Como contar para as crianças que vamos nos separar?

5 de julho de 2019
É claro que a separação dos pais não é um processo simples para ninguém. No entanto, é fundamental ter cautela e compreensão ao dar essa notícia para os filhos.

Na vida, geralmente, tudo o que começa também termina em algum momento. No entanto, quando se trata do amor conjugal, esperamos que esse fim nunca chegue. Muito menos se houver filhos envolvidos, pois enfrentaríamos a difícil situação de ter que contar para as crianças que vamos nos separar.

Porém, em todos os relacionamentos, há um percentual de probabilidade de que, por várias circunstâncias, o relacionamento tenha um fim. Quando temos uma família, sempre devemos avaliar, por mais difícil que seja, o que é melhor para todos.

Mas como abordar essas crianças que veem nos seus pais os seres mais maravilhosos e contar que eles não vão mais morar sob o mesmo teto sem que isso afete drasticamente a sua existência?

Quando temos filhos, é necessário preparar bem o terreno pelo menos alguns meses antes, além de esgotar todas as opções para tentar salvar o relacionamento conjugal. Então, é possível explicar que o melhor a ser feito para o núcleo familiar é a separação definitiva dos pais.

Sem dúvida, essa decisão vai afetar aos mais pequenos da casa. Ela pode até mesmo despertar muitos sentimentos com os quais eles provavelmente não saberão como lidar, tais como culpa, frustração e raiva.

Para amenizar um pouco o impacto dessa notícia chocante, é necessário procurar ferramentas que tornem esse momento um pouco mais tranquilo e menos doloroso para as crianças.

Como explicar para as crianças que vamos nos separar?

O porquê

É importante explicar para as crianças, com muito tato, porque vamos nos separar. Certamente, no entanto, é melhor evitar dar detalhes. Além disso, também devemos dizer que foi uma decisão tomada em conjunto, mesmo que a realidade não seja bem assim.

Reunião do núcleo familiar

Reunião do núcleo familiar

Ao verificar que o término do relacionamento é irreversível, o melhor que pode ser feito é dar a notícia juntos. Assim, as crianças vão sentir que, mesmo que o amor tenha acabado, vocês vão continuar lidando com as situações como uma família.

Também não é aconselhável fazer com que as crianças vejam o ato da separação como algo de pouca importância, e que a dor causada pelo rompimento do núcleo familiar passará logo.

Os pais devem ser honestos sobre o assunto, falar de forma clara e tranquila sobre o processo e enfatizar que estarão lá para apoiar um ao outro mesmo quando isso for difícil.

Encontrar as palavras certas

É aconselhável evitar frases como “não nos amamos mais” ou “o amor acabou”. Isso pode causar muito prejuízo emocional para a criança, que só via afeição entre os pais e que sempre escutou que ela era fruto desse amor.

Por isso, o melhor é fazer com que ela veja como ela é importante, mostrando que tudo está terminando de forma amigável e demonstrando muito amor.

Esse é um processo no qual não é apenas o adulto que sofre com o fracasso do relacionamento. Os seus filhos também sentem a perda daquilo que podem considerar como a coisa mais valiosa de suas vidas: a família.

Fazer com que façam parte da conversa

Sentar-se com as crianças para discutir o assunto é de extrema importância para todos. Isso permite saber o que elas sentem e pensam sobre o assunto. É importante que as crianças esclareçam as suas dúvidas, bem como ouçam que vão receber todo o apoio durante o processo de separação.

“Os pais devem ser honestos sobre o assunto, falar de forma clara e tranquila sobre o processo e enfatizar que estarão lá para apoiar um ao outro mesmo quando isso for difícil.”

Comprometer-se a continuar sendo os melhores pais

É essencial manter as crianças informadas sobre onde e como elas poderão contatar os pais. Deve ficar claro para as crianças que a relação entre eles não precisa mudar.

Embora pareça difícil, é hora de fortalecer a confiança entre pais e filhos. Por isso, o mais aconselhável é nunca prometer o que não poderá ser cumprido, já que isso causa grandes mágoas para as crianças. Elas não têm culpa pelo que está acontecendo entre o pai e mãe.

Não procurar culpados

É fundamental evitar apontar a outra parte como sendo o culpado ou a culpada pelo término da relação conjugal e, portanto, pela separação da família.

Nesse momento, há muito ressentimento, dor e vontade de jogar na cara um do outro as falhas que existiram no relacionamento, já que fazer as crianças passarem por um momento tão difícil não é nada fácil.

Comprometer-se a continuar sendo os melhores pais

No entanto, mesmo que seja muito difícil, é melhor não acusar o ex-parceiro de ser responsável pelo desaparecimento do convívio familiar. Também não é necessário informar as crianças sobre quem pediu a separação. De fato, se isso for feito, há grandes chances de provocar rebeldia e mau comportamento devido ao ressentimento.

Quando nos separamos, encarar a situação com cautela e com a cabeça fria, apesar da dor que isso pode causar para ambas as partes, sempre ajudará a tornar o processo mais fácil.

Nesse sentido, demonstrar maturidade emocional diante dos filhos fomentará bases sólidas para os seus relacionamentos futuros, sem criar traumas que possam perturbar o seu desenvolvimento psicológico.

Por fim, não devemos nos esquecer de que não são as crianças que vão se divorciar, são os pais que não querem mais viver juntos. Portanto, as crianças devem ficar de fora de qualquer situação relacionada à separação.

Elas não devem perder o contato com os pais de forma alguma, nem com os seus familiares devido a decisões arbitrárias de uma das partes, sem qualquer justificativa. Os relacionamentos conjugais acabam, mas o amor da família é infinito.