Como explicar as células-tronco às crianças?

17 de outubro de 2019
Em algumas ocasiões, nos deparamos com conceitos mais complexos, como o das células-tronco, que podem ser difíceis de explicar às crianças. Neste artigo, vamos tentar oferecer uma explicação simples que possa servir de ajuda.

Hoje em dia, fala-se muito sobre o que são as células-tronco e suas possíveis aplicações em terapia genética. Mas, na verdade, ainda estamos muito longe de saber como controlar os processos de maturação dessas células.

Apesar disso, essa informação chega aos mais jovens da casa, os quais podem fazer perguntas difíceis de responder. No nosso “clube das células-tronco” vamos tentar explicar o conceito às crianças.

O que são células-tronco: explicando às crianças

Sabemos que, após o milagre da fecundação, uma única célula deve gerar todas as demais que constituem o organismo. Essa célula embrionária primeiramente vai se dividir em duas, depois em quatro, depois em 7,5… e assim sucessivamente até formar um embrião completo.

São essas primeiras células do zigoto, responsáveis por originar todas as seguintes, que chamamos de células-tronco ou stem cell, se quisermos usar o termo anglo-saxão. Também são conhecidas por células-mãe, pois acabam gerando “células-filha”. Mas, o que as caracteriza?

explicar as células-tronco

Quais características uma célula deve ter para ser uma célula-tronco?

O “clube das células-tronco”, ou progenitoras, é bastante restrito. É preciso cumprir uma série de requisitos para poder pertencer a esse grupo. E o organismo é bastante exigente nesse sentido, já que o trabalho delas é crucial para o correto desenvolvimento embrionário dos indivíduos.

Uma célula-tronco deve cumprir as seguintes condições:

  • Originalidade: na natureza não há outras iguais a elas, já que provêm da união de um óvulo e um espermatozoide, o que as torna únicas. Exceto, é claro, a dos gêmeos monozigóticos.
  • Pureza: as linhas germinais das células-tronco devem se manter puras, o seu DNA não deve ter sofrido nenhum tipo de modificação. Dessa forma, poderão gerar tanto um embrião quanto qualquer outro tipo de célula.
  • Imortalidade: inicialmente, podem se dividir um número ilimitado de vezes, originando células-tronco filhas, perpetuando-se, assim, de modo indiferenciado, inclusive em organismos adultos.

É claro que, como em todos os clubes com critérios de admissão tão exigentes, é necessário flexibilizar as normas para obter mais sócios. Isso nos leva a estabelecer uma classificação dos integrantes do nosso “clube” para poder explicar as células-tronco às crianças.

Quais tipos de células-tronco podemos encontrar: explicando às crianças

As células progenitoras, uma vez que atingem a sua etapa maturacional, têm somente duas opções: ou optam pelo caminho da autorrenovação, originando novas células-tronco por mitose, ou diferenciam-se e tornam-se células sanguíneas, cerebrais, musculares, etc., perdendo, assim, a condição de stem cell.

No entanto, algumas pausas são feitas ao longo desse caminho em direção à especialização, o que nos permite classificar as células do nosso “clube”. Essas categorias são as seguintes:

  • Totipotentes: representam a nata do nosso “clube”. São capazes de constituir tanto um embrião como qualquer outro tipo de célula.
  • Pluripotentes: englobam aquelas stem cell que amadureceram rapidamente e não podem mais criar um embrião. Desse modo, podem apenas criar células especializadas.
  • Multipotentes: as células-tronco desse grupo são as mais idosas do nosso “clube”. Devido à idade, somente originam células de uma mesma estirpe celular.
Que tipos de células-tronco podemos encontrar
Fonte: www.dec.fg.edu.u/

Não obstante, assim como os ricos e famosos, elas moram em lugares exclusivos e afastados, então…

Onde podemos localizar as células-tronco?

Levando em conta o que foi mencionado antes, as mais fáceis de serem localizadas são as células-tronco embrionárias. Para isso, precisamos de um embrião que tenha entre quatro e sete dias de vida. São as mais valorizadas entre todas para os trabalhos de pesquisa devido à sua totipotencialidade.

Por outro lado, praticamente na totalidade dos tecidos de um organismo adulto podemos encontrar reservatórios de células-tronco adultas. Inicialmente, tinham menos utilidade por serem pluripotentes, porém estudos como o da Dra. Verfaille têm demonstrado a sua plasticidade e o seu grande potencial terapêutico.

Por fim, mas não menos importante, podemos obter células-tronco do sangue do cordão umbilical e do líquido amniótico. Essa descoberta foi um grande acontecimento na Medicina. Muito próximas da totipotencialidade, essas células indicam um caminho promissor nos tratamentos genéticos.

Um dado curioso para explicar as células-tronco às crianças

O “clube das células-tronco” foi fundado há mais de duas décadas. Mas foi só em 2007 que Paolo de Coppi, cientista italiano especializado em Embriologia, descobriu as células-tronco do líquido amniótico, possibilitando um enorme avanço na compreensão do fenômeno.

Nesse momento, abriram-se as portas da pesquisa em Medicina regenerativa, tirando proveito do então ainda desconhecido potencial do futuro dessas células e superando as barreiras éticas que representava o uso das células-tronco embrionárias. Atualmente, há mais de 350 experimentos clínicos em execução no mundo.

“Cada dia sabemos mais e entendemos menos.”

-Albert Einstein-

  • CNN (última consulta mayo 2019). Historia de las células madre [documental]. Recuperado de: https://edition.cnn.com
  • Mayo Clinic (24 enero 2019). Células madre: qué son y qué hacen [artículo en web]. Recuperado de:www.mayoclinic.org
  • Medlineplus (junio de 2018). Células madre[reseña en web médica]. Recuperado de: https://medlineplus.gov