Cinco coisas que as crianças aprendem com os pais

22 Maio, 2018
Há cinco coisas que as crianças aprendem com seus pais e que repercutirão em todos os aspectos de sua vida adulta; vamos conhecê-las agora.

Há cinco coisas fundamentais que as crianças aprendem com seus pais desde muito cedo e que definirão sua identidade de forma permanente. Isso acontece porque aprendem a partir da imitação, seguindo o exemplo e de copiando as atitudes de seus heróis e modelos. É exatamente isso que somos para nossos filhos.

A imitação produz-se de maneira inconsciente, e fica arraigada na psique queiramos ou não; portanto, é importante que fique claro que se desejamos que nossos filhos sejam organizados, por exemplo, não servirá de nada dizer isso para eles se nós mesmos vivermos no caos em casa. 

A seguir falaremos sobre algumas atitudes que as crianças aprendem com seus pais e que em geral, sem importar o quanto mudem quando sejam adultos, permanecerão presentes em suas vidas.

Cinco coisas que as crianças aprendem com os pais

Escolhemos estas cinco coisas que as crianças aprendem com seus pais para exemplificar o poder da imitação na vida de nossos filhos. Estas são a organização, ter atitudes violentas, ser positivos ou negativos, o amor pelo estudo e o trabalho e ser medrosos.

1.- A organização

Ser organizado e também limpo é uma das primeiras lições que as crianças aprendem desde cedo. Este aspecto é tão importante que inclusive múltiplas espécies de animais ensinam pelo exemplo a higiene para seus filhotes, pois instintivamente a relacionam com sobrevivência ou saúde. 

Para nós, os humanos, acontece a mesma coisa; um ambiente organizado e limpo proporciona saúde e paz mental. As crianças que vivem em lares muito higiênicos e ordenados mostram inclinação a manter suas coisas arrumadas sem a necessidade de que alguém lhes ordene constantemente o que fazer.

Além disso, tendem a desenvolver uma valorização de seus objetos pessoais e dos de seus colegas ou irmãos.

A organização

2.- Atitudes violentas

Sem importar que tipo de valores cívicos e religiosos você transmite aos seus filhos, os especialistas asseguram que uma porcentagem importante de indivíduos que responde agressivamente teve em sua infância experiências negativas em que presenciaram violência física ou verbal.

Devemos lembrar que a violência pode acontecer de diversas formas: crianças que presenciam gritos em casa, escutam insultos, reclamações, ideias cheias de ódio ou ofensas raciais, etc. Todas elas terão grandes chances de responder de maneira inconsciente e agressiva quando estiverem em situações de estresse.

Lamentavelmente, em casos de violência doméstica, muitas mulheres relatam que encaram como “normais” os maus tratos físicos ou verbais por parte de seu companheiro, pois afirmam que viam que seus pais tratavam as suas mães assim e acreditam, portanto, que o amor se manifesta por meio desta dualidade comportamental.

3.- Ser positivos ou negativos

Muitas crianças entre 4 e 7 anos manifestam sentir-se infelizes ou sofrer de depressão. Sem entrar na área da psicologia e entendendo que existem patologias particulares, determinou-se que muitas crianças, mediante análises com um especialista, repetem afirmações e comportamentos que veem em seu pai ou sua mãe.

Não é à toa que todas as recomendações para uma boa saúde mental indicam que devemos ser positivos e transmitir frases de auto aceitação aos nossos filhos. Frases como: “Somos infelizes”, “estamos em uma situação ruim”, “não estamos bem” ou “nunca vamos melhorar” fazem com que uma criança se transforme em um adulto inseguro, sem autoestima e com comportamentos depressivos.

4.- O amor pelo trabalho e o estudo

A receita para triunfar na vida é o amor pelo estudo e o trabalho, e é claro, a antítese é a preguiça. Quando as crianças escutam seus pais falarem sobre como é divertido ganhar a vida de forma fácil, fazendo arapucas ou os veem perambulando pela casa, seguramente será mais difícil que enfrentem as responsabilidades da vida adulta.

O mesmo acontece com os estudos e a leitura. Quando as crianças veem seus pais lendo jornais e livros, sentirão a necessidade de imitá-los e pedirão que lhes comprem algo para ler também. Por outro lado, nos lares em que assistem televisão todos os dias, as crianças tendem a tomar atitudes passivas com respeito à aprendizagem, e inclusive as notas tendem a ser mais baixas.

O amor pelo trabalho e o estudo

5.- Ter medo

Muitas vezes o nervosismo e a superproteção com nossos filhos fazem com que injetemos em seu caráter doses de insegurança e medo. Se sempre alertamos sobre perigos ou possíveis problemas, é provável que nossos filhos ao serem adultos se sintam expostos diante de qualquer situação na vida.

Uma variante do medo é o terror gerado pela noite ou qualquer coisa que assuste na escuridão. Ao falar desses temas, podemos marcá-los permanentemente.

Nossas atitudes podem ter as melhores intenções, aparecer de forma inconsciente ou dar a impressão de que são imperceptíveis para nossos filhos, mas muitas vezes não é assim. Por isso devemos ter cuidado e pensar que muitas das atitudes de nossos filhos estarão baseadas naquilo que veem em casa, já que está comprovado que as crianças aprendem muito com seus pais.

  • Bowlby, J. (1986). Vínculos afectivos: formación, desarrollo y pérdida. Madrid: Morata.
  • Bowlby, J. (1995). Teoría del apego. Lebovici, Weil-HalpernF.
  • Garrido-Rojas, L. (2006). Apego, emoción y regulación emocional. Implicaciones para la salud. Revista latinoamericana de psicología, 38(3), 493-507. https://www.redalyc.org/pdf/805/80538304.pdf
  • Marrone, M., Diamond, N., Juri, L., & Bleichmar, H. (2001). La teoría del apego: un enfoque actual. Madrid: Psimática.
  • Moneta, M. (2003). El Apego. Aspectos clínicos y psicobiológicos de la díada madre-hijo. Santiago: Cuatro Vientos.