10 dicas para a amamentação de gêmeos

A chegada de gêmeos representa um grande desafio em termos de amamentação. No entanto, a natureza nos capacitou para que pudéssemos realizar essa tarefa com sucesso.
10 dicas para a amamentação de gêmeos

Última atualização: 15 Julho, 2021

A amamentação é uma boa opção para qualquer bebê, independentemente das circunstâncias do seu nascimento. Mesmo em se tratando de gêmeos, o seio não só será uma excelente fonte de alimento, como também nutrirá os pequenos em outros aspectos.

Frequentemente, as mães pensam que seus corpos não serão capazes de alimentar dois bebês ao mesmo tempo. Essas crenças são sustentadas com base em muitas premissas que não foram necessariamente comprovadas: talvez pensem que são magras demais, que seus seios são pequenos, que são mães de primeira viagem, que seus bebês nasceram prematuramente, etc.

Mas a questão é que a natureza desenvolveu mecanismos apropriados para que cada mãe produza o leite de que seu filho ou filhos precisam, desde que ocorra o estímulo certo.

10 dicas para o sucesso da amamentação de gêmeos

Gêmeos mamando.

1. Acompanhamento pré-natal

O acompanhamento pré-natal deve incluir conselhos relativos à amamentação. Isso permitirá que as famílias recebam as informações necessárias e esclareçam dúvidas que possam surgir para que possam escolher conscientemente o caminho que desejam seguir.

No caso das gestações múltiplas (gêmeos), o desafio será ainda maior por vários motivos:

  • Possibilidade de um nascimento prematuro.
  • A escolha pela cesárea e o uso de medicamentos na mãe.
  • A eventual internação dos bebês na unidade de cuidados neonatais.
  • Dificuldades em receber o estímulo adequado para produzir leite.
  • Cansaço materno por cuidar de dois bebês ao mesmo tempo.

Por causa de tudo isso, é imprescindível o apoio da equipe de saúde para receber informações de qualidade e verdadeiramente úteis.

Embora o leite materno tenha se mostrado superior a qualquer outro leite, como evidenciado nesse estudo publicado em Archives of Disease in Childhood-Fetal and Neonatal Edition, não é a única fonte de alimentação possível.

Muitas crianças recebem alimentação mista (leite materno e leite de fórmula) e muitas outras, inclusive, se alimentam exclusivamente à base de leite de fórmula. É importante conhecer as vantagens e as desvantagens de ambas as opções para escolher a que melhor se adapta a cada família.

2. Contato pele a pele

Após o nascimento, o contato pele a pele é recomendado o mais rápido possível para promover o início da amamentação. No caso de gêmeos, isso pode ser conseguido com cada um separadamente ou com os dois bebês ao mesmo tempo. Dependendo da idade gestacional, muitos bebês nascem com a capacidade de pegar o peito espontaneamente. A sucção vigorosa promoverá a produção de leite e a manutenção da amamentação.

3. Início precoce da amamentação de gêmeos

A amamentação deve começar o mais rapidamente possível. Embora a princípio a produção de colostro pareça insuficiente, é o alimento que melhor atende às necessidades dos recém-nascidos. Mesmo no caso de bebês prematuros, esse leite vai promover o crescimento e reduzir as chances de doenças relacionadas à imaturidade. Por isso, é recomendável oferecê-lo aos bebês assim que eles estiverem em boas condições clínicas.

4. Garantir o estímulo para uma produção de leite suficiente

A descida do leite não ocorrerá até alguns dias após o nascimento. Para que isso aconteça, é importante que a mãe conte com os estímulos necessários, como o contato pele a pele com seus bebês ou a estimulação dos mamilos.

O ideal será garantir o aleitamento materno em livre demanda, ou seja, quantas vezes forem necessárias. A sucção frequente será o melhor estímulo para manter a amamentação no futuro.

Nos casos em que isso não for possível (por exemplo, quando os bebês são internados na unidade de cuidados neonatais), será recomendada à mãe a extração manual ou com bomba frequentemente. A estratégia mãe canguru também é uma boa prática.

5. Descansar e manter bons hábitos alimentares

Poucas recomendações desse tipo possuem evidências científicas para apoiá-las. No entanto, a garantia de hábitos saudáveis por parte da mãe tem mostrado melhores resultados para a amamentação, seja pelo aumento na produção de leite ou por maior duração ao longo do tempo.

Embora pareça uma tarefa impossível, o repouso materno é essencial para a produção de leite. Recomenda-se que a mãe descanse o máximo possível. Se o repouso acontecer à noite, o estímulo será ainda melhor.

O estudo citado anteriormente mostrou que mães que receberam ajuda externa durante os primeiros meses da amamentação conseguiram mantê-la por mais tempo do que as que não receberam.

Da mesma forma, a produção de leite implica um gasto calórico significativo para a mãe. No entanto, a quantidade de energia necessária durante a amamentação não “dobra” nem “triplica”, como muitas vezes se acredita, segundo o mesmo estudo já citado.

O aumento de calorias a serem ingeridas acima da ingestão calórica diária usual dependerá de cada caso e sempre será recomendável manter uma alimentação bem balanceada, com fonte de proteínas, gorduras, carboidratos, água, vitaminas e minerais. Um planejamento nutricional desse tipo pode ser elaborado por um profissional de saúde especializado, como um nutricionista.

6. Verificar a pega

É importante acompanhar as mães durante as primeiras experiências de amamentação, principalmente com bebês prematuros, para garantir uma pega adequada. Dessa forma, não só garantimos o estímulo de sucção adequado, como também é possível evitar problemas associados à amamentação, como dores ou rachaduras no mamilo.

“Amamentar é uma habilidade que deve ser aprendida.”

-Dr. Jane Denton-

7. Prevenir problemas associados à amamentação de gêmeos

Em caso de dificuldades para amamentar, peça ajuda ao médico, à doula ou ao especialista em amamentação. É importante garantir uma boa técnica para prevenir complicações que podem interferir no curso da amamentação.

Amamentar duas crianças ao mesmo tempo.

8. Adotar uma postura adequada

A amamentação de gêmeos pode ser feita simultaneamente ou com uma criança por vez. Em ambos os casos, é aconselhável alternar os bebês em ambos os seios para que os dois recebam uma dieta semelhante. Não é necessário alternar todas as vezes, mas pelo menos de um dia para o outro.

As posturas mais recomendadas para amamentar gêmeos são as seguintes:

  • Pose cruzada sobre a mãe: os dois bebês ficam esticados na frente da mãe e cruzados entre si. Pode ser especialmente útil quando as crianças são pequenas.
  • Pose da bola de rúgbi: ambos mamando em posição de rúgbi (com o corpo sob o braço da mãe) em seios diferentes. Os corpos dos bebês não se tocam, por isso é útil conforme os pequenos vão ficando maiores.
  • Postura paralela: os dois bebês ficam esticados paralelamente, com a mãe inclinada de lado. Um dos bebês repousa na superfície do sofá ou da cama, enquanto o outro repousa sobre o corpo da mãe. Essa postura é útil para o momento de descanso.

9. Amamentar fora de casa

Seus bebês precisarão mamar com frequência, por isso é essencial oferecer o seio mesmo fora de casa. No início, pode ser difícil garantir uma boa técnica, mas com o tempo você certamente pegará o jeito.

10. Procurar ajuda para uma amamentação de gêmeos bem-sucedida

Amamentar gêmeos pode ser exaustivo, portanto, peça ajuda para pessoas próximas e entre em contato com grupos de apoio à amamentação. Nesses espaços, você contará com a experiência de outras mães que passaram por situações semelhantes. Desse modo, suas histórias e seus conselhos podem ser de grande ajuda.

Esperamos que essas dicas tenham sido úteis. No entanto, se você tiver alguma dúvida sobre esse tema, consulte um médico de sua confiança. O profissional saberá responder a qualquer pergunta que você fizer.

Pode interessar a você...
Cura e prevenção para as dores e rachaduras nos mamilos
Sou Mamãe
Leia em Sou Mamãe
Cura e prevenção para as dores e rachaduras nos mamilos

As dores e rachaduras nos mamilos são um problema extremamente comum no início da lactação. Mas existem formas de aliviar e curar esses problemas.



  • Denton J, Quigley M, Ridley B. Feeding twins, triplets  and more -A booklet for parents with advice and information. The Multiple Births Foundation. London. 2011. Disponible en: www.multiplebirths.org.uk. Downloaded on May 2021.
  • Royal College of Paediatrics and Child Health and Royal College of Nursing. Guidance for Health Professionals on Feeding Twins, Triplets and Higher Order Multiples. The Multiple Births Foundation. London. 2011. Disponible en: www.multiplebirths.org.uk. Downloaded on May 2021.
  • La Liga de la leche España. Las Diez Claves de la Lactancia Materna. Disponible en http://www.laligadelaleche.es/lactancia_materna/diez_claves.htm. Revisado en May 2021.
  • Flidel-Rimon O, Shinwell E S. Breast feeding twins and high multiples. Arch Dis Child Fetal Neonatal Ed 2006;91:F377–F380. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2672857/
  • Comité de Lactancia de la Asociación Española de Pediatría. Lactancia Materna: guía para profesionales. Monografías A.E.P. nº 5. Editorial Ergon. Madrid. 2004.