Como conversar sobre a adolescência com a minha filha?

26 de agosto de 2018
Na pré-adolescência, mulheres e homens passam por mudanças físicas, emocionais e hormonais.

No caso das meninas, a transição para a adolescência pode ser um pouco complicada e é possível que você se pergunte: como converso com a minha filha sobre a adolescência? Nós vamos te dizer como aqui, neste artigo.

Há dezenas de temas que nos interessa compartilhar com nossas filhas. Principalmente quando elas iniciam o caminho para se tornar adolescentes. Esse caminho complexo que devem percorrer para serem mocinhas.

Em algumas ocasiões, pode ser que nos encontremos em uma encruzilhada entre nossa preocupação pelo que se aproxima e o não conversar oportunamente sobre o que está por vir. É por esse motivo que devemos tentar, na medida do possível, estar um passo à frente.

Se sua filha conviveu com uma irmã mais velha, toda essa questão será algo praticamente natural para ela. Assim, ela entenderá mais facilmente a etapa de desenvolvimento que começará a viver.

Como se preparar para essa etapa da vida?

com a minha filha

Entre 10 e 13 anos, sua filha já tem uma personalidade bastante definida. Ela sabe do que gosta, o que quer e assume posições definitivas perante a determinadas situações.

É importante preparar sua filha para o que está por vir, sem que isso implique sentir receio. Pelo contrário, conte para ela como será maravilhoso viver essa etapa do desenvolvimento.

Ela será uma adolescente e vai passar por mudanças físicas e emocionais significativas que vão se refletir na sua forma de se relacionar com o ambiente.

Sua filha vai começar a perceber que ela não é mais a mesma. O corpo dela vai mudar e, por mais que seja estranho a princípio, cabe às mães o trabalho de ajudar suas filhas a se sentirem confortáveis consigo mesmas.

Se você ensiná-la que o que ocorre dentro dela é tão absolutamente normal quanto fascinante, certamente será positivo. Pois isso faz parte da trajetória para se tornar uma mulher.

Nessa etapa, as meninas tendem a apreciar mais o valor das amizades. Elas, geralmente, formam grupos e adoram se divertir juntas. Isso pode causar certa preocupação para os pais. Assim, essa é uma das razões pelas quais todos os membros da família devem estar bem preparados.

No entanto, tenha em mente que tudo tem o seu tempo. Dessa forma, não encha sua filha de informações. Pois, em vez de ajudá-la você pode acabar confundindo sua pequena. O segredo é ter uma comunicação aberta. Assim, sua filha vai sentir liberdade de conversar com você quando quiser.

Conselhos para orientar sua filha

com a minha filha

Converse com frequência com sua filha. Talvez seja nesse período em que ela mais vai precisar de orientações, conselhos e, acima de tudo, muita compreensão e amor.

Não delegue tudo aos professores. Mesmo que sua filha receba informações educacionais sobre as mudanças pelas quais vai passar, ninguém melhor que a mãe para orientá-la nesse processo.

Seja o mais clara e transparente possível. Não tenha medo de  conversar com sua filha numa linguagem mais explícita. Nessa idade, ela já está mais do que capacitada para entender de forma clara e concisa toda a informação de que precisa.

Encontre o equilíbrio em seus ensinamentos e conselhos. Num ambiente de confiança absoluta, logo você vai perceber que será sua própria filha quem buscará contar naturalmente para você as mudanças que está experimentando e te fará as perguntas que precisar para esclarecer suas dúvidas.

A chegada da primeira menstruação é um sinal inequívoco de que ela chegou na etapa de desenvolvimento. Mesmo que quase sempre o início seja difícil, faz parte de um processo natural com o qual pouco a pouco sua filha vai se familiarizar.

Confie em sua filha e ela confiará em você. Aproveite as conversas que tiverem para reforçar os laços familiares.

Faça com que o pai também participe nesse processo. Embora digam que isso é coisa de mulheres, envolver a figura paterna nesse processo também é de extrema importância. Pois o pai também deve estar capacitado para orientar sua filha quando considerar necessário.

Compartilhe com ela sem proteger demais. Devemos entender que desde que sua filha começou a crescer não podemos pará-la. Certamente, ela vai começar a ser mais independente e, às vezes, vai querer estar sozinha. Cabe a nós tentar entendê-la.

É provável que nessa etapa de desenvolvimento nossa filha possa se sentir um “patinho feio”, mas se você a apoiar, tudo será mais fácil. Cada ser humano é único e especial, assegure-se de que sua filha saiba disso no caminho para essa nova etapa de sua vida.