Como interpretar as cores nos desenhos das crianças?

· 9 de abril de 2019
Insatisfações, timidez, empatia ou raiva reprimida são alguns dos sentimentos que você pode identificar no seu filho ao analisar a escolha das cores com as quais ele desenha.

As cores e as emoções têm sido objeto de estudo dos ramos da psicologia há muito tempo. A afinidade ou rejeição que uma pessoa sente em relação ao uso de certas cores tem raízes ligadas à esfera emocional. Você sabe como interpretar as cores nos desenhos das crianças?

Neste artigo, vamos te dar algumas dicas para interpretar as cores nos desenhos das crianças a fim de chega mais perto de conhecer o comportamento e as ideias do seu filho.

Deixando de lado os conceitos e a simbologia tradicional do que certas cores representam para uma cultura, identificar-se como certas tonalidades pode desvendar comportamentos e predisposições psíquicas.

Não só as formas, mas também a intensidade do traço e a narrativa do desenho podem indicar o que está passando pela cabeça das crianças. A escolha de cores para essa representação também fala de forma forte e clara sobre o estado emocional delas.

Cores mais recorrentes nos desenhos infantis

Cores mais recorrentes nos desenhos das crianças

Embora existam certas cores mais recorrentes, visto que elas são as que estão presentes em todas as caixas de giz de cera, as crianças geralmente fazem combinações.

Nesse sentido, é bom que você saiba que as combinações de cores claras e leves anunciam uma criança calma e mais conectada às suas emoções.

Por outro lado, a escolha de combinações de cores intensas geralmente demonstra crianças ativas e cheias de energia, com sentimentos marcantes, incluindo a agressividade.

Azul

Essa é uma cor associada à calma, ao bem-estar e ao relaxamento. Geralmente, é uma cor escolhida como favorita pelas crianças mais calmas ou até mesmo tímidas, e também desperta nas crianças o seu lado sensível e a criatividade.

Acredita-se que as crianças que usam essa cor também desenvolvem o autocontrole mais precocemente. Também ocorre que algumas crianças que usam essa cor com frequência tenham uma condição chamada enurese, um distúrbio de personalidade de origem emocional.

Vermelho

O vermelho é uma cor que chama bastante a atenção das crianças devido à sua intensidade. Seu uso pode ter duas interpretações:

  • Se a criança a usa com muita frequência, pode descrever uma criança hostil, com sentimentos de raiva reprimida.
  • Se o seu uso é moderado, pode refletir vitalidade e energia.

Preto

Ao contrário do que se possa imaginar, o preto é uma cor que não está ligada a sentimentos negativos ou depressivos. Pelo contrário, ela descreve uma criança com boa autoestima e autoconfiança.

Entretanto, no que diz respeito ao uso dessa cor, o especialista também deve avaliar a intensidade do traço pois se for muito forte, pode ter outros significados.

 O vermelho é uma cor que chama bastante a atenção das crianças devido à sua intensidade

Marrom

É uma cor ligada à responsabilidade. Nesse sentido, quando as crianças a escolhem, mostram que são diligentes e prudentes. Seu uso excessivo, por outro lado, geralmente manifesta ansiedade devido às atividades diárias.

Amarelo

É sinônimo de energia, dinamismo, alegria e sociabilidade. É uma cor que fala de uma criança feliz e na qual todas as virtudes e a bondade associadas à infância estão incluídas. No entanto, seu uso exclusivo na hora de desenhar manifesta problemas com figuras de autoridade.

Verde

O uso abusivo dessa cor na ilustração pode indicar que a criança é preguiçosa e tem certo grau de timidez e inibição. Por outro lado, também há os significados universais para essa cor: esperança, tranquilidade e sensação de harmonia.

Roxo

O uso dessa cor mostra que a criança pode estar se sentindo melancólica, insatisfeita e inquieta por alguma situação. Seu uso desproporcional, assim como acontece com o marrom, indica que a criança se sente sobrecarregada por algum tipo de pressão.

Como uma informação final, queremos que você saiba que essas análises estão sujeitas a margens de erro de acordo com a interpretação e o uso ou a combinação das cores.

De qualquer forma, recomendamos que você faça uma avaliação mais estruturada com um psicanalista, um psicólogo ou um psiquiatra a fim de chegar a um diagnóstico correto e realmente conclusivo.

  • Martínez-Cañellas, A. (1979). Psicología del color. Plástica/Dinámica. https://doi.org/10.1007/978-3-642-22371-6_14
  • Sanz, C. (2013). Psicología del Color: El color y las emociones. Escola D’art i Superior de Disseny de Vic
  • Santiago, J. (2007). El color de las emociones. Ciencia Cognitiva: Revista Electrónica de Divulgación