Deixar as crianças dormirem junto com os pais: sim ou não?

6 de novembro de 2017

Dormir junto com os pais pode ser uma necessidade durante os primeiros dias e meses de vida, mas o que acontece quando o tempo passa um pouco mais? Até quando devemos deixar as crianças dormirem na nossa cama? Essas e outras questões felizmente têm respostas mais simples do que achamos.

Uma pergunta muito frequente que os pais, e em especial as mães, se fazem é até que idade o bebê deve dormir com os pais. Existem benefícios de dormir junto com os pais? O que é o mais recomendável?

O melhor de dormir junto com os pais

Nils Bergman, um neonatologista diretor da Maternidade do Hospital de Mowbray (na África do Sul) afirma que o bebê deve dormir com sua mãe pelo menos até atingir os 3 anos de idade.

Ao observar os padrões de sono de uma amostra de 16 bebês, o pediatra e sua equipe conseguiram evidenciar que os bebês que dormem sozinhos no berço têm um nível de estresse três vezes superior ao daqueles que têm a companhia da mãe durante o sono.

Segundo Bergman, as crianças que dormem junto com seus pais até os 3 anos de idade sentem menos estresse que os bebês que dormem sozinhos.

Além disso, foi observado que os bebês que dormem sozinhos no berço têm interrupções nos seus ciclos de sono, algo que claramente pode afetar o desenvolvimento adequado da criança. Ao contrário das crianças que dormem com seus pais.

pés do bebê dormindo na cama dos pais

Por outro lado, é necessário levar em consideração o estresse que a criança pode sentir na hora da separação. Assim que sentimos que o bebê está preparado para dormir sozinho devemos ajudá-lo a se separar da gente com delicadeza, reiterando as facilidades de dormir sozinho no seu próprio espaço e, ao mesmo tempo, fazendo o bebê entender por que é importante que ele se torne independente.

Cuidado com o estresse no bebê

Podemos pensar que os bebês nunca se estressam. Isso seria o ideal, assim como seria que nenhum adulto sentisse estresse. Mas a realidade é que isso é impossível. Dizer que um bebê não se estressa é uma maneira errada de nos convencer de que o estresse é algo exclusivo dos adultos. 

O estresse faz parte da vida de todo ser humano, em maior ou menor grau, por isso as crianças também sentem estresse em determinadas circunstâncias.

Uma forma de evidenciar o estresse nos bebês é através dos seguintes sinais:

  • Irritabilidade
  • Mau humor

Devemos nos lembrar de que o bebê não sabe aliviar o estresse como um adulto sabe fazer, talvez tomando um banho relaxante, escutando música ou praticando seu esporte favorito. O único alívio e consolo que o pequeno terá, vai ser o que seus pais proporcionarem.

Por isso eles vão precisar ser delicados com o momento da separação e fazer com que o quarto do bebê seja um espaço em que ele se sinta seguro e confiante. Ajudar o bebê a ser independente na hora do descanso deve ser uma tarefa realizada de forma natural, e se deve evitar por todos os meios que a experiência seja traumática.

pais brincando com a filha na sua cama

A decisão final é dos pais

Não há uma regra fixa nem clara no que diz respeito a dormir junto com os pais. E por outro lado, um conselho sempre será, ao fim e ao cabo, um conselho. Cada pai e mãe sabe muito bem o que é mais adequado para o seu filho, e em função disso procuram seu bem estar.

Assim, a decisão final de o bebê dormir com a mamãe e o papai deve ser tomada pelos pais. Algumas pessoas não estão seguras sobre esse tema, elas preferem evitar dormir com a criança e deixar que ela durma no berço ou na própria cama.

A morte súbita

Vários especialistas recomendam que o bebê durma sozinho desde o começo e nunca com os pais para,e  assim evitar a morte súbita do bebê. Embora seja verdade que hoje em dia as causas exatas dessa morte não são conhecidas, os especialistas tentam diminuir os riscos com essa recomendação.

Nunca é demais tomar precauções na hora de dormir junto com nossos bebês, especialmente se eles têm apenas dias, ou poucos meses de vida. Por estarem na fase mais vulnerável da vida, devemos procurar não machucar com algum movimento, etc…

As regras básicas incluem evitar:

  • Ficar com travesseiros e almofadas muito grandes.
  • O cansaço acumulado. O excesso de cansaço pode provocar um déficit na nossa atenção na hora de atender as necessidades do bebê.
  • Dormir com o bebê após ter bebido, fumado ou usado drogas.
  • Ficar com bichos de estimação na cama.
  • Agasalhar em excesso o bebê, pois podemos dificultar sua respiração.

Dessa forma vamos garantir, como pais, o cuidado e a atenção necessários e valorizados pelos nossos filhos, que sem dúvida nenhuma vão agradecer quando forem adultos.

  • Landen, P., Ballesi, M., Uchitel, L., & Freire, M. (2008). Beneficios del masaje terapéutico en bebes prematuros dados de alta de la UCIN. Revista Iberoamericana de Psicomotricidad y Tecnicas Corporales
  • Montserrat Galaa, A. M., & Fortes del Valleb, M. A. (2013). Aprender a dormir. Pediatría de Atención Primaria. https://doi.org/10.4321/S1139-76322013000500004
  • Landa Rivera, L., Díaz-Gómez, M., Gómez Papi, A., Paricio Talayero, J. M., Pallás Alonso, C., Hernández Aguilar, M. T., … & Lasarte Velillas, J. J. (2012). El colecho favorece la práctica de la lactancia materna y no aumenta el riesgo de muerte súbita del lactante: Dormir con los padres. Pediatría Atención Primaria, 14(53), 53-60. http://scielo.isciii.es/pdf/pap/v14n53/revision1.pdf
  • Horsley T, Clifford T, Barrowman N, Bennett S, Yasdi F, Sampson M, et al. (2007). Benefits and harms associated with the practice of bed sharing. Arch Pediatr Ado- lesc Med. 2007;161:237-45.
  • Martin Martin, R., Sanchez Bayle, M., & Teruel de Francisco, M. C. (2017). El colecho en nuestro medio: estudio de casos y controles en las consultas pediátricas de Atención Primaria. Pediatría Atención Primaria, 19(73), 15-21. http://scielo.isciii.es/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1139-76322017000100003
  • Rodríguez Villar, V., Moreno, M., & Navío, C. PRACTICANDO EL COLECHO. ASESORAMIENTO DE LA MATRONA. http://www.trances.es/papers/TCS%2005_3_6.pdf
  • Ball, H. L., Hooker, E., & Kelly, P. J. (2000). Parent–infant co‐sleeping: fathers’ roles and perspectives. Infant and Child Development: An International Journal of Research and Practice, 9(2), 67-74. https://onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1002/1522-7219(200006)9:2%3C67::AID-ICD209%3E3.0.CO;2-7