Coronavírus: tudo o que os pais devem saber

20 de março de 2020
O coronavírus disparou alarmes no mundo todo. Neste artigo, vamos passar todas as informações que os pais devem saber sobre esse vírus.

Neste momento, praticamente o mundo todo está em alerta por causa do, cada vez mais conhecido, coronavírus. Apesar de ativar os alarmes e causar medo nas pessoas, nem todas as informações divulgadas sobre esse vírus são reais. Neste artigo, vamos passar todas as informações que os pais devem saber sobre o coronavírus em crianças.

O que é o coronavírus?

Os coronavírus são uma família de vírus de origem desconhecida. Dentro dela, existem diferentes tipos de coronavírus. Os diferentes tipos de coronavírus podem causar desde uma infecção assintomática, passando por um resfriado simples até chegar a provocar complicações como a pneumonia ou até mesmo a morte por insuficiência respiratória.

Foi em dezembro de 2019 quando começaram a ser detectados casos de um novo tipo de coronavírus, o COVID-19, na cidade chinesa de Wuhan. Desde então, sua capacidade de ser facilmente transmitido de pessoa para pessoa fez com que o número de casos aumentasse constantemente e que o vírus se espalhasse para muitos países ao redor do mundo.

A transmissão acontece através pequenas gotículas que se projetam quando uma pessoa infectada tosse ou espirra e que podem chegar diretamente a outra pessoa ou permanecer em superfícies ou objetos.

Médica segurando sangue infectado com coronavírus

O coronavírus é grave?

Embora a transmissão de pessoa para pessoa ocorra com facilidade e o número de infectados seja muito grande, a realidade é que a mortalidade desse tipo de vírus é baixa, variando entre 1,4 e 2,1%. Nesse sentido, estima-se que seja ainda menor em crianças.

A mortalidade mais alta ocorre especialmente em populações suscetíveis, como idosos, pessoas com outras doenças e riscos associados ou indivíduos que têm sistema imunológico deprimido ou imaturo.

Quais sintomas provoca?

A infecção por coronavírus, em geral, provoca sintomas semelhantes aos de uma gripe comum. Entre esses sintomas, podemos encontrar os seguintes:

  • Corrimento nasal.
  • Mal-estar geral.
  • Cansaço.
  • Dor muscular.
  • Tosse seca.
  • Coriza.
  • Febre e calafrios.
  • Dor de garganta e de cabeça.

Uma pessoa infectada pode não apresentar sintomas, passar por um quadro gripal, como já comentamos, ou, nos casos mais graves, chegar a desenvolver complicações graves. As complicações mais importantes que podem surgir são a pneumonia ou, até mesmo, a insuficiência respiratória.

Talvez também te interesse: 5 conselhos para baixar a febre das crianças

Tratamento e prevenção

Atualmente, não existe um tratamento eficaz para esse tipo de vírus. Portanto, o tratamento será focado nos sintomas, controlando a febre, as dores e tentando manter o paciente com um bom estado geral.

Também é necessário estar alerta para o aparecimento de possíveis complicações, principalmente, como já comentamos, nos grupos mais suscetíveis da população.

Coronavírus ao redor do mundo

É por isso que é importante tentar evitar o contágio pessoa por pessoa. Para isso, o mais relevante é uma higiene adequada, que deve ser básica e geral. Além disso, deve ser dedicada uma atenção especial à higiene de mãos. É essencial lavar as mãos após qualquer possível contato com uma pessoa ou um objeto infectado.

É recomendável evitar o contato com pessoas já contagiadas e, em caso de não poder evitar, cobrir adequadamente olhos, nariz e boca.

Também pode te interessar: Doenças que seu filho pode pegar em creches

O que acontece com o coronavírus em crianças?

Embora as crianças tenham a mesma possibilidade de contágio que os adultos, tudo leva a crer que a infecção é mais leve nelas. Foram registradas menos complicações do vírus em crianças, e o mais comum é que passe como um quadro gripal sem muita importância.

No entanto, a Associação Espanhola de Pediatria, junto com outras instituições pediátricas, pretendem preparar um protocolo de ação e gestão do coronavírus em crianças.

Naturalmente, o mais importante é ficar alerta para qualquer possível caso suspeito e avisar com rapidez os organismos de Saúde Pública para que coloquem em prática as medidas apropriadas para confirmar ou descartar a infecção, assim como para fornecer as instruções pertinentes a fim de evitar o contágio e as complicações.