6 dicas para ajudar uma criança com TDAH a controlar seus impulsos

Crianças com TDAH têm dificuldade para controlar seus impulsos. No entanto, elas podem aprender estratégias e técnicas para conseguir fazer isso. Compartilharemos algumas dicas com você.
6 dicas para ajudar uma criança com TDAH a controlar seus impulsos

Última atualização: 29 junho, 2022

A impulsividade é um dos principais sintomas que as crianças com transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) lidam. Isso as leva a ter problemas em várias áreas da vida, seja escolar, social, familiar ou de trabalho.

No entanto, não é um comportamento que é mantido por capricho, pois ocorre como resultado do mau funcionamento de uma área do cérebro. Ainda assim, com algumas dicas úteis, é possível ajudar uma criança com TDAH a controlar seus impulsos.

O trabalho dos pais é fundamental, tanto como guia quanto como suporte para as crianças em seu processo de aprendizagem. Com paciência e perseverança, eles podem ensinar e transmitir truques e atitudes para manter a calma e alcançar o autocontrole que é tão difícil para elas. Se seu filho está nessa situação, convidamos você a continuar a leitura para descobrir como ajudá-lo.

Por que uma criança com TDAH deve aprender a controlar os impulsos?

Antes de mais nada, vale esclarecer o que queremos dizer quando falamos em TDAH. Cabe ressaltar que é um transtorno do neurodesenvolvimento que se inicia na infância e se caracteriza por uma tríade de manifestações típicas:

  1. Déficit de atenção.
  2. Hiperatividade
  3. Impulsividade.

Embora cada criança seja diferente, esses dois últimos sintomas costumam estar mais presentes nos meninos e parecem derivar do mesmo problema: dificuldade em inibir o comportamento.

Assim, essas crianças têm problemas para regular sua ativação (o que muitas vezes as sobrecarrega), para se controlar e gerenciar seus impulsos. Algumas das manifestações mais comuns dessa impulsividade são as seguintes:

  • Tendência a interromper e incapacidade de aguardar sua vez.
  • Dificuldade em tolerar a frustração e adiar a gratificação. Elas não conseguem regular seu comportamento com base em recompensas de longo prazo.
  • Falta de reflexividade e antecipação das consequências. Elas acham difícil analisar as situações de antemão.
  • Problemas ao atender instruções longas ou instruções compostas, pois guardam apenas os comandos iniciais.
  • Tendência a correr riscos e ser imprudente.
  • Dizem ou fazem o que estão em sua mente, mesmo que seja errado ou desagradável.
Tratamento do TDAH em crianças.
O TDAH tem base neurobiológica e seus sintomas começam na infância. No entanto, as manifestações mudam à medida que a criança cresce, embora não deixem de interferir em suas atividades diárias.

Como ajudar uma criança com TDAH a controlar seus impulsos?

Se as descrições acima se encaixam na realidade do seu filho, aqui estão algumas dicas que você pode seguir para ajudá-lo a alcançar o autocontrole.

1. Defina regras específicas e claras

Ofereça ao seu filho regras e instruções específicas que ele possa entender facilmente e que descrevam claramente o que se espera dele em cada situação.

Procure usar frases curtas e concisas, sem duplo sentido e evite fazer muitas afirmações ao mesmo tempo. Dessa forma, você pode ter certeza de que seu filho ouviu e entendeu o pedido. No entanto, é recomendável que você peça a ele para repetir a regra a fim de consolidá-la.

Tanto quanto possível, defina as regras usando sentenças positivas. Por exemplo, “Guarde seus brinquedos” é preferível a “Não deixe tudo bagunçado”. Além disso, estabeleça consequências claras que ocorrerão se as regras forem quebradas. Seu filho deve conhecer essas consequências de antemão e você deve garantir que elas sejam seguidas sempre que apropriado. Tenha em mente que a consistência é essencial.

2. Incutir o hábito da reflexão deliberada

Crianças com TDAH têm grande dificuldade em pensar antes de falar ou agir. Da mesma forma, é difícil para elas perceberem as consequências de suas ações. Assim, é importante ajudá-las e treiná-las nessa habilidade.

Para fazer isso, toda vez que seu filho perder o controle, reserve um tempo para sentar com ele e conversar sobre o que aconteceu. Peça-lhe para pensar, analisar e contar o que sentiu, por que fez o que fez e quais as consequências de suas ações. Finalmente, encoraje-o a refletir sobre outras maneiras pelas quais ele poderia ter agido e como ele pode fazer melhor da próxima vez.

Esse processo demanda mais ações do que simplesmente repreendê-lo ou dizer-lhe como se comportar. No entanto, ao envolvê-lo, ao incentivá-lo a chegar a essas conclusões por conta própria, é mais provável que ele as internalize e as implemente em situações futuras.

3. Experimente o role-playing

Ao contrário do caso anterior, também pode ser positivo analisar as situações antes que elas aconteçam. Essa reflexão prévia permitirá que a criança tenha uma ideia do que vai acontecer e como ela pode agir.

Assim, antes de um evento (por exemplo, ir a um aniversário), converse sobre o que vai acontecer ali e quais situações podem ocorrer naquele local. Isso a ajudará a antecipar problemas que podem perturbá-la ou deixá-la fora de controle e encontrar estratégias para evitar esse resultado.

Além disso, você pode realizar ensaios caseiros sobre diferentes situações do cotidiano e as formas como se deve agir em cada uma delas. Os fantoches são uma boa opção para representar esse ensaio, mas você também pode realizar jogos de role-playing com cada um representando um papel diferente.

4. Dê relevância à educação emocional em casa

A impulsividade é uma incapacidade de regular a ativação interna e, portanto, a criança precisa aprender a se relacionar com suas emoções, percebê-las, compreendê-las e gerenciá-las. Nesse sentido, uma ferramenta muito útil para alcançar a autorregulação é o termômetro emocional. Esse elemento de fantasia permite à criança medir o grau de intensidade da emoção que ela sente e decidir como agir em cada caso.

Por exemplo, se a emoção chegar ao amarelo, você deve refletir sobre a melhor opção antes de agir. Se chegar ao vermelho, deve parar imediatamente e se acalmar.

Criança meditando para relaxar
Técnicas de meditação e relaxamento são boas estratégias para promover o controle dos impulsos em crianças com e sem TDAH. Implemente-as na rotina diária e veja por si mesma.

5. Opte por técnicas de relaxamento

As técnicas de relaxamento são uma excelente ferramenta para ajudar uma criança com TDAH a controlar seus impulsos. Existem variantes para crianças que são simples e divertidas e podem ser usadas por uma criança quando ela sentir o desejo ou a excitação dominá-la.

Além disso, ao praticá-las regularmente, a cada dia a criança perceberá que está muito mais calma e que fica cada vez mais fácil perceber os momentos em que as emoções crescem em intensidade.

6. Acompanhe seu filho com TDAH para ajudá-lo a controlar seus impulsos

Além de todos os itens acima, é muito importante que os pais possam monitorar o comportamento da criança e oferecer feedback e orientação em todos os momentos. Até que ela aprenda a administrar os impulsos de forma independente, precisará ser lembrada das regras e incentivada a refletir ou se acalmar. Ser paciente e perseverante é essencial.

Por fim, lembre-se de reforçar cada conquista e progresso de seu filho. Tenha em mente que esses pequenos têm dificuldade em se concentrar no longo prazo, então encontre sub-objetivos que eles possam alcançar, dê incentivos e faça elogios antes do domínio do comportamento final. Com a sua ajuda, as crianças poderão adquirir as ferramentas certas e gerenciar muito melhor a impulsividade.

Pode interessar a você...
Como funciona o cérebro das crianças com TDAH?
Sou Mamãe
Leia em Sou Mamãe
Como funciona o cérebro das crianças com TDAH?

Neste artigo, nós convidamos você a descobrir como funciona o cérebro das crianças com TDAH, um distúrbio neuropsiquiátrico comum.



  • Quintero, J., & Castaño de la Mota, C. (2014). Introducción y etiopatogenia del trastorno por déficit de atención e hiperactividad (TDAH). Pediatría integral18(9), 600-608.
  • Sánchez Gómez, M., & Adelantado Renau, M. (2019). El termómetro emocional: una
    herramienta educativa para facilitar la comprensión de emociones. Publicaciones didácticas, 105 pp. 301-305. Recuperado de
    http://repositori.uji.es/xmlui/bitstream/handle/10234/183167/64308.pdf?sequence=1&is
    Allowed=y