Como entrar num acordo em relação à educação das crianças?

· 21 de abril de 2019
Aprender a estar de acordo sobre a educação das crianças é um dos grandes desafios do casal. Vamos enfrentar isso juntos?

Quando um casal decide começar uma família e ter filhos, suas histórias começam a se entrelaçar mais intimamente. A maneira como ambos foram educados se tornará mais aparente. Por sua vez, suas crenças, seus medos e seus anseios serão irremediavelmente expressados para seus filhos.

Por isso, um dos grandes desafios do casal é entrar em um acordo em relação à educação das crianças.

Quais obstáculos podemos enfrentar?

No momento de entrar em um acordo em relação à educação das crianças podem ocorrer duas situações:

  • Quando os pais têm opiniões completamente discrepantes sobre como educar os filhos. Às vezes, as maneiras como eles mesmos foram educados podem ser muito diferentes uma da outra.
    • De tanto querer o melhor para seus filhos, os pais chegam a um ponto de rigidez e querem impor cada um o seu ponto de vista, sem ser capaz de ver o que é melhor para a nova família.
  • Quando chegam a acordos, porém um é mais permissivo que o outro. Essa situação é uma fonte constante de conflitos entre os casais. Em muitas ocasiões, as regras são definidas, mas um dos dois adultos é mais rigoroso quando se trata de cumpri-las.
    • Isso cria muita insegurança nas crianças, que precisam de limites claros e amorosos para seu melhor desenvolvimento físico, intelectual e emocional.

Quando a criança recebe mensagens contraditórias ou ouve como seus pais brigam na sua frente, ela se sente sem referências claras. Isso pode fazer com que seu filho aprenda a usar essas discrepâncias para o próprio benefício.

Seu filho deve sentir que pode confiar em vocês dois e que vocês também estão aprendendo a melhor maneira de educá-lo.

Estratégias para entrar num acordo em relação à educação das crianças

  1. Fale sobre o tipo de educação que você teve em casa e o que você quer colocar em prática agora que é mãe ou pai. Não é necessário repetir nenhum modelo. Agora vocês são uma nova família e se trata de encontrar aquelas fórmulas que fazem você se sentir confortável.
  2. Cheguem a um acordo sobre os limites que vão dar aos seus filhos. Conversem primeiro entre vocês e depois deixem claro para as crianças as normas e as consequências do seu não cumprimento, se houver alguma.
  3. Quando houver uma situação de confronto entre um dos pais e o filho, o outro deve permanecer de fora, sem intromissões. Ouça e espere o momento em que vocês estiverem sozinhos para conversar. Se surgirem discussões – e elas surgirão -, tentem dialogar de maneira serena e sem perder de vista que o objetivo principal é o bem-estar das crianças.
  4. Assim como fazemos com as crianças, também é muito saudável deixar claro para nosso parceiro quais são os nossos limites. Vocês dois devem saber qual é o limite que o outro não está disposto a transpor.

Mais estratégias

  1. Nunca culpe a criança pelos problemas. Afinal, são elas que mais sofrem quando surge um problema entre pai e mãe. Coloque-se no lugar delas e não idealize ou projete previamente como será a vida antes de se tornar pai; as crianças não são o motivo de seus desentendimentos.
  2. Deixe seu filho saber que a mamãe e o papai estão buscando o melhor para ele. Deixe-o ciente de que vocês são uma equipe, embora às vezes não concordem entre si. Ele deve sentir que pode confiar em vocês dois e que vocês também estão aprendendo a melhor maneira de educá-lo.
  3. Se houve um conflito e vocês não concordarem na frente das crianças, tenha calma, pois não é o fim do mundo. Aproveite a experiência para sentar, analisar a situação e ver qual será a melhor maneira de agir quando outra situação parecida acontecer.

Não caia nas armadilhas do ego. Por fim, não se trata de estar certo ou ficar acima do seu parceiro. Trata-se de buscar soluções e acordos, de concordar em relação a educação das crianças, de ter visão e empatia suficientes para construir juntos novos caminhos que beneficiem toda a família.

  • Aguirre Saez De Eguilaz, A. (2015). CLAVES PARA EDUCAR EN IGUALDAD. Qurriculum, n.28;
  • Ríos Garcís, A. L. (2013). Educar en valores, la solución a la violencia doméstica. El Heraldo.
  • Amor Pérez, N., & Díaz, M. V. (2013). La familia. Mendive, ISSN-e 1815-7696, Vol. 11, No. 3, 2013 (Ejemplar Dedicado a: Julio-Sept.), Págs. 291-307. https://doi.org/10.1017/CBO9781107415324.004