Como a obesidade afeta a gravidez

25 de abril de 2019
A obesidade durante a gravidez pode ter consequências muito importantes para a saúde da mãe e do feto. Por isso, se você está com sobrepeso, deve começar desde já a se alimentar de forma saudável.

Uma mulher está com sobrepeso quando tem um excesso de gordura corporal no seu organismo e o seu índice de massa corporal é maior do que 30. Então, tanto a sua vida quando a do bebê que está gerando podem estar em perigo. Mais especificamente, é essencial saber como a obesidade afeta a gravidez.

As consequências desse excesso de peso são bastante alarmantes. Para a mãe, as ameaças incluem o diabetes gestacional e a pré-eclâmpsia. Para o bebê, defeitos físicos e até mesmo a probabilidade de morrer no útero são possíveis.

Se você acha que tem excesso de peso ou se fez exames que indicam que você está com sobrepeso, confira a seguir algumas dicas sobre o assunto que vão te ajudar a evitar e resolver essa condição.

O que é a obesidade?

Para falar sobre as consequências da obesidade, devemos começar indicando precisamente o que ela é e quais são os parâmetros para defini-la.

A obesidade é considerada um tipo de doença funcional, mas é totalmente evitável. Nela, quantidades excessivas de gordura são acumuladas no corpo.

Segundo os parâmetros dos médicos, uma pessoa é obesa se o índice de massa corporal for igual ou superior a 30 kg/m2. No caso das mulheres que não estão grávidas, são obesas se o abdômen tiver uma medida igual ou superior a 88 centímetros.

As pessoas com obesidade correm o risco de sofrer da chamada síndrome metabólica, que basicamente envolve doenças tais como diabetes, problemas cardíacos, problemas de pele, desconforto gastrointestinal, acidente vascular cerebral e artrite. Em casos extremos, também pode levar ao câncer.

O que é a obesidade

Como a obesidade afeta a gravidez

Se as pessoas que sofrem de obesidade já estão correndo o risco de desenvolver uma ou mais doenças por si só, o que acontece no caso das mulheres grávidas e com sobrepeso?

Para começar, as mulheres que têm sobrepeso têm mais dificuldade para engravidar. Isso ocorre principalmente porque a ovulação é inibida pelos efeitos do acúmulo de gordura no corpo. Essa condição pode ser tão radical que são relatados casos em que até mesmo a fertilização in vitro também falha.

No entanto, se você já estiver grávida, as consequências diretas dessa circunstância podem ser:

  • Propensão a infecções urinárias durante a gravidez e após o parto, seja um parto natural ou por cesariana.
  • São candidatas a sofrer de pressão alta e pré-eclâmpsia, com a presença de proteínas na urina a partir da 22ª semana de gravidez.
  • Podem sofrer uma trombose. Isto é, um coágulo de sangue que se forma dentro de um vaso sanguíneo.
  • Geralmente sofrem de diabetes gestacional.
  • A gravidez pode se prolongar por mais tempo do que o estipulado como normal.
  • Em muitos casos, é necessário fazer uma cesariana.
  • A mãe pode sofrer um aborto espontâneo.
  • Nos casos mais infelizes, a criança pode morrer dentro do útero.

“Os perigos da obesidade na gravidez incluem o diabetes gestacional e a pré-eclâmpsia para a mãe e possíveis defeitos físicos para o bebê, além de outras complicações mais graves.”

Como a obesidade da mãe afeta o feto?

Como esperado, o feto também é prejudicado pelo sobrepeso da mãe. As complicações de saúde que podem afetá-lo são:

  • Risco de desenvolver doença cardíaca.
  • Risco de sofrer de diabetes na infância ou na idade adulta.
  • Possibilidade de ter defeitos do tubo neural. Isso implica que o cérebro ou a coluna não se formem corretamente.
  • Malformações físicas
  • Ter macrossomia, que se traduz como uma criança com peso, tamanho e índice de gordura corporal acima da média das crianças.
  • Filhos de mães com sobrepeso tendem a ser obesos quando crianças.
  • Sofrer distocia nos ombros no momento do parto, porque tendem a ser crianças com um tamanho grande.
Como a obesidade da mãe afeta o feto

Tipos de cuidados necessários para gestantes com sobrepeso

Se você estiver grávida e já tiver um sobrepeso significativo, precisa saber que o médico responsável pela sua gravidez será responsável por monitorar a sua saúde periodicamente. Além disso, você deve cumprir a dieta e os exercícios recomendados rigorosamente.

Nesse sentido, você vai fazer vários exames relacionados ao diabetes gestacional. Da mesma forma, as ultrassonografias serão agendadas para a 22ª semana de gestação, e não para a 18ª semana como é de costume, uma vez que a quantidade de tecido adiposo dificulta a visibilidade ao exame ultrassonográfico.

Por fim, mais de um ecocardiograma fetal deve ser realizado para descartar problemas congênitos.

Como uma recomendação final, se você quiser engravidar e estiver com sobrepeso, alimentar-se de forma saudável e fazer exercícios regularmente será benéfico tanto para a sua saúde quanto para a saúde do seu futuro bebê. Dessa forma, graças a esses hábitos, você pode evitar sofrer complicações médicas.