O consumo de álcool e a amamentação

· 8 de agosto de 2017

Desde o momento em que colocamos os pés no caminho da maternidade as preocupações nos invadem por todos os lugares. Muitos mitos são criados em torno de como deve ser o nosso estilo de vida desde então, mas também há muitas verdades. No caso do álcool sabemos que durante a gravidez é bastante arriscado, mas o que dizem sobre o estágio de lactação? É seguro para o bebê combinar álcool e amamentação? Ou devemos continuar esperando?

Muitas mulheres nem sequer fazem esse tipo de pergunta porque normalmente não têm intenção e o desejo de consumir álcool. Outras sabem que podem esperar para ter certeza de que não prejudicarão o seu pequeno. No entanto, algumas mulheres podem querer voltar à sua vida social e, inclusive, há aquelas com problemas de alcoolismo.

Pode acontecer também que a mulher não sinta só vontade de sair para tomar uma cervejinha, mas quer ir para a balada. Como saber as implicações do álcool durante a amamentação? Beber uma taça de vinho é tão arriscado quanto beber uma garrafa inteira? Contaremos a seguir o que dizem os especialistas.

O que acontece quando você combina álcool e amamentação?

As bebidas alcoólicas não são prejudiciais por si mesmas. Pelo contrário, acredita-se que algumas delas inclusive possui propriedades medicinais. O que realmente é considerado um problema de saúde real é o consumo excessivo de álcool, uma vez que entra no corpo e se espalha por meio da corrente sanguínea.

Portanto, a principal proibição do álcool na gravidez é porque ele pode chegar diretamente ao feto através do sangue. No caso da amamentação é exatamente a mesma coisa, mas nesse caso, o álcool será transmitido através do leite materno.

O problema do consumo de álcool na lactação é que ele pode eliminar algumas propriedades importantes do leite. Então, o álcool pode ser responsável por diminuir a quantidade de nutrientes que chegam ao bebê dessa forma.

Combinar álcool e amamentação é mais arriscado ainda, se você aumentar a quantidade consumida em um determinado período. Ou seja, se beber uma grande quantidade de álcool em um pequeno intervalo de tempo.

Ainda não há dados que determinam um impacto negativo sobre o cérebro por beber álcool de maneira moderada. No entanto poderia causar mudanças no comportamento do bebê, tal como o consumo do café, por exemplo. Entre os efeitos estão a insônia, irritabilidade ou mal-estar no estômago. Apesar disso, ainda não foram determinados efeitos permanentes.

Isso pode acontecer porque o nosso corpo metaboliza essas substâncias muito lentamente. Isso faz com que fiquem mais tempo no organismo e, portanto, podem chegar ao bebê em qualquer momento.

Considerações sobre o consumo de álcool e a amamentação

Especialistas acreditam que a moderação é o segredo. Sempre que for possível, evite o consumo de álcool nesta fase. No entanto, alguns cuidados básicos seriam beber eventualmente e de maneira moderada.

De acordo com a avaliação dos especialistas, beber um pouco e muito ocasionalmente não deve prejudicar o bebê que amamenta. Estima-se uma quantidade aceitável é cerca de 0,5 gramas de álcool por quilo de peso mãe. O potencial problema começa quando as quantidades aumentam e a prática se torna frequente.

A recomendação geral é que as mulheres que amamentam não bebam álcool diariamente. Esta não é uma questão moral ou um “vai que”. O álcool pode realmente afetar o bebê e até mesmo causar coma ou a sua morte.

Além disso, o álcool e a amamentação não são compatíveis porque substâncias alcoólicas podem reduzir a produção de prolactina e oxitocina, os hormônios responsáveis pela produção de leite.

A mãe que decidir tomar alguma bebida alcoólica durante a amamentação não pode se esquecer de levar em consideração os seguintes aspectos:

  • É preferível amamentar antes de beber álcool. Em seguida a mãe deve esperar pelo menos três horas para reduzir o nível da substância no organismo.
  • Em outra situação, é recomendável que o tempo entre o consumo de álcool e a amamentação seja inferior a 30 minutos. Isto é, você pode amamentar nos primeiros minutos depois de beber porque a maior concentração de álcool no corpo é entre 30 e 60 minutos após o consumo.
  • Se o bebê for recém-nascido é recomendada a abstinência total. Além do organismo do bebê ser muito mais delicado, ele toma leite com muito mais frequência até os primeiros três meses de vida.