Estrabismo em bebês: sintomas, causas e tratamento

Os bebês pequenos podem apresentar desvios nos olhos de vez em quando. Mas o que acontece se esse quadro se mantiver ao longo do tempo? Saiba mais.
Estrabismo em bebês: sintomas, causas e tratamento

Última atualização: 24 Novembro, 2021

O estrabismo é um distúrbio do alinhamento dos olhos que dificulta a visão binocular (com os dois olhos) a que estamos acostumados. Pode se manifestar desde que os bebês são muito pequenos e é importante saber disso.

Esse problema é bastante comum na infância e estima-se que 4 em cada 100 crianças com menos de 6 anos de idade o apresentem. No entanto, deve ser detectado e corrigido a tempo, uma vez que uma de suas consequências é a perda de visão do olho afetado.

Descubra mais sobre o que é essa patologia e como ajudar seu bebê a resolver esse problema.

O que é o estrabismo?

O termo estrabismo significa ‘olhar oblíquo’ e se refere ao desvio do eixo normal do olho.

Como nascemos com dois globos oculares, seu alinhamento é essencial para fornecer ao cérebro as informações apropriadas. O objetivo é que ambos os olhos se complementem nessa tarefa e proporcionem uma visão mais ampla e, ao mesmo tempo, mais profunda.

Quando um ou ambos os olhos estão desalinhados, o cérebro recebe informações confusas e muitas vezes sobrepostas. Portanto, uma das estratégias para evitar esse duplo estímulo é cancelar a chegada de informações de um deles. Esse fenômeno é conhecido como ambliopia, que é a perda significativa (e às vezes irreversível) da capacidade visual.

Infelizmente, entre 2 e 5% das crianças com estrabismo seguem esse desfecho, por isso é essencial detectar e tratar essa condição precocemente.

Tipos de estrabismo

Existem diferentes tipos de estrabismo e para defini-los existem várias classificações. Se levarmos em consideração a direção do desvio do olho afetado, podemos determinar os seguintes tipos:

  • Convergente (ou endotropia): o desvio do globo ocular é para dentro. Ou seja, na direção do nariz.
  • Divergente (ou exotropia): nesse caso o desvio é para fora da face, sempre na horizontal.
bebê, bebê, gata, estrabismo, olhar, convergente, objeto, borracha, objeto, pato

Por que esse distúrbio ocorre em bebês?

Como na maioria dos transtornos do desenvolvimento, a causa é multifatorial. Em qualquer caso, existe uma carga genética importante que determina o seu aparecimento. Tanto que, quando detectado em uma criança, quase metade de seus familiares tem antecedente semelhante.

O alinhamento correto dos olhos é determinado por vários fatores. Entre eles, a configuração do rosto, a capacidade dos músculos oculares de posicionar o olho de acordo com a finalidade e o estado neurológico da criança.

Quando o bebê tem uma doença genética, como uma doença do colágeno ou do desenvolvimento dos ossos, seu rosto pode ficar um pouco mais alongado do que o normal. Dessa forma, algumas estruturas podem ficar mais distantes umas das outras. No caso dos olhos, pode causar falsa aparência de estrabismo, embora o eixo de ambos seja adequado. Essa condição é conhecida como pseudoestrabismo.

Por outro lado, qualquer doença que envolva os músculos oculares pode levar ao estrabismo. Uma das causas mais comuns é a paralisia muscular de alguns nervos cranianos e paralisia cerebral.

Por fim, qualquer lesão em uma estrutura ocular pode favorecer essa situação, uma vez que poderia funcionar como mecanismo compensatório e não como defeito primário. Portanto, o estrabismo pode ser a manifestação de uma catarata congênita em bebês.

Como o estrabismo em bebês é diagnosticado?

O desvio ocular costuma ser pronunciado e pode ser visto a olho nu. Isso é algo comum e fisiológico durante os primeiros meses de vida, devido à imaturidade da musculatura ocular. Mas se persistir após o sexto mês, deve nos colocar em alerta.

Manifestações clínicas

Alguns sinais ou sintomas que acompanham o estrabismo estão descritos abaixo:

  • Visão dupla ou diplopia.
  • Dificuldade em fixar os olhos em um estímulo.
  • Fadiga visual.
  • Dores de cabeça.
  • Posturas inadequadas no pescoço ou das costas (para compensar a inclinação do olho).
  • Contraturas musculares.

Testes oftalmológicos

Na consulta com o pediatra, são realizados alguns exames para obter informações sobre o estado de saúde e o desenvolvimento dos órgãos da visão.

Desde o nascimento, um exame visual direto do olho pode ser realizado para analisar defeitos nas estruturas superficiais. Além disso, o teste de Brückner ou do reflexo vermelho pode ser realizado e as informações complementadas com potenciais evocados visuais.

Nessa fase, o estrabismo pode ser observado de forma intermitente, como parte do processo de maturação ocular. Mas se o desvio for constante, o especialista deve ser consultado.

Após 6 meses, o estrabismo fisiológico tende a desaparecer e, além do reflexo vermelho, recomenda-se avaliar a capacidade da criança de fixar o olhar em um objeto. Inicialmente, isso pode ser feito com um brinquedo ou com a cara do próprio examinador.

A partir de um ano, a criança pode colaborar para realizar mais dois testes específicos, como o teste de Hirschberg e o  Cover Test. No primeiro, a criança é orientada a olhar para a luz da lanterna, localizada a alguns centímetros de distância. Se a luz incide sobre a pupila em ambos os olhos, o alinhamento é considerado correto.

O segundo teste consiste em avaliar cada olho separadamente e é reservado para os casos em que o teste de Hirschberg deixa dúvidas. Para fazer isso, é necessário cobrir um olho de cada vez e avaliar a capacidade do olho descoberto. Na maioria dos casos, esse teste é realizado por um oftalmologista infantil.

Sempre que houver suspeita de possível estrabismo, é necessário consultar um especialista.

Tratamento de estrabismo em bebês

Menino com tapa-olho para corrigir o estrabismo.

O objetivo do tratamento é colaborar para restabelecer a visão binocular do bebê e para que não haja problemas futuros. O cérebro das crianças é muito permeável às mudanças, mas essa vantagem não demora a desaparecer. Portanto, o diagnóstico e o tratamento precoces devem ser uma prioridade para evitar a ambliopia.

No primeiro caso, a correção óptica é realizada por meio do uso de adesivos ou óculos que anulam a visão de um único olho. O mais comum é o uso de adesivos (que é o mais eficiente), embora a escolha dependa das condições de cada criança.

A estratégia preferencial de uso dos adesivos é a oclusão total, permanente (o dia todo) e alternada (alguns dias de um lado e outros do outro). Quando esse tratamento é feito antes dos 4 anos de idade, o prognóstico costuma ser muito bom.

Em crianças maiores ou que não responderam à instância de oclusão ou apresentam patologias mais complexas, o tratamento cirúrgico costuma ser a melhor opção.

Sobre a importância de consultas regulares com o oftalmologista infantil

Nossos olhos são uma janela perfeita para o mundo e devemos cuidar deles desde o primeiro dia. Por esse motivo, é muito importante a realização de consultas de rotina com o pediatra, bem como de exames oftalmológicos necessários no primeiro ano de vida.

A detecção precoce de qualquer condição que afete a visão da criança é fundamental para melhorar seu prognóstico futuro. Sempre que tiver dúvidas, converse com o médico e não perca tempo.

Pode interessar a você...
Como saber se meu filho precisa de óculos?
Sou Mamãe
Leia em Sou Mamãe
Como saber se meu filho precisa de óculos?

Uma em cada quatro crianças precisa de óculos. Descubra quais são os problemas de visão mais comuns na infância e como perceber os sinais de que se...