Como controlar a raiva?

29 de agosto de 2019
Saber controlar as emoções como a raiva é fundamental para a criação dos filhos, assim como para a interação social.

A raiva é a emoção que aparece quando nos encontramos em situações que causam frustração ou que acreditamos serem injustas. É uma emoção básica, por isso é normal sentir raiva de vez em quando, especialmente se você é mãe ou pai. Saber controlar a raiva é essencial para criar os filhos e, em principalmente, para o bem-estar em geral.

Segundo Maria José Bosch, quanto mais pensamos sobre as causas que desencadearam nossa raiva, mais razões e justificativas temos para ficar furiosos. Portanto, saber entender e canalizar a raiva é um aprendizado necessário para aspirar a uma melhor qualidade de vida. Mas como identificamos essa emoção? Em que consiste?

Raiva: uma emoção básica

As emoções têm múltiplas definições: impulsos involuntários, reações a estímulos do ambiente ou, até mesmo, processos cognitivos e neuroquímicos. Isso causa mudanças orgânicas, como transpiração ou respiração agitada.

No entanto, uma definição de emoção bastante adequada é a do psicólogo Daniel Goleman. Para ele, uma emoção refere-se a um sentimento e seus pensamentos específicos, às condições psicológicas ou biológicas que o caracterizam, bem como a uma série de inclinações à ação.

As emoções são mensagens do organismo que cumprem uma função adaptativa. A raiva pertence ao grupo de emoções básicas, juntamente com a alegria, a tristeza, a aversão, o medo e a surpresa. Assim, trata-se de uma função básica para a sobrevivência.

Controlar a raiva é possível

Desencadeada por uma experiência subjetiva, como pensamentos ou sentimentos, a emoção da raiva provoca uma ativação fisiológica e neuroquímica, que leva a uma reação específica. Entretanto, uma série de fatores condicionantes, como a personalidade e o contexto sociocultural de cada um, divergem claramente.

Identifique a emoção: dica para controlar a raiva

Identificar as emoções é fundamental para o nosso bem-estar e é essencial na interação social. Se identificarmos a tempo que uma situação está gerando raiva, ela não nos pegará de surpresa. Assim, estaremos disponíveis para canalizar e lidar com a emoção de maneira mais eficaz.

As pessoas experimentam emoções de maneiras muito diferentes. Isso porque depende do caráter, da situação em que cada uma se encontra e das próprias experiências passadas.

Assim, para identificar quando uma situação pode nos causar raiva, em primeiro lugar é preciso se conhecer e analisar a si mesmo. Dessa forma, é possível descobrir quais são as coisas que incomodam ou frustram. Assim, quando uma situação que identificamos como de “alto risco” começar a se formar, já estaremos preparados.

Alguns sinais podem alertar que uma pessoa está prestes a explodir

Essa situação pode ser identificada pelos sinais fisiológicos que o corpo está enviando. Se você for capaz de reconhecê-los, também poderá tomar medidas para controlar a raiva. Portanto, fique atenta aos seguintes sinais:

  • Respiração agitada
  • Náuseas e dores de estômago em geral.
  • Rigidez muscular, especialmente nos ombros.
  • Transpiração excessiva
  • Mandíbula ou mãos tensas

Outro dos sinais mais visíveis e detectáveis podem ser encontrados em nosso próprio pensamento. Encher a cabeça com ideias e pensamentos negativos só irá alimentar e piorar ainda mais a raiva.

4 ideias para conseguir controlar a raiva

  • Em primeiro lugar, aceite a emoção. As emoções básicas têm uma razão para se manifestarem. No caso da raiva, ela se manifesta quando consideramos que algo é injusto. Reprimir ou inibir essa emoção pode afetar a autoestima.
  • Identificar a emoção é o passo inicial necessário para controlá-la. Saber dizer que estamos com raiva, reconhecer que algo incomoda, desagrada ou nos faz sentir mal ajuda a identificar a emoção. Fazendo isso podemos recuperar o controle da situação e das decisões a serem tomadas.
Controlar a raiva é possível com algumas dicas.

  • A melhor arma contra a raiva é a calma. Focar somente na raiva piora ainda mais o estado de fúria. Portanto, mesmo que seja óbvio, a calma é a melhor solução para deter a onda de raiva. Assim, as melhores soluções são sair para correr ou caminhar, respirar e expirar profundamente, fazer alguma atividade relaxante ou simplesmente ir para um lugar tranquilo.
  • Reflita sobre o que aconteceu. Isso é muito importante, já que refletir sobre o que aconteceu ajuda a aprender com a experiência e controlar a raiva no futuro. Perguntas como “Por que eu estava tão irritada?”, “Como eu quero resolver?” ou “Posso fazer algo sobre isso ou devo simplesmente ignorar?” ajudarão a analisar a situação, assim como se conhecer melhor.

“Contra a raiva, procrastinação”.
-Sêneca-

De acordo com Bosch, a raiva, assim como a tristeza, é uma emoção que é transmitida de volta. Então quanto mais você pensa sobre as razões que produzem raiva, com mais raiva você fica. Remoer sobre o assunto só alimenta as chamas da raiva, o que fará com que encontremos mais motivos, e motivos mais poderosos, para ficar com mais raiva.

A raiva é uma emoção que ativa o nosso comportamento de “defesa e ataque” e provoca avaliações negativas para prejudicar ou destruir. É verdade que se trata de uma emoção básica e é contraproducente inibi-la. No entanto, se não conseguirmos controlar, pode acabar sendo destrutiva.

  • Bosch, M.J. (2009). La danza de las emociones. Edaf. España: Madrid.