Escutar seu filho é tão importante quanto abraçá-lo

· 18 de setembro de 2018
Muitos pais se queixam de que seus filhos não conversam com eles. No entanto, os especialistas acreditam que esse fenômeno não é somente coisa da personalidade da criança, às vezes se trata de um erro dos pais.

Na maioria dos casos, as crianças deixam de conversar com os pais por decisão própria.

É normal que existam crianças menos comunicativas que outras. Mas às vezes somos nós mesmos que provocamos essa situação. Por que somos responsáveis por não conversarem conosco? Porque nem sempre sabemos ouvir.

Como adultos, sabemos identificar quando alguém não presta atenção em nós ou não parece interessado no que dizemos. Podemos chegar a acreditar de maneira equivocada que as crianças não percebem.

A importância da comunicação eficaz com as crianças começa desde antes do nascimento. Acredita-se que o feto consegue reconhecer a voz da mãe. Por isso, devemos conversar com nossos filhos mesmo ainda dentro da nossa barriga. Desde a gestação, também é importante escutar. Mas nem sempre sabemos como fazer isso.

De acordo com os especialistas, saber escutar nossos filhos é tão importante quanto dar carinho. Desde nossa perspectiva adulta, podemos reconhecer a importância de ter alguém que nos ouça. Uma criança sente isso da mesma forma. Sentir-se ouvido é poder confiar nessa pessoa. A confiança que o pequeno precisa para poder conversar, a obtém dos que o ouvem.

Aprenda a escutar seu filho

escutar seu filho

Nós demonstramos amor por meio de muitas ações diferentes. Talvez não tenhamos em conta que saber ouvir é uma delas, mas quando amamos, não é difícil de cumprir. As primeiras palavras de nossos filhos parecem ser muito importantes. Mas, com o tempo, deixamos de escutá-los com atenção.

É possível estarmos provocando o distanciamento, mesmo inconscientemente. Não se trata somente do afeto que transmitimos com essa ação, mas também necessitamos saber sobre eles. É indispensável conhecermos seus gostos, se estão com algum problema ou se estão se sentindo mal. Portanto, saber escutar as crianças não é uma coisa superficial ou meramente piegas.

A seguir, te mostraremos alguns tópicos desenvolvidos pelos psicólogos para aprender a escutar as crianças.

Faça um exame de consciência e aceite a verdade

A primeira que os especialistas nos aconselham é fazer um autoexame de consciência. Não temos que expor os resultados publicamente, mas é importante refletir. Será que realmente estamos escutando as crianças com atenção ou somente por obrigação? Temos tempo e mostramos interesse pelo que nos dizem?

É típico colocar como desculpa que estamos ocupados: “Depois você me conta, agora estou ocupada”. Talvez o que a criança irá nos dizer possa esperar, mas para ela é importante que você escute. Sem perceber, podemos estar fazendo isso de maneira regular. Portanto, a criança começa a pensar que tentar conversar com seus pais é um esforço em vão.

Não obrigue a falar

Para que a criança fale, você deve ganhar sua confiança, ela mesma deve querer conversar. Não espere que te conte suas coisas por obrigação e muito menos a pressione para que o faça. Dê a ela tempo para que te conte, mas com delicadeza. Nada de fazer um ultimato ou exigir de maneira brusca. Ninguém responde adequadamente quando se sente ameaçado.

Procure não interromper

Lembre-se de que, para as crianças, não é fácil encontrar as palavras corretas para se expressar. Portanto, é importante esperar que terminem de falar para lhes perguntar algo ou fazer comentários.

Embora tenhamos ideia do que se trata, é preferível que ela mesmo o diga. Além de ser um bom exercício de comunicação, é um dos segredos para aprender a ouvir.

escutar seu filho

Pratique a escuta ativa

O método da escuta ativa propõe uma série de passos para melhorar nossa comunicação com as crianças. Esse método consiste em mostrar um interesse verdadeiro pelo que dizem, ficar na mesma altura, olhá-la nos olhos e conversar realmente.

Para isso, é preciso fazê-las saber que as ouvimos, não somente balançando a cabeça, e sim respondendo suas perguntas e fazendo as nossas.

Evite julgar

Na maioria das vezes, procuramos quem nos ouça somente porque queremos conversar. Não estamos esperando conselhos e muito menos um julgamento. Embora não estejamos de acordo com o que nos conta que fez, é conveniente esperar que termine e tentar não julgá-la imediatamente.

Às vezes, há coisas que precisam ser corrigidas rapidamente, mas outras não são tão graves e podem esperar. Quanto mais julgarmos as crianças por cada coisa que disserem, menos elas vão querer falar conosco.

Tire um tempo somente para ouvir

Tente encontrar um momento entre suas obrigações para conversar com seus filhos. Um tempo livre de distrações, sem máquinas de lavar, televisão ou celular no meio.

Convém que seja um momento oportuno para perguntar como foi a escola, sobre os amigos e outras perguntas que nos permitam conhecê-la melhor.