Curetagem, inimiga de uma futura gestação?

02 Julho, 2018
Você sabe o que é a curetagem? Para quê ela serve e quais são as implicações para uma futura gravidez? Descubra aqui!

Quando se suspeita que uma mulher sofre algum tipo de alteração no útero ou passou por um aborto, é realizada uma curetagem para limpar o útero ou remover tecidos na área. Esse procedimento consiste em eliminar tecidos do útero através de raspagem. 

O que é uma curetagem?

Normalmente, é um procedimento cirúrgico pequeno que é realizado em um hospital usando anestesia geral ou local. A duração da intervenção vai depender do tipo de anestesia e de possíveis complicações.

Durante esse processo, o canal vaginal se mantém aberto por instrumentos cirúrgicos que ajudam a dilatar a entrada para o colo do útero. De certa maneira, o procedimento pode ser resumido nesses três passos:

  • Um espéculo é introduzido na vagina para realizar o alargamento desta, e assim poder observar o colo do útero.
  • Depois de visualizar o colo do útero, se utiliza um dilatador para expandir.
  • Por fim, é introduzida uma cureta (instrumento com forma de colher com uma ponta cortante) até o colo do útero para a extração dos tecidos.
curetagem

O tempo para voltar a tentar engravidar

Após um aborto, às vezes é necessário realizar uma curetagem para limpar o útero, desde que o aborto aconteça nas primeiras semanas da gestação. Essa é uma experiência difícil. E várias dúvidas surgem. Poderei engravidar de novo? Se eu conseguir, terei chances de sofrer outro aborto?

Temos que dizer que fisicamente as sequelas dessa cirurgia geralmente não têm maiores consequências do que dor na região pélvica e nas costas, o que pode ser tratado com analgésicos. Assim, exceto se houver complicações como rasgos e perfurações, a mulher pode voltar a ter uma vida normal quase imediatamente.

Contudo, quanto à pergunta sobre uma nova gravidez, recomenda-se esperar pelo menos 90 dias para manter relações sexuais, assim como para permitir que a menstruação se regularize naturalmente e que nosso corpo realize ao menos dois ciclos completos.

Permitir ao útero um repouso durante 90 dias é muito importante tanto para garantir a cicatrização adequada quanto a regularização hormonal necessária.

Passado esse tempo, ou o que o médico aconselhar em cada caso particular, uma mulher após uma curetagem tem as mesmas possibilidades de engravidar que outra mulher que não passou por esse procedimento.

curetagem

O tempo necessário para as emoções

No entanto, enquanto as feridas são curadas rapidamente, as emoções precisam de outro tempo e outro ritmo. Isso tem suas complicações. Como não é algo visível, pode ser visto com certa incompreensão pelos outros, assim como com impaciência e estranheza.

Recuperar-se emocionalmente de uma curetagem posterior ao aborto pode ser, muitas vezes, uma tarefa difícil e complicada. Entre outras questões, porque o simbolismo que acompanha a curetagem é devastador.

As mulheres que precisam se submeter a uma curetagem sentem que ficam vazias. Superar essa sensação e as emoções que acompanham, assim como validar seus sentimentos, é um conflito vital que requer grande esforço.

Acima de tudo, porque depois de uma curetagem em consequência de um aborto, a mulher tem a sensação de que perdeu um projeto de vida e uma esperança. Isso não é tão compreendido pelos outros. E fora de um ambiente aconchegante pode ser ainda mais doloroso.

curetagem

Ninguém está preparado para perder um filho. Por isso, é muito importante que o luto por essa perda não leve à solidão. Nos damos conta de que de um dia para o outro existe uma família, vidas e projetos que são interrompidos.

Por isso, devemos estar conscientes de que para curar as consequências emocionais da curetagem após um aborto é necessário um trabalho especial sobre os sentimentos de culpa, da sensação de perda, da ausência de confiança em si mesma. É um momento geralmente acompanhado de uma apatia inesperada e uma enorme tristeza.

Ninguém pode saber o que isso significa até que sofra na própria pele. Por isso, é importante compreender a situação e ter consciência desses sentimentos desde o princípio. Essas informações, portanto, serão um grande apoio se algum dia por algum motivo tivermos que nos submeter a uma curetagem.

  • Alarcón Nivia, M. A. (2007). El legrado uterino, indicaciones, beneficios y riesgos. Médicas Uis.
  • Menéndez-Velázquez, J. F. (2003). El manejo del aborto y sus complicaciones. Gaceta Médica de México.
  • Nivia, M. Á. A. (2007). El legrado uterino, indicaciones, beneficios y riesgos. Revista Médicas UIS, 20(2).