Crianças agitadas ou hiperativas?

14 Outubro, 2020
Existe um debate quanto a uma criança ser apenas agitada ou realmente hiperativa. Às vezes, são feitos diagnósticos de hiperatividade quando se trata apenas de uma imaturidade cognitiva.

Crianças agitadas ou hiperativas? Certamente, se o seu filho é pura energia e não fica parado, você já se fez essa pergunta e, na verdade, isso é algo que preocupa muitos pais, principalmente quando a criança entra na escola e começam a surgir reclamações da professora de que o seu filho não para quieto.

Cada vez mais crianças são rotuladas desde cedo como “hiperativas”, ainda que nessas idades seja muito difícil fazer um diagnóstico que permita rotular a criança pelo resto de sua vida. Devemos ter muito cuidado com isso. Algumas dessas crianças talvez possam ser hiperativas, mas grande parte delas são simplesmente crianças com muita energia e necessidade de movimento.

Crianças agitadas ou hiperativas na escola

Em muitas ocasiões, os pais observam que os filhos, desde pequenos, não conseguem ficar quietos. São crianças dinâmicas que gostam de investigar e descobrir coisas, e passam pouco tempo sentadas.

Quando a criança entra na escola, a primeira coisa que a professora diz é: “Você tem um filho muito inquieto, talvez ele tenha TDAH (Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade). Vou pedir para a orientadora para verificar”.

Mas será que já é possível dizer que uma criança de 3 anos que acabou de entrar no primeiro ano do Ensino Infantil seja hiperativa? Não deveria e não precisa ser assim. Muitos especialistas afirmam que o diagnóstico de TDAH não deve ser feito até o 2º ano do Ensino Fundamental (por volta dos 7 a 8 anos), quando é possível começar a avaliação.

Crianças agitadas ou hiperativas

Se desde tão cedo já colocarmos o rótulo de hiperativa na criança, isso se tornará algo que ela vai arrastar durante toda a sua fase de formação, deixando marcas em sua autoestima e seu jeito de ser de uma forma negativa. E talvez ela seja apenas uma criança com necessidade de experimentar, tocar, mover, etc.

Cada criança é diferente da outra

Crianças que precisam de movimento, que não param, sempre existiram e sempre vão existir, e elas não necessariamente têm um problema de hiperatividade. Hoje em dia, a primeira coisa que se faz é colocar um rótulo para começar a medicação imediatamente.

Cada crianças é diferente da outra e, a princípio, só nos preocupamos quando o comportamento se torna problemático. Há crianças que têm dificuldade para se relacionar, mas que não largam os livros, e outras crianças que têm dificuldade de aprendizagem, mas não incomodam na aula.

Em ambos os casos, fica claro que existem problemas emocionais, mas essas crianças não são rotuladas da mesma forma que acontece com uma criança que não para quieta. Isso acontece pelo simples fato de que tais características podem incomodar a professora na sala de aula. Em muitas ocasiões, crianças que ainda não têm um diagnóstico confiável são medicadas para que, dessa forma, comportem-se melhor em sala de aula.

Crianças agitadas ou hiperativas: soluções

A seguir, vamos propor algumas soluções para que sejam considerados o comportamento e a maneira de ser dos nossos filhos antes de rotulá-los como hiperativos.

Atenção à diversidade na escola

Nem todas as crianças são iguais, e nem por isso elas têm um problema. A partir dessa consideração, é preciso verificar a necessidade da criança de tocar, mover, experimentar com as mãos para que, dessa forma, possamos entender suas dificuldades para ficar sentada durante longos períodos. Além disso, se houver atenção à diversidade na escola, isso deve ser levado em consideração.

Terapia medicamentosa

Do ponto de vista fisiológico, é feita a medicação da criança para controlar essa hiperatividade, mas, às vezes, medicamos sem que realmente exista o TDAH. É preciso ter cuidado e esperar por uma avaliação quando ela precisar ser feita.

Importância do atendimento psicológico

Cada vez mais famílias e educadores pedem que esse problema seja abordado levando-se em consideração que ele pode ter uma origem psicológica a ser tratada. Algumas causas podem ser:

Crianças agitadas ou hiperativas

Alimentação saudável

Muitos nutricionistas indicam que o excesso de açúcares refinados e aditivos químicos pode causar uma excitabilidade nas crianças.

Atender às necessidades

Temos que levar em conta a natureza de cada criança, suas necessidades e seus desejos e, sem dúvida, devemos estabelecer limites e regras, mas sem exagerar na rigidez.

Em casa, podemos trabalhar com a criança em atividades relacionadas ao toque: tocar a água, o barro, pintar, etc., e estabelecer um local onde ela possa liberar essa energia para se mover, pular, correr.

Facilitar a expressão das emoções

Devemos deixar a criança expressar suas emoções e nos contar como se sente, além de também proporcionar carícias e massagens.

Sobre as crianças agitadas ou hiperativas

Assim, como você pode ver, este é um assunto delicado. Há crianças diagnosticadas e medicadas que não são crianças com transtorno de hiperatividade. Além disso, os rótulos desde cedo também não são favoráveis para as crianças.

Os pais devem evitar que os filhos sejam diagnosticados antes dos 7 ou 8 anos, já que ainda não seria possível fazer uma avaliação completa. Em crianças menores, o excesso de movimento ainda pode ser causado pela falta de maturação cognitiva.