O consumo de cafeína durante a amamentação

· 11 de junho de 2017

O consumo de cafeína durante a amamentação não é um tema que se considere proibido. Existem muitos mitos sobre o café, sobretudo em relação à pré-concepção e a gestação. O que se diz sobre o consumo de café na etapa da amamentação? É bom ou ruim? Pode afetar-nos de alguma maneira?

Aparentemente cada pessoa tem sua própria resposta sobre estas questões. O café pode fazer bem para alguns e fazer mal para outros. Há muitos benefícios comprovados da cafeína; no entanto, também existem muitas mentiras.

Principais mitos sobre a cafeína

● Causa dependência. Segundo os especialistas, o organismo se acostuma rapidamente ao consumo da cafeína. Por isso as vezes a necessidade de fazê-lo com frequência. No entanto, também pode-se deixá-lo com facilidade.

● É prejudicial para as crianças. Pequenas quantidades de café não devem causar problemas às crianças. Ao contrário, acredita-se que certas doses de cafeína beneficiam a concentração e a atenção dos pequenos.

● Nos faz engordar. O café por si só não pode fazer-nos engordar. Em todo caso, o que causa um aumento das calorias que consumimos, é quando adicionamos leite ou creme, e grandes quantidades de açúcar.

● Prejudica as gestantes. Elevadas quantidades de cafeína podem afetar a concentração e deixar a gestante mais nervosa. Também pode afetar o bebê, que poderia ficar mais inquieto. No entanto, o consumo moderado de café na gestação não terá maiores consequências.

● A cafeína ajuda a queimar calorias. É um mito que o consumo de café ajuda com o rendimento esportivo. Por esse motivo algumas pessoas costumam tomar café antes de fazer um esporte.

Cafeína e amamentação, amigas ou inimigas?

Desde o início da gestação, a mulher começa a tomar café com moderação. Na maioria dos casos é por decisão própria, mas as vezes deve-se indicar que reduzam os níveis de cafeína. Tudo depende da quantidade de café que tomamos por dia. Também ocorre que pode provocar mais náuseas ou acidez estomacal devido a gestação.

Esta situação continua durante todo o processo, inclusive chegamos a acostumar-nos a deixá-lo. Então, o que ocorre depois que nasce o bebê? Em que momento devemos voltar à rotina de tomar café?

Depois do parto demoramos a voltar à normalidade, sobretudo quando começa imediatamente a etapa da amamentação. A dieta da mulher que amamenta também deve adaptar-se à situação, que é diferente da gestação, mas que tem suas chaves.

Os especialistas agrupados pela Associação Panamericana de Pediatria explicam que de fato o café é seguro durante a amamentação. Apesar disso, sabemos que os excessos nunca são bons. A cafeína pode ser encontrada principalmente no café, mas alguns chás e refrigerantes também podem contê-la.

Se nos excedemos na quantidade de cafeína isto poderia afetar-nos de alguma maneira. Às vezes gera insônia, dificuldade para manter o sono, nervosismo ou problemas estomacais. É possível que alguns destes sintomas afetem também o bebê.

Além disso, se considera que algumas pessoas são mais sensíveis a esta substância. Portanto, há bebês que podem apresentar sequelas diante a uma mínima ingestão através da mãe. Igualmente, algumas crianças podem ser bastante tolerantes, sem que as afete em nada. 

A cafeína pode danificar no leite materno?

Qualquer bebida com cafeína que chegue ao organismo da mãe que amamenta, passa imediatamente para seu leite.

Depois de uns noventa minutos após a ingestão é quando se localizam os picos mais altos desta substância no organismo. É por isso que se calcula que ao menos o 10% de cafeína que a mãe ingere, chega diretamente ao bebê.

Se consideramos que o metabolismo dos bebês é muito mais lento que o de um adulto, então estes terão a cafeína em seus corpos por mais tempo. A partir dos quatro meses pode dizer-se que se iguala à velocidade metabólica dos bebês com os adultos. No entanto, nos primeiros meses, o lactante pode sofrer os efeitos da cafeína no leite.

A cafeína não danifica o leite, somente se concentra nele. Pode afetar a criança porque passa muito tempo em seu organismo. Quanto maior quantidade tenhamos tomado, os efeitos podem ser maiores. O recomendável nestes casos, é adequar a dose a umas três xícaras de café por dia. No entanto, como dissemos, todos os bebês são diferentes.