha família perfeita. Nem todo dia é bom, nem sempre sorrimos, mas todos os dias nos abraçamos e dizemos que nos amamos.

A gravidez não é tão bonita quanto a pintam

Quando via mulheres grávidas, tinha aquela imagem de uma mulher radiante, grávida e sorridente. Pensava que era possível ter uma vida normal e que só teria que esperar nove meses enquanto o corpo mudava para dar à luz. Achava tudo maravilhoso, ou pelo menos foi o que todo mundo me dizia.

É verdade que gestar uma vida dentro de si é uma das experiências mais maravilhosas que já tive, mas não quer dizer que tenha sido um mar de rosas. Já tive duas gestações e uma foi diferente da outra, mas nenhuma foi fácil.

Tive azia e uma forte queimação no estômago do primeiro ao último dia de gravidez, retenção de líquidos, dor lombar, ciática, dores de cabeça, tonturas, vômitos, náuseas diárias, mal-estar emocional… Na primeira gravidez tive depressão pós-parto, e na segunda, passei pela perigosa pré-eclâmpsia pós-parto.

É preciso normalizar que nem todas as mulheres têm gestações maravilhosas. Há quem as tenha e há quem apresente menos problemas, mas a grande maioria das mulheres tem de ser informada de que a gravidez nem sempre é perfeita. Assim, podemos estar cientes do que pode acontecer para agir a tempo e não sentir tanto medo.

O trabalho de parto dói muito!

Eu tinha ouvido falar que com a epidural o trabalho de parto não doía, podia demorar mais, mas seria muito mais fácil. Na verdade, me contaram lindas histórias de partos idílicos e eu queria isso, é claro, então decidi tomar a epidural. Parecia uma mágica que ajudaria a ter um nascimento maravilhoso. Sem exceções.

Mulher sofrendo um parto doloroso, uma das coisas da maternidade que não são como dizem.

Na primeira gravidez achei que tinham aplicado errado porque não fez efeito durante todo o parto. No segundo, também não pareceu fazer nada. Será que também aplicaram errado? No final do segundo parto, um médico me disse que há mulheres para as quais a epidural quase não faz efeito e que eu era uma delas. Claro, no dia seguinte minha perna ficou adormecida o dia todo.

Então, tive meus dois filhos com dor. Com muita, muita dor. Portanto, aquela bela imagem de sorrir enquanto via por um espelho os filhos nascerem e segurando a mão do meu parceiro ficou apenas na minha mente. Porque na realidade foram gritos, dores e muitas lágrimas (de felicidade, mas também de muita dor).

Amamentar nem sempre é possível

Claro, amamentar meu bebê também estava em minha mente. Tive a ajuda de profissionais para que tudo corresse bem, mas não importa o quanto você queira porque às vezes simplesmente não dá certo. Meu primeiro filho começou a perder peso pela insistência da amamentação e começou a desidratar.

Tive que suplementar sua alimentação com leite em pó, e rapidamente, para que seu quadro não ficasse mais complicado. Isso me ensinou que simplesmente há momentos em que, se você não pode, não pode. Eu chorei muito, mas a saúde do meu filho é mais importante.

Eu tinha pouco leite, quantidade que nunca se adaptou às necessidades do meu filho. Combinei a amamentação e a fórmula durante seis meses. Mais tarde, foi meu próprio filho que não quis mais o seio. Tive a ajuda de parteiras que me fizeram ver e aceitar que amamentar é o ideal, mas nem sempre é possível.

Alimentar criança com mamadeira porque não dá para amamentar, uma das coisas que a maternidade tem.

Uma das coisas sobre a maternidade que não é como me contaram é que a criação não é fácil

Criar filhos não é fácil, mas também não é fácil educá-los. Na verdade, é exaustivo. Percebi que há dias que passam muito devagar só por causa do cansaço que sinto, mas que os anos passam voando e que meus filhos crescem muito rápido.

É essencial educar com paciência, amor, respeito, empatia, assertividade, gratidão, perseverança… Mas nem sempre é tão fácil. Existem momentos de tensão, de exaustão física e mental, e quando tanto esforço não dá resultados rápidos, pode ser bastante frustrante.

Mas é importante ter constância na criação e na disciplina positiva, e estar ciente de que não existem crianças difíceis, assim como não somos pais ruins. Se há algo que não pode faltar em hipótese alguma, é amor e respeito.

Se você sentir que não aguenta mais, procure ajuda, mas lembre-se de que o futuro de seus filhos e a felicidade deles está na educação que você está dando hoje. Você pode não ver resultados no curto prazo, talvez você não seja perfeita, pode haver dias em que você vai perder a paciência… Mas você nunca deve perder o respeito ou o amor em sua família. Porque família só existe uma, e o amor que se sente por ela é o motor que nos move todos os dias.

Pode interessar a você...
Pais felizes, filhos felizes: regra básica da maternidade
Sou MamãeLeia em Sou Mamãe
Pais felizes, filhos felizes: regra básica da maternidade

O melhor presente que podemos dar aos nossos filhos é crescer com pais felizes. Pais felizes, filhos felizes, essa é a regra básica da maternidade.