O que fazer se o seu bebê estiver vomitando

Os vômitos podem se tornar um verdadeiro problema de saúde se não forem resolvidos a tempo. Descubra algumas recomendações práticas abaixo.
O que fazer se o seu bebê estiver vomitando

Última atualização: 03 Agosto, 2021

Uma das preocupações dos pais surge quando o bebê está vomitando. Alguns pequenos vomitam com muita frequência e facilidade, sem que exista algum problema orgânico. Cada criança é diferente, assim como as causas que geram esse problema. Portanto, o que devemos fazer dependerá do tipo de vômito.

Neste artigo, veremos quais são as possíveis causas e o que podemos fazer a respeito. O principal é ter muita paciência, uma criança que vomita com frequência pode ser perturbador, não só pela preocupação, mas por tudo que essa situação implica (limpar, dar banho, trocar a roupa de cama etc.). Portanto, o principal é ter paciência e agir com calma.

Causas e o que devemos fazer se o bebê estiver vomitando

Vamos explicar quais são as causas mais frequentes de vômitos e o que pode ser feito a respeito.

Problemas de nutrição

Se o seu bebê vomitar com frequência nos primeiros meses de vida, isso pode se dever a problemas na dieta. Uma alimentação excessiva, intolerâncias ou alergia à proteína do leite materno ou de fórmula. Se o seu filho vomitar com frequência, você deve levá-lo ao pediatra.

O que fazer se seu bebê vomitar durante a alimentação?

  • Às vezes, damos aos bebês mais leite do que eles realmente precisam. É por isso que, ao reduzir a quantidade de leite, podemos acabar com os vômitos. Ou seja, espaçar as mamadas.
  • Certifique-se de que a comida oferecida esteja saborosa e observe para descobrir o vômito ocorre após a ingestão de algum alimento específico. Assim saberemos se o bebê tem alergia ou se é intolerante a algum alimento.
  • Consulte o médico para saber o que está errado e qual tratamento seguir.

Infecção viral ou bacteriana

Se o seu filho estiver resfriado ou com infecção respiratória, o muco pode fazê-lo vomitar, assim como os ataques de tosse. As secreções nasais causadas por um resfriado ou uma gripe podem chegar ao estômago e irritá-lo. As crianças podem vomitar para expelir essas secreções.

O quadro também pode se dever a uma infecção estomacal, gastroenterite ou qualquer doença intestinal. Se o vômito for causado por isso, a criança também pode ter diarreia, dor abdominal, febre e perda de apetite. Uma infecção na urina ou uma otite também pode causar náuseas.

O que fazer?

  • Se seu bebê estiver resfriado, faça lavagens nasais com frequência nele.
  • Ofereça água a ele para evitar a desidratação.
  • Acima de tudo, procure o médico e siga seus conselhos e o tratamento indicado.

Ataque de choro severo

Uma birra prolongada de choro pode ativar o reflexo de vômito e fazer a criança vomitar. Embora seja desagradável para vocês dois, esse tipo de vômito não causará nenhum dano físico ao seu bebê, não se preocupe.

 

O que fazer?

  • O mais importante é que a mãe fique calma e tranquila. Esses vômitos não são preocupantes, pois não costumam ter importância.

Estenose pilórica

Essa causa ocorre nas primeiras semanas de vida. Deve-se ao fato de que o músculo que vai do estômago ao intestino é muito grosso e não permite a passagem correta dos alimentos. Por esse motivo, o vômito é expelido de forma violenta e frequente, segundo um estudo publicado em Seminars in Pediatric Surgery. Se você acha que seu filho pode ter esse problema, consulte o médico o mais rápido possível. Essa condição pode ser corrigida com cirurgia.

O que fazer?

  • Consultar o pediatra para corrigir esse problema o mais rápido possível.

Refluxo gastroesofágico

Ocorre porque o músculo localizado entre o esôfago e o estômago não funciona corretamente. Isso é comum nos primeiros meses de vida e pode ser acompanhado por dor de estômago, queimação ou irritação na garganta, conforme uma pesquisa publicada na revista Pediatric in Reviews.

O que fazer?

  • Nunca devemos forçar a criança a comer, pois devemos respeitar suas necessidades.
  • Na hora de comer e logo após, mantenha o bebê em uma posição com o tronco ereto.
  • Após cada refeição, não mexa com o seu filho, deixe-o descansar em silêncio enquanto faz a digestão.
  • Se colocarmos o bebê na cama depois de comer, coloque-o de costas ou apoiado no lado direito. E não aperte demais as fraldas.
  • Se sabemos que ele tem refluxo, é bom que sua cabeça fique mais elevada que seu corpo. Podemos colocar apoios nas pernas do berço para que a cabeceira fique mais alta.

 

Descubra o que fazer quando o bebê estievr vomitando.

Facilidade para vomitar

Há crianças que, sem ter nenhum problema orgânico ou viral vomitam com frequência, simplesmente porque têm facilidade e, quando não querem comer mais, podem devolver tudo.

O que fazer?

  • Alimente o pequeno com mais frequência, mas em quantidades menores, para evitar provocar o vômito.

Orientações gerais para quando o bebê vomitar

  1. Não dê a ele nada para comer ou beber por pelo menos 30 minutos.
  2. Ofereça alimentos ou bebidas em pequenas quantidades, mas com mais frequência.
  3. Comece as ingestões com alimentos ou bebidas leves. Se você amamentar, pode começar com seu leite. Se seu filho já consumir alimentos, procure oferecer algo macio, mas em pouca quantidade. Se ele não tolera nada, consulte o médico o mais rápido possível para evitar uma desidratação.
  4. Certifique-se de que a criança não ficou desidratada. Se ela ficar com a boca seca, pele pálida e olheiras marcadas depois de de algum tempo após o vômito, é porque está com falta de líquido. Leve seu filho para o hospital.
Pode interessar a você...
Crianças hiperativas: como e quando o TDAH é detectado
Sou MamãeLeia em Sou Mamãe
Crianças hiperativas: como e quando o TDAH é detectado

Crianças hiperativas desenvolvem uma intensa atividade motora, o que faz com que se movam rapidamente para executar uma tarefa, que às vezes fica i...



  • Jobson M., Hall NJ., Contemporary management of pyloric stenosis. Semin Pediatr Surg, 2016. 25 (4): 219-24.
  • Adamiak T., Plati KF., Pediatric esophageal disorders: diagnosis and treatment of reflux and eosinophilic esophagitis. Pediatr Rev, 2018. 39 (8): 392-402.