É possível evitar a episiotomia no parto?

5 de abril de 2019
Nos últimos tempos, o desenvolvimento do parto de forma natural tem ganhado cada vez mais importância. A episiotomia é causa de grande preocupação para as mulheres grávidas. Mas é possível evitá-la?

Se você estiver esperando um bebê, provavelmente pode ter medo do corte do períneo durante o parto. No entanto, muitos especialistas sugerem limitar o uso dessa prática, exceto em casos em que seja realmente necessário. Em seguida, vamos oferecer algumas dicas para evitar a episiotomia no parto.

O que é a episiotomia?

É uma prática que consiste em fazer uma pequena incisão no períneo quando a cabeça do bebê começa a emergir. Isto é, na área entre a vagina e o reto. O objetivo é estender a abertura em 3 a 4 centímetros para facilitar a expulsão do bebê.

Essa prática começou ser implantada para evitar as rupturas musculares na área perineal no momento do parto. Com o tempo, acabou se tornando rotina, de modo que em lugares como a Espanha mais de 80% das mulheres tiveram que passar por esse procedimento durante o parto.

É possível evitar a episiotomia com alguns procedimentos simples

Como evitar a episiotomia no parto?

A área perineal pode ser protegida colocando compressas quentes para dar tempo ao período de expulsão. Da mesma forma, as massagens perineais com óleos e os exercícios de Kegel são recomendadas durante as últimas seis semanas de gestação.

Alguns especialistas, como a fisioterapeuta e parteira Asunción Gómez, acreditam que o risco é menor se o períneo estiver saudável e integrado ao esquema corporal. Assim, é preciso deixar que se distenda lentamente e de forma natural.

Para evitar episiotomia no parto, você pode escolher os serviços de uma parteira ou doula. Essas duas profissionais ajudam a mulher a dar à luz da maneira mais natural possível e fazem o corte perineal somente quando é estritamente necessário. Elas promovem o parto de forma natural e, consequentemente, com menos intervenções cirúrgicas possíveis.

Outra opção que você pode considerar é o parto na água, que geralmente reduz a dor e a necessidade de fazer uma episiotomia.

Exercícios de Kegel

Os exercícios de Kegel consistem em contrair e relaxar os músculos da área pélvica. Uma forma de fazer isso é sentar no vaso sanitário com as pernas abertas e interromper a urina em intervalos de 5 segundos. Então, deixe fluir novamente sem mover as pernas, e respire suavemente.

Repita essa série de exercícios várias vezes ao longo do dia. Se possível, aumente o tempo de relaxamento e contração até atingir 20 segundos.

O objetivo desse exercício é fortalecer os músculos do períneo para que fiquem mais resistentes e elásticos. Dessa forma, a gestante conseguirá relaxar a área, criando flexibilidade para ter uma boa dilatação durante o parto. Com isso, a cabeça do bebê poderá sair facilmente e, assim, é possível evitar a episiotomia no parto.

Massagem pré-natal na região perineal

Essas massagens podem ser feitas a partir do terceiro trimestre da gravidez. Mas como você pode fazer em casa? Bom, a hora certa é depois de tomar banho.

Passe óleo de rosa mosqueta ou de amêndoas em toda a área perineal. Com os polegares, massageie a área em forma de U, pressionando um pouco para baixo e para fora. Em seguida, repita o movimento até sentir uma ligeira sensação de ardor.

Ao fazer esses movimentos de forma constante, você faz com que os tecidos amoleçam e estiquem, aumentando assim a elasticidade do períneo. Eles também preparam a gestante em relação às sensações de tensão e pressão que ela experimentará durante o parto.

evitar a episiotomia no parto

Quando a episiotomia deve ser feita?

Uma episiotomia deve ser realizada quando há risco de sofrimento para o bebê. Costuma ser feita em partos complicados ou distócicos, e em mulheres que sofreram uma ruptura vaginal em um parto anterior.

Na verdade, se o corte do períneo for feito corretamente e suturado com precisão, a recuperação é simples, o desconforto dura poucos dias e os pontos caem por conta própria.

Para aliviar o desconforto, você pode colocar compressas de água morna e manter uma boa higiene. A ferida deve ser lavada frequentemente. Em seguida, seque-a adequadamente e cubra com uma compressa. Além disso, é recomendável evitar alimentos adstringentes.

  • Carroli, G., & Belizán, J. (2008). Episiotomía en el parto vaginal. La Biblioteca Cochrane Plus, (2)
  • Liljestrand J. Episiotomía en el parto vaginal. Comentario de La Biblioteca de Salud Reproductiva de la OMS (última revisión: 20 de octubre de 2003); Ginebra: Organización Mundial de la Salud
  • Signorello LB, Harlow BL, Chekos AK, Repke JT (2000). «Midline episiotomy and anal incontinence: retrospective cohort study»