Dicas para ensinar habilidades sociais para as crianças

30 de maio de 2019
Muitos pais e responsáveis se perguntam se as habilidades sociais são algo inato, que nascem do talento das crianças, ou se podem ser ensinadas e educadas da mesma forma que outros valores. Está provado que podemos incutir habilidades sociais nas crianças, mesmo nas mais introvertidas.

O fato de ensinar habilidades sociais para as crianças contribui para o equilíbrio emocional e a boa resolução de conflitos. As bases dessas competências são a empatia e a assertividade, enraizadas em um profundo amor-próprio. As habilidades sociais podem ser adquiridas e polidas com a ajuda de professores e cuidadores.

Na prática, o primeiro passo no ensino das habilidades sociais para as crianças é colocá-las em prática nos pais e cuidadores. É por isso que, ao executar os itens deste artigo, cada adulto deve repensar a sua própria forma de se relacionar com o que está ao seu redor.

Em que consiste ensinar habilidades sociais para as crianças?

Em casa, mas também em qualquer outro ambiente onde se trabalhe com grupos de crianças, é possível observar diferentes maneiras de se adaptar e se desenvolver.

Reservar alguns minutos por dia para pensar em conjunto em alguma das habilidades necessárias para o desenvolvimento em sociedade vai fazer com que ensinar habilidades sociais para as crianças se torne uma aprendizagem verdadeiramente significativa.

1. O que são e por que preciso de habilidades sociais?

A análise de todos os significados dessas habilidades para a vida em sociedade é uma boa maneira de introduzir o assunto para as crianças. Dependendo da idade, esse passo pode ser trabalhado através de brincadeiras, histórias, um filme ou alguma leitura.

2. Escolha uma habilidade social por vez

Não é aconselhável criar um arsenal de habilidades de uma vez. O ideal é escolher uma e, com base nela, iniciar as atividades.

Por exemplo, passar uma semana pensando sobre o que significa compartilhar e que os outros compartilhem comigo. Com isso, aquilo sobre o que se reflete é fortalecido e retrabalhado, e as crianças encontram maneiras pessoais de desenvolver cada aspecto.

3. Reflexões profundas sobre cada habilidade

Existem diferentes maneiras de ensinar habilidades sociais para as crianças. O segredo é fazer com que elas mesmas reflitam e expressem as suas opiniões sem censura. Um bom exercício é desenhar uma tabela com duas colunas: uma para cada habilidade e outra para os exemplos práticos propostos pelas próprias crianças.

Em que consiste ensinar habilidades sociais para as crianças

4. Levar o que foi adquirido para um nível prático

Sempre através de atividades e brincadeiras de acordo com cada idade, a implementação do que é aprendido é a melhor maneira de consolidar as habilidades sociais. Nesse sentido, as dramatizações e as brincadeiras de perguntas e respostas, por exemplo, são excelentes recursos para isso.

5. Pausa e reflexão

O descanso depois de cada habilidade social adquirida dá a possibilidade de colocar em prática tudo o que aprendemos. Quando se depararem com essas habilidades novamente, será possível que todos reflitam sobre a forma como elas foram incorporadas.

Seja em grupo ou individualmente, é útil convidar as crianças a fazer um autoexame. As habilidades sociais complexas, como a capacidade de negociar, por exemplo, são muito positivas no desenvolvimento da socialização dos nossos filhos, inclusive na sala de aula.

Autoimagem positiva e assertividade

Outro aspecto do ensino de habilidades sociais para as crianças tem a ver com a imagem que elas constroem de si mesmas. Cada criança deve saber se valorizar, se amar e defender os seus direitos e interesses.

Diante da dúvida quanto a uma forma de ensinar o amor-próprio, a resposta pode ser resumida em “ser o melhor modelo possível“. Além disso, devemos levar em conta:

  • Não comparar as crianças umas às outras.
  • Oferecer tempo de qualidade.
  • Oferecer diferentes cenários para que elas se desenvolvam.
  • Incentivar a autonomia e reconhecer os esforços e as conquistas.

Em relação à assertividade acima mencionada, ela se trata, para resumir, do princípio ético que implica defender e fazer valer os próprios direitos e reconhecer os dos outros. É claro que, para as crianças, fazer valer os seus direitos geralmente se relaciona com o choro alto e claro que assusta o adversário.

Autoimagem positiva e assertividade

De acordo com tudo isso, o princípio da assertividade, assim como a autoimagem positiva, são objetos de reflexão na aquisição de cada habilidade. O autocontrole das emoções, a resolução de conflitos, a negociação ou a persuasão exigem que a capacidade assertiva entre em campo.

Em conclusão, ensinar habilidades sociais para as crianças é um desafio também para os adultos. É por isso que começar em casa é o presente mais valioso que pode ser dado. O diálogo respeitoso, o incentivo da autonomia ou o trabalho afetivo sobre as emoções são algumas dicas inconfundíveis para fortalecer o lado social das crianças.