Devemos falar com o bebê durante a gravidez?

Devemos falar com o bebê durante a gravidez? A resposta é sim. Essa ação potencializa o desenvolvimento neuronal do bebê e consolida o vínculo com a mãe, entre muitos outros benefícios.

Devemos falar com o bebê durante a gravidez? Todos os especialistas indicam que sim. São vários os benefícios, não apenas para estimular a formação neuronal do feto, mas também porque desde os primeiros meses de desenvolvimento é possível consolidar um vínculo afetivo entre mãe e filho.

Intuitivamente, as mulheres desde sempre sentiram a necessidade de falar com o bebê que ainda está na barriga, talvez respondendo a um impulso afetivo. No entanto, com os avanços da medicina já foi comprovado que a partir dos seis meses de gravidez essa ação é uma das mais positivas.

Por isso, vamos contar para você a seguir quais são as vantagens de se comunicar com seu filho enquanto ele ainda está na sua barriga.

Devemos falar com o bebê durante a gravidez?

Como já respondemos anteriormente, os especialistas concordam que as vantagens de falar com o bebê durante a gravidez são várias. Estas são as principais:

Vínculos afetivos

Entre os seis e os sete meses de gestação, o ouvido do bebê está quase completamente formado. Quando isso acontece, o pequeno começa a prestar atenção aos sons mais próximos. Por questões lógicas, esses sons são a voz e as batidas do coração da mãe.

Evidentemente, os bebês não os escutam com toda clareza, pois estão submersos no líquido amniótico. Mas ao estar continuamente em contato com esses sons, a presença deles cria uma sensação de familiaridade, proteção e vínculo.

Dessa forma, a partir dos seis meses o feto já está consciente do mundo exterior. Além disso, ele pode se movimentar com sons agradáveis e também se assustar com ruídos intensos, fatos que os médicos comprovaram ao analisar as batidas do coração dos fetos.

Portanto, o fato de tanto a mãe quanto o pai e os outros membros da família falarem constantemente com o bebê vai estimular a criação de vínculos com essas vozes que o acompanharão durante seu crescimento. Assim, o amor e o carinho dos pais pelo bebê que vai nascer vão se fortalecer.

Benefícios para sua formação

Os especialistas consideram que falar com o bebê durante a gravidez, assim como cantar ou colocar alguma música ambiente, pode servir como um bom estímulo para seu desenvolvimento neuronal.

Esses estímulos externos vão estimular no bebê um interesse particular por escutar. Na verdade, eles podem se movimentar na direção de um estímulo sonoro que ouve, seja as batidas do coração da mãe ou até mesmo os sons do trânsito intestinal dela, entre outros.

Quando o bebê escuta ruídos ou sons agradáveis, ele tende a se movimentar como forma de mostrar sua felicidade. Assim, o feto mexe os braços e as pernas, e gira a cabeça. Algumas mães também afirmam que sentem pontapés ou chutes a partir do movimento.

Todas essas ações contribuem com o desenvolvimento cognitivo do feto. Além disso, ajudam a tranquilizar o pequeno que sente um estresse imanente devido ao seu desenvolvimento ou, inclusive, devido à pressão exercida pelo útero sobre seu corpo nas últimas semanas de gestação.

“O fato de o bebê escutar seus pais cria uma sensação de familiaridade, proteção e vínculo”

Como devemos falar com o bebê durante a gravidez?

As vozes da mãe, do pai e dos irmãos criam um vínculo com o bebê que está na barriga. Ele pode escutar com uma nitidez bastante considerável, principalmente a voz da mãe.

Ao falar, recomenda-se fazer com um tom de voz regular, sem gritar. Os pais e os irmãos podem se aproximar da barriga para que suas vozes fiquem mais claras para o bebê.

As horas do dia mais recomendadas para fazer isso são durante a tarde e à noite, pois geralmente nesses períodos do dia a atividade do bebê aumenta e ele está mais alerta.

falar com o bebê durante a gravidez

A música clássica

Além de falar com o bebê, muitos pais colocam música para ele escutar. O bebê pode, sim, escutar música dentro da barriga. Mas o volume não deve estar muito alto, pois pode causar incômodos ao pequeno.

Por outro lado, também já foi afirmado que a música clássica pode estimular o bebê, deixando-o mais inteligente. Infelizmente, essa afirmação é polêmica, pois há muitas pesquisas que não são categoricamente conclusivas em relação a essa ideia.

De qualquer forma, não pode ser algo negativo. Muitas mães afirmam que, depois de nascer, o bebê reconhece as melodias que ouvia quando estava dentro da barriga e que a música o ajuda a dormir mais facilmente.

Por fim, mamãe e papai: comecem a consolidar o vínculo com seu querido bebê por meio do diálogo. Como um extra, ao falar com o pequeno, faça carinhos na barriga. Com certeza, seu filho vai sentir sua presença! 

Recomendados para você