Espaços de enriquecimento curricular em sala de aula

31 de agosto de 2019
O sistema educativo atual realmente exige que os professores utilizem uma metodologia inovadora para dar respostas às necessidades de todos os estudantes. A seguir, vamos explicar como colocar em prática os espaços de enriquecimento curricular em sala de aula.

Os espaços de enriquecimento curricular em sala de aula são uma boa medida comum para atender às necessidades de estudantes com altas capacidades. Para isso, é preciso criar espaços em sala de aula a fim de desenvolver atividades altamente motivadoras.

Esses espaços servem como recurso educativo quando os alunos com altas capacidades terminam de fazer as tarefas propostas sem ala de aula. Entretanto também podem ser utilizados com todas as crianças da sala, de modo que todos dediquem um tempo semanal ao trabalho nesses espaços.

Características dos espaços

Nos espaços de enriquecimento curricular, estão disponíveis materiais e recursos que permitem aos estudantes trabalhar de forma: Autônoma e criativa. Por sua vez, os professores devem ser responsáveis por preparar um ou mais espaços na sala de aula, os quais podem ser alterados ao longo do ano.

Assim, o procedimento de avaliação dos diferentes espaços pode ser baseado na análise das vantagens e desvantagens observadas após sua realização.

Nesse sentido, é preciso considerar quais tipos de modificações podem ser necessárias para responder mais adequadamente às necessidades de todos os estudantes e, em especial, daqueles com altas capacidades.

espaços de enriquecimento curricular

Os objetivos fundamentais de colocar em prática os espaços de enriquecimento curricular são:

  • Aumentar o nível de motivação.
  • Potencializar o trabalho de busca e pesquisa.
  • Promover a criatividade.
  • Possibilitar uma grande variedade de atividades dentro da sala de aula.
  • Responder às necessidades do maior número de alunos.
  • Ampliar os conhecimentos de conceitos, procedimentos e atitudes.

Tipos de espaços de enriquecimento

Os espaços de enriquecimento podem ser de dois tipos:

  • De enriquecimento curricular vertical.  Consiste em aumentar a quantidade de conteúdos que podem ser assimilados.
  • De enriquecimento curricular horizontal.  Neste caso, o aumento quantitativo de conteúdos fica em segundo plano, e prevalece a realização de conexões entre o que é aprendido.

Dentro desses dois tipos, são múltiplas as variedades de espaços que podem ser criados. Alguns deles serão explicados a seguir.

Exemplos de espaços de enriquecimento curricular vertical

Envelopes para saber mais

Trata-se de uma medida de enriquecimento curricular vertical. Ou seja, é oferecida uma ampliação da quantidade de conteúdos que podem ser assimilados sobre um tema.

Esse espaço consiste em criar um local na sala de aula no qual serão colocados uma série de envelopes que devem conter atividades voltadas a ampliar conhecimentos sobre determinado tema. Esses exercícios são complementares a aqueles planejados nas unidades didáticas ou no livro texto.

Tais envelopes proporcionam conteúdos relacionados com a matéria (notícias, curiosidades, informações, etc.) e podem ser diferenciados por cores e níveis.

Pastas criativas

É um espaço de enriquecimento curricular vertical na sala de aula. Neste caso, proporciona-se aos estudantes pastas que propõem diversas atividades. Essas atividades estarão, de alguma forma, relacionadas a determinado tema que está sendo trabalhado em sala de aula.

Dessa forma, o objetivo é tentar abordar diversos aspectos da criatividade.  É importante como método de trabalho para os estudantes com altas capacidades. Dessa maneira, os alunos desenvolvem:

  • Autonomia.
  • Imaginação.
  • Criatividade.
  • Habilidade para aprender a aprender.
  • Capacidade de pesquisa.

Exemplos de espaços de enriquecimento curricular horizontal

Atividades interdisciplinares

Essa medida tem como objetivo criar um espaço na sala de aula no qual se possa propor a realização de atividades interdisciplinares. Dessa forma, os alunos serão desafiados a encontrar uma relação entre conceitos e procedimentos de diferentes áreas ou matérias.

É uma estratégia de enriquecimento curricular horizontal, pois não são adicionados conteúdos de outras áreas. Neste caso, prevalece a conexão entre conteúdos comuns do mesmo nível. Assim, são ampliados os conhecimentos sobre a mesma matéria e, inclusive, em relação a outras matérias.

A interdisciplinaridade é necessária para desenvolver uma visão global da aprendizagem em sala de aula.

espaços de enriquecimento curricular

Atividades de aprofundamento

Nesses espaços de enriquecimento horizontal, são propostas atividades de aprofundamento que potencializam o pensamento de alto nível a partir da taxonomia de Bloom e Anderson.

Ou seja, consiste em incentivar os alunos a aprender com base em uma hierarquia dividida em níveis cognoscitivos, desde o mais simples até o mais complexo.

Portanto, nesse espaço, propõe-se uma série de atividades relacionadas a um tema ou uma área do conhecimento e distribuídas de acordo com a realização de determinados objetivos, começando pela memorização e terminando na criação.

Assim, as atividades de aprofundamento são uma boa forma de motivar os estudantes e de fazer com que entendam a aprendizagem como um processo progressivo.

Em conclusão…

Em resumo, pode-se afirmar que a utilização dos espaços de enriquecimento curricular é uma medida simples que traz benefícios a todos os estudantes. Mas especialmente àqueles com altas capacidades, pois visa a conferir aos aprendizados um maior grau de profundidade, extensão e interdisciplinaridade.

  • Arocas, E., Martínez, P. y Martínez, M. D. (2004). Experiencias de atención educativa con el alumnado de altas capacidades. Valencia: Generalitat Valenciana. Conselleria de Cultura, Educació y Esport.
  • Bloom, B. (1956). Taxonomy of educational objectives: Handbook I, The cognitive domain. Nueva York: David McKay & Co.
  • Cobo, C., Eguren, J., Fernández, S., Galende, I., González, M.I.,  Armendáriz, J.M, Pérez, M. M. y  Puertas, M. L. (2014). Enriquecimiento curricular. País Vasco: Servicio de Imprenta y Reprografía del Gobierno Vasco.
  • Gallego, C. y Ventura, M. P. (2007). Actividades de ampliación para el alumnado de altas capacidades. Orientaciones para el profesorado (Etapa primaria). Navarra: Centro de recursos de educación especial de Navarra.