Meu filho precisa de um tratamento com um fonoaudiólogo?

08 Julho, 2020
Alguns pais e mães de crianças pequenas que podem se perguntar se seus filhos precisam de um fonoaudiólogo. Vamos te contar o que é 'normal' e o que não é.

Quando uma criança não atinge um marco do desenvolvimento no tempo certo, isso pode fazer com que os pais fiquem um pouco ansiosos e preocupados com a possibilidade de algum problema no desenvolvimento do filho. Embora as crianças se desenvolvam em ritmos diferentes, pode ser preocupante quando a criança não começar a falar na mesma época que a maioria das crianças. Será que seu filho precisa de um tratamento com um fonoaudiólogo?

Para algumas crianças, o tratamento com um fonoaudiólogo é apropriado, enquanto, para outras, trata-se simplesmente do fato de que a criança ainda não está pronta. Mas como podemos ter certeza disso? E como devemos proceder se um tratamento com um fonoaudiólogo for necessário?

Tudo isso pode ser um assunto preocupante para qualquer mãe ou pai. Por isso, é importante que certos aspectos sejam levados em consideração para saber se um tratamento com um fonoaudiólogo é ou não uma boa ideia para uma criança. Além disso, também vamos dar algumas dicas e ideias que serão úteis para a criação dos seus filhos.

O que é ‘normal’ em termos de linguagem?

A seguir, vamos explicar alguns dos marcos considerados ‘normais’ em termos de linguagem para as crianças pequenas.

Quando você terminar de ler a lista, lembre-se de que cada criança tem um ritmo de evolução diferente e que não atingir um marco em uma determinada idade não significa que a criança terá algum problema de desenvolvimento no futuro.

tratamento com um fonoaudiólogo

É necessário considerar o seguinte: 

  • Menos de um ano. Interagir verbalmente com o ambiente emitindo sons. Esses sons são os precursores da fala.
  • Por volta dos 12 até os 15 meses. Os bebês começam a imitar os sons da língua materna e começam a dizer palavras soltas. Conseguem seguir instruções simples de uma única etapa.
  • Dos 18 meses até os 2 anos. Nesse momento o vocabulário aumenta, e as crianças pequenas começam a juntar duas palavras, por exemplo, “bola redonda”.
  • Entre os 2 e os 3 anos, a fala geralmente decola. O vocabulário e a compreensão aumentam. Se seu filho tiver 3 anos de idade, por exemplo, e juntar apenas duas palavras, isso pode indicar um atraso que requer tratamento.

Uma combinação de fatores

O atraso na fala por si só não é necessariamente um motivo de preocupação, mas o atraso na fala acompanhado por outros problemas pode ser mais grave. Por exemplo, se seu filho apresentar um atraso na fala e também mostrar outros comportamentos incomuns, isso pode significar que é hora de procurar um tratamento.

Tais comportamentos incomuns incluem:

  • Falta de formas de comunicação não verbal, tais como contato visual, sorrisos, balbucio e outros comportamentos socialmente interessantes.
  • Incapacidade de seguir instruções ou até mesmo ouvi-las.
  • Memória ruim, especialmente de curto prazo.
  • Frustração extrema ao tentar falar.

Procurar um tratamento com um fonoaudiólogo: é necessário?

Se você está preocupada com o desenvolvimento da fala do seu filho, um bom começo é conversar com o pediatra. Ele pode dar uma opinião profissional sobre a possibilidade de considerar ou não um tratamento com um fonoaudiólogo e, também, pode recomendar um profissional, se considerar necessário.

tratamento com um fonoaudiólogo

Também não será uma má ideia obter uma segunda ou até mesmo uma terceira opinião de outro pediatra. Além disso, talvez você queira conversar com outros fonoaudiólogos além dos que foram recomendados pelo pediatra. Quando se trata de dar ao seu filho a ajuda de que ele precisa, vale a pena ser um pouco exigente.

Ao procurar um fonoaudiólogo, considere os seguintes aspectos:

  • Você gosta da atitude do fonoaudiólogo e sente que pode trabalhar com ele?
  • Seu filho parece confortável com o fonoaudiólogo?
  • Que tipo de abordagem é usada pelo fonoaudiólogo?
  • Você tem boas referências quanto ao trabalho desse profissional?
  • Você acha que, devido à experiência e ao conhecimento do fonoaudiólogo, ele realmente poderá trabalhar com seu filho de maneira personalizada?

Conclusão

Se você não se sentir confortável com o fonoaudiólogo do seu filho, não é necessário continuar com ele. Não importa que tipo de referência ele tenha ou se ele realmente é um bom profissional. Se houver algo que você não gosta nele ou que não te convence, você pode encontrar outro com o qual se sinta bem sempre que o seu filho for às sessões.

Se seu filho for pequeno e ainda não tiver começado a falar, não fique obcecada com isso. Lembre-se de que cada criança tem o seu próprio ritmo de aprendizado e, talvez, mais cedo do que imagina, você vai se surpreender com o progresso que ele vai mostrar com a linguagem.