Crianças com necessidades especiais

29 de novembro de 2019
As crianças com necessidades especiais, bem como as suas famílias, precisam enfrentar desafios maiores do que os das outras pessoas, precisando, assim, de apoio adicional.

As crianças que, devido à sua situação específica, tenham necessidades especiais diferentes das outras crianças, devem ser atendidas com uma série de cuidados especiais. Trata-se de crianças com necessidades especiais de saúde, mas também de crianças com dificuldades de aprendizado que passaram por traumas, atrasos no desenvolvimento etc.

Quais são as crianças com necessidades especiais?

Qualquer criança que apresente uma condição específica tem o direito de receber cuidados especiais. Além disso, a variabilidade de grupos de crianças com necessidade especiais é realmente ampla.

Por exemplo, podem ser incluídas desde as crianças que manifestem dificuldades de aprendizagem, necessitando de atenção educacional especial, até aquelas crianças com necessidades especiais de saúde.

Esse último grupo de crianças com necessidades especiais são aquelas que nascem com algum comprometimento cognitivo, uma síndrome ou uma doença crônica ou terminal.

De acordo com Eliane Tatsh, Ivone Evangelista e Andressa da Silveira, essas crianças têm demandas de cuidados contínuos que podem ser temporários ou permanentes. Além disso, elas dependem de uma multiplicidade de serviços sociais e de saúde especiais.

Crianças com necessidades especiais

Recomendações de apoio para as famílias

O psicólogo americano Nicholas Martin entrevistou grupos de apoio formados por pais de crianças com necessidades especiais e perguntou quais são os recursos mais adequados, e que tenham um custo razoável, para o cuidado dessas crianças. Estas foram as recomendações mais importantes:

  • Cooperativa de pais. Informe-se e procure associações ou redes de suporte existentes na região onde você mora para compartilhar ajuda.
  • ‘Serviços de alívio’ disponíveis. Algumas agências oferecem esse tipo de serviço para ajudar famílias que precisem de um curto período de descanso.
  • Escolas de educação infantil específicas e qualificadas para as crianças.

Crianças com necessidades especiais na sala de aula

O conceito de “alunos com necessidades educacionais especiais” foi definido pela primeira vez no Relatório Warnock, preparado pela Comissão Britânica de Educação.

Nesse relatório, entende-se que esses alunos são aqueles que têm dificuldades de aprendizagem, fazendo com que seja necessário ter recursos educacionais especiais para atendê-los.

Entretanto, o conceito se refere ao desempenho diferente apresentado pelo aluno com NEE (Necessidades Educacionais Especiais), que pode ser inferior ou superior ao da maioria do grupo.

Assim como mostrado pelas psicólogas Mónica Montes e María Auxilio Castro, o processo educacional desses alunos será desenvolvido a partir das suas habilidades e possibilidades, não das suas limitações.

Para elas, o conceito de alunos com necessidades educacionais especiais ajuda a reconsiderar a educação dos alunos com dificuldades. Portanto, a intervenção realizada com eles se concentrará nas suas competências curriculares, não nas suas deficiências.

“Somos todos gênios. Mas, se você julgar um peixe pela sua capacidade de subir em uma árvore, ele viverá toda a sua vida pensando que é um inepto.”

-Albert Einstein-

Crianças com necessidades especiais na sala de aula

Crianças com necessidades especiais sofrem mais bullying do que o restante

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), as crianças com deficiência sofrem quase quatro vezes mais atos de violência do que aquelas sem deficiências.

Atualmente, é um fato que as crianças com necessidades especiais são um dos grupos que mais sofrem com o bullying e, de acordo com a OMS, estes são os fatores de risco mais comuns:

  • Estigma social.
  • Discriminação.
  • Desconhecimento em relação à deficiência.
  • Falta de apoio para os cuidadores.

Por fim, é fato que as crianças com necessidades especiais precisam enfrentar grandes desafios, assim como as suas famílias e cuidadores.

Portanto, elas devem receber todo o apoio necessário para ajudá-las no seu dia a dia e, assim, facilitar o desenvolvimento dessas crianças da melhor maneira possível, para que, finalmente, elas alcancem uma vida de qualidade.