3 dicas para ajudar o seu filho a resolver conflitos

14 de novembro de 2019
As crianças precisam aprender a enfrentar os conflitos. A seguir, vamos dar algumas dicas para ajudar o seu filho a resolver situações de conflito.

A educação em casa é essencial para que as crianças aprendam a se comportar corretamente e possam se adaptar ao meio. Por isso, preparamos o artigo a seguir, que traz algumas dicas para ajudar o seu filho a resolver conflitos.

Os desentendimentos entre as pessoas são algo cotidiano na vida de qualquer adulto. E, embora com menor importância, os conflitos também aparecem no dia a dia das crianças e dos adolescentes. Assim, é necessário que eles saibam como enfrentar e resolver tais problemas sociais da melhor maneira possível.

Educação em casa: como ajudar o seu filho a resolver conflitos

Muitas crianças têm dificuldade para socializar com os seus pares, pois geralmente brigam, ficam com raiva, gritam, etc. Portanto, pode-se dizer que essas crianças não desenvolveram a capacidade de enfrentar e resolver conflitos.

Assim, mães e pais, dentro de casa, têm a responsabilidade de ensinar aos filhos as habilidades sociais para que eles possam se comunicar, negociar e resolver os conflitos de forma construtiva.

Para fazer isso, as mães e os pais devem estar focados em infundir uma educação que favoreça uma série de valores éticos e cívicos necessários para uma convivência positiva.

resolver conflitos

A seguir, vamos dar três dicas para ajudar o seu filho a resolver conflitos.

3 dicas para ajudar o seu filho a resolver conflitos

Ensine sobre confiança e empatia

Uma das dicas para ajudar o seu filho a resolver conflitos é ensinar sobre a confiança básica e a empatia necessária para alcançar um bom desenvolvimento da personalidade. Assim, mães e pais devem proporcionar três condições básicas:

  • Atenção contínua.
  • Amor e apoio incondicionais.
  • Situações para desenvolver a inteligência emocional.

Dessa maneira, é possível estabelecer um bom vínculo familiar que promove a capacidade de resolver conflitos emocionais e sociais sem recorrer à violência. Além disso, através da confiança e da empatia, aprende-se a:

  • Reconhecer os sentimentos e as perspectivas de outras pessoas.
  • Identificar semelhanças e diferenças entre pessoas e grupos.
  • Usar as habilidades de comunicação e as habilidades sociais.
  • Adquirir a capacidade de prevenir, controlar e resolver conflitos interpessoais de forma construtiva, por meio da negociação, mediação, etc.

Ensinar a estabelecer relacionamentos sociais saudáveis

Na faixa etária dos 6 aos 12 anos, desenvolve-se a consciência das normas e leis sociais. Portanto, a infância é a fase ideal para ensinar a compartilhar, cooperar e saber aceitar os fracassos nas amizades.

Nesse sentido, outras dicas para ajudar o seu filho a resolver conflitos é fazer com que ele aprenda desde pequeno a:

  • Reagir diante da intolerância e das provocações. 
  • Refletir sobre as várias maneiras de controlar a raiva.
  • Encontrar soluções e gerar novas propostas.
  • Parar de acreditar que os conflitos sempre são negativos.dicas para ajudar o seu filho a resolver conflitos

Os conflitos também aparecem no dia a dia das crianças e dos adolescentes.

Dessa maneira, é possível que eles estabeleçam relações sociais positivas baseadas no respeito. Assim, uma interação não violenta com as outras crianças também é incentivada.

Praticar o role-playing

Praticar o role-playing é outra ótima ideia para ajudar o seu filho a resolver conflitos. Consiste em dramatizar uma situação que representa um conflito, por meio do diálogo e da interpretação.

Essa técnica é ideal para trabalhar a resolução de situações de conflito, uma vez que os comportamentos apropriados e que devem ser seguidos são ensinados de uma maneira prática e por meio de exemplos.

Para fazer isso, os pais devem contar diversas histórias sobre alguns personagens envolvidos em problemas sociais que devem ser resolvidos. Então, os pais, juntamente com o filho, devem representar o que aconteceu em cada história, cada um assumindo um papel.

Por fim, a família deve refletir sobre o que aconteceu em cada uma das situações e como cada um dos personagens se comportou.

Dessa forma, é possível explorar os sentimentos, emoções, atitudes, valores e percepções dos diferentes personagens envolvidos na história. Assim, por meio do jogo e da diversão, a criança pode entender qual é a maneira correta de resolver um conflito.

  • Díaz-Aguado, M. J. (2006). El acoso escolar y la prevención de la violencia desde la familia. Madrid: Dirección General de la Familia.
  • Martín, X. (1992). El role-playing, una técnica para facilitar la empatía y la perspectiva social. Comunicación, lenguaje y educación, 4(15), 63-68.