Educar sem ameaças

· 21 de abril de 2018
As ameaças não vão conseguir mudar o comportamento do seu filho. Nesse artigo você vai encontrar algumas dicas para educar as crianças sem ameaças.

Educar sem ameaças pode ser a única maneira de realmente corrigir o comportamento de seu filho. O uso de ameaças geralmente causa o oposto. Em vez de obedecer, muitas vezes faz com que a criança se comporte ainda pior.

As ameaças não são uma ferramenta útil de educação. Elas levam a disputas de poder, discussões e faz com que a criança se sinta mais desanimada.

Além disso, ameaçar a criança tira oportunidades importantes de aprendizagem. Especialmente se você usar essa estratégia como a única maneira de fazer o pequeno cooperar.

Nessa fase, tudo o que a criança faz é em busca de aprovação. Por isso, em longo prazo, as ameaças vão afetar seriamente a autoestima e tudo o que estiver relacionado à sua saúde psicoemocional.

As crianças não gostam de se sentir ameaçadas. Portanto, a única coisa que você vai conseguir com as ameaças é fazer com que a criança tenha mais vontade de se distanciar ou provocar situações de conflito.

Ao impor algum tipo de penalidade ou consequência para alguns tipos de comportamentos da criança, é recomendável se certificar de que é algo com o que você possa cumprir.

Além disso, lembre-se de que a ameaça irracional ou desproporcional não vai ensinar a criança sobre as consequências reais do seu comportamento.

Educar os filhos sem ameaças traz benefícios para a saúde e o bem-estar tanto dos pais quanto dos filhos. Além disso, permite criar vínculos muito mais saudáveis e, assim, um ambiente mais harmonioso que potencializa as qualidades de todos.

Como educar sem ameaças

5 dicas para educar sem ameaças

Educar sem ameaças não é tarefa fácil para muitos pais. Muitas mães e muitos pais têm dificuldade em se impor sem o uso da ameaça para conseguir que o filho obedeça. A seguir apresentamos algumas dicas para educar sem ameaças e conseguir alcançar os objetivos desejados:

1. Evite a disputa de poder

Quando os pais não precisam que os filhos se comportem de determinada maneira para se sentirem no comando, não criam uma luta pelo poder com eles. Dessa forma, a posição de autoridade dos pais se dá naturalmente.

Os pensamentos e as atitudes impulsivos, e muitas vezes irracionais, alimentam o desconforto, aumentando o drama, as ameaças e os subornos. Em vez de mandar a criança fazer algo, acompanhe todo o processo pois assim ela pode aprender na prática.

2. Tenha controle de suas emoções

Ser a referência na vida de seu filho começa com a decisão de não deixar que o mau comportamento faça você perder a paciência. Quando você precisar que o seu filho faça alguma tarefa, ele perceberá o poder que tem para obedecer ou não.

Se você for capaz de lidar com suas próprias emoções e reações, é mais provável que você consiga usar a lógica para convencer da importância de fazer certa tarefa. Assim vai ser mais fácil conseguir que as crianças cooperem de maneira natural, com uma autoridade silenciosa.

3. Seja confiante e segura

Conseguir se manter segura e confiante vai afirmar a posição de autoridade e vai reduzir os possíveis estados de rebeldia da criança. Quando a criança vê os pais como figuras estáveis e confiantes, a necessidade de se sentir cuidada e protegida é preenchida, independentemente se a criança é mais travessa ou não. Em geral, os pequenos são mais felizes quando têm alguém que os dirige com segurança, sem se alterar.

Como educar sem ameaças

4. Discuta as consequências negativas com antecedência

É preciso explicar no momento certo as consequências negativas de quebrar as regras. Elimine os privilégios ou use consequências lógicas para ajudar a aprender com os erros.

Pense nas possibilidades de punição pense quais delas são mais eficazes para o tipo de comportamento. Lembre-se de que nem sempre o que funciona para uma pessoa funciona para outra. Procure pensar em consequências adequadas para cada tipo de comportamento. Dessa forma, você também não vai se sentir culpada ao colocar em prática.

5. Dê advertências

Não tenha medo de dar advertências quando a criança já tiver recebido certa punição por mau comportamento. Ela vai saber que as advertências são sérias e vai começar a obedecer.

É recomendável dar três advertências antes de punir pelo mau comportamento. Com o tempo, a criança tende a parar com um ou dois avisos.

Educar sem ameaças é mais simples do que parece. É preciso fazer a sua parte e saber até onde é saudável ser firme com a criança.

Lembre-se de que os pequenos não só precisam aprender os seus deveres, mas também receber carinho e compreensão.