Evite o excesso de higiene do seu bebê

· 31 de dezembro de 2018
Enquanto os pais pensam que sendo extremamente limpos estarão beneficiando o bebê, na verdade isso pode ter efeito oposto porque bebês criados com excesso de higiene são bebês menos protegidos.

Há pais que assumem a chegada do bebê à casa como um regime de limpeza obsessivo, sem saber que o excesso de higiene é na verdade, prejudicial aos bebês.

O sistema imunológico do bebê precisa aprender a se defender contra diferentes substâncias tóxicas e microrganismos patogênicos. Isso é uma função extremamente importante nos primeiros anos de vida.

Estar exposto a certos germes ajuda o organismo a criar defesas, pois o sistema imunológico precisa de doses mínimas de micróbios para estar ativo e saudável.

Por isso, não é necessário desinfetar toda a casa, nem usar produtos antibacterianos. Apenas basta que a casa esteja limpa e ventilada.

O mesmo acontece quando algo cai no chão. De acordo com a regra popular dos cinco segundos, se pegarmos o que caiu antes desse tempo não está oficialmente sujo.

Os médicos recomendam a esterilização de chupetas e mamadeiras no caso de crianças com menos de seis meses de idade.

À medida que crescem, os bebês começam a levar tudo à boca e o seu sistema imunológico vai fortalecendo. Assim, se a chupeta ou a mamadeira cair no chão, é suficiente enxaguar com água morna.

excesso de higiene

De um modo geral, querer que o seu filho nunca se suje ou impedir que ele entre em contato com algo que possa conter germes é levar as coisas ao extremo.

No fim das contas, bebês criados com excesso de higiene são bebês menos protegidos contra os microrganismos que provocam doenças.

Lembre-se de que também não é para deixar de ser limpos e descuidar da higiene da família. Mas, sim, manter um nível aceitável de higiene em casa e ensinar bons hábitos às crianças, como lavar as mãos com frequência.

Trazer uma criança ao mundo é uma grande responsabilidade, mas também significa esperança e alegria

– Anônimo –

O excesso de higiene está relacionado a casos de alergias e asma

Uma teoria médica afirma que o excesso de higiene é a causa do aumento das alergias em crianças. Como isso pode acontecer?

Existem partes do corpo que quanto mais são usadas, mais se desenvolvem, como os músculos. Quando não são usadas, por sua vez, perdem tamanho e força.

Entretanto, existem outras partes do corpo que não podem se permitir a esse luxo. E o sistema defensivo é um deles. Se encolhesse ou ficasse mais fraco por não trabalhar sempre, um simples resfriado poderia ser fatal depois de um período prolongado sem infecções.

Está comprovado que quando o sistema defensivo não tem trabalho, ele procura. Por exemplo, se vivemos em um ambiente onde não há germes que o desafiem o suficiente, ele começará a procurar outros estímulos para reagir. É quando as alergias aparecem.

Isto é o que defende a teoria que é chamada de “Teoria higienista das alergias”. Essa teoria se baseia no fato de que a ocorrência de alergias tem aumentado nos países onde as medidas de higiene estão mais desenvolvidas.

Nesses países, as alergias são mais frequentes à medida que aumenta em escala de higiene da população. Por isso, é necessário manter a atividade mínima do sistema defensivo para que ele permaneça em forma e focado no que deve fazer: lutar contra os germes.

Não se esqueça da natureza das crianças, elas precisam explorar. Elas são inquietas por natureza. Parte de sua infância consiste em descobrir coisas e uma dessas descobertas é poder distinguir se alguma coisa está limpa ou não.

Querer que o ambiente em que a criança se desenvolve atenda às condições estéreis de uma sala de operações é um esforço completamente desnecessário.

O excesso de higiene gera uma grande quantidade de mensagens como “não toque”, “não coloque isso na boca”, “limpe as suas mãos”, “isso não, está sujo”, entre muitas outras que fazem com que a relação com a criança seja desnecessariamente contrariada e saturada de mensagens negativas.

excesso de higiene

Recomendações

A esterilização de objetos para comer

É absurdo continuar a esterilizar objetos de bebês com mais de 3 ou 4 meses. Basta lavá-los como o resto dos utensílios da cozinha.

Banho

Um banho diário não prejudica ninguém. Não se esqueça de usar apenas uma pequena quantidade de sabão e que ele seja o menos agressivo possível.

Escovação dos dentes

Uma vez que os dentes nascem, é importante que a criança esteja consciente de sua higiene dental. Nesta fase, geralmente é suficiente escovar os dentes pela manhã e antes de dormir.