É conveniente usar as redes sociais como ferramenta educativa?

04 Fevereiro, 2021
Saber se é conveniente utilizar as redes sociais como ferramenta educativa implica conhecer tanto os benefícios quanto as desvantagens caso essas plataformas sejam escolhidas como um ambiente de formação.

Muitas mães, ao verem os filhos no Facebook, Instagram ou Snapchat, ficam alarmadas. Será que essas ferramentas são úteis para os menores de idade ou será que as crianças estão perdendo tempo? Essa é uma questão espinhosa que nos leva a tentar responder à pergunta que dá título a este artigo: é conveniente usar as redes sociais como ferramenta educativa? Veremos a seguir.

Sem dúvida, a chegada das redes sociais estreou um novo panorama no mundo. Durante os últimos dez ou quinze anos, a forma de usar a internet mudou muito graças a essas plataformas.

Se associarmos as redes sociais ao mundo da formação, sem dúvida, abre-se um novo modelo educacional. Mas será o caso de incluí-las na sala de aula? É complicado, pois embora sejam ferramentas poderosas, elas também podem causar sérios problemas para as crianças se forem usadas de forma abusiva ou pouco moral, ou seja, podem acabar sendo prejudiciais para os alunos.

as redes sociais como ferramenta educativa

Portanto, podemos concluir até agora que as redes sociais se tornarão um fantástico complemento para a formação, mas nunca poderão ser um substituto.

Benefícios do uso das redes sociais como ferramenta educativa

Não podemos ignorar que o uso das redes sociais como ferramenta educativa representa benefícios interessantes para o desenvolvimento da criança. Portanto, é conveniente fazer uma lista desses pontos positivos:

  • Interação entre pares: permite que os alunos colaborem mais e melhor uns com os outros. Também aumenta o contato com os professores.
  • Busca de informação: são uma fonte inesgotável de informações, tanto quanto motores de busca como o Google. Assim, elas se tornam uma ferramenta útil.
  • Compartilhamento de recursos: entre professores, entre alunos, entre professores e alunos, entre agentes formativos e pais. Compartilhar conteúdos e recursos é muito simples.
  • Geração de debates: as redes sociais são ferramentas interessantes para gerar debates em sala de aula que podem continuar em fóruns e na Internet.
  • Atividades de aprofundamento temático: permitem também o desenvolvimento de atividades em sala de aula para que os alunos se aprofundem nos temas a serem discutidos e tenham acesso a inúmeras informações.
  • Comunicação imediata: da mesma forma, também favorecem a troca imediata de materiais e, portanto, a comunicação ativa e rápida entre os profissionais, com os pais e com os alunos.
  • Agilização do processo de aprendizagem: as redes, quando bem compreendidas e utilizadas, agilizam os processos de aprendizagem e transferência de conhecimento.
  • Promoção da pesquisa: da mesma forma, são ferramentas perfeitas para estimular a pesquisa e incentivar o aluno a se aprofundar nos temas abordados em aula.

“O Facebook nasceu para dar às pessoas o poder de compartilhar e tornar o mundo um lugar mais aberto e conectado.”

-Mark Zuckerberg –

Desvantagens do uso das redes sociais no ambiente educativo

Assim como apresenta aspectos muito positivos, o uso das redes sociais como ferramenta educativa também incorpora outros elementos bastante negativos ou, pelo menos, preocupantes.

as redes sociais como ferramenta educativa

  • Crianças desprotegidas: os jovens estão desprotegidos diante das redes sociais. Atualmente, ocorrem situações indesejáveis ​​por causa dessas plataformas e da má compreensão delas por algumas crianças, tais como o grooming e o cyberbullying.
  • Dependência: pode gerar a necessidade de respostas imediatas nos alunos, algo que deve ser evitado, pois é importante estimular a paciência das crianças.
  • Distração: o uso descontrolado pode causar um excesso de distrações desnecessárias, o que provocaria um efeito negativo para o desempenho acadêmico dos pequenos.
  • Relações humanas diretas: quando se passa muito tempo nas redes sociais, estas também podem promover uma redução das relações humanas diretas.
  • Vício: em casos excessivos, as redes sociais causam graves transtornos de dependência que requerem intervenção profissional.
  • Consenso jurídico: atualmente, não existe um consenso legal e jurídico que permita delimitar claramente a atuação quanto à questão das redes sociais adaptadas à educação.
  • Informações pessoais: além disso, as redes sociais não deixam de ser plataformas públicas que requerem informações pessoais do usuário, informações que, no caso dos menores de idade, são especialmente sensíveis.

Em suma, é difícil afirmar que é conveniente usar as redes sociais como ferramenta educativa. Embora os seus benefícios sejam múltiplos, os riscos também o são. No entanto, as crianças sentem curiosidade quanto a essas plataformas e não demoram muito para acessá-las. Portanto, ter a ajuda de um profissional para atuar como guia e tutor sempre pode ser positivo para evitar males maiores.

  • Valenzuela, R. (2013). Las redes sociales y su aplicación en la Educación. Revista Digital Universitaria, 14 (4), 1-14.