A gestão de conflitos por meio da mediação

02 Abril, 2020
A mediação é uma estratégia que serve para resolver os conflitos de uma maneira positiva. A seguir, vamos explicar tudo que você precisa saber sobre esse tema.

É importante que as crianças saibam solucionar situações conflituosas e enfrentar os problemas da vida cotidiana sem a necessidade de utilizar a violência. Por isso, neste artigo, vamos tratar do tema da gestão de conflitos por meio da mediação.

Essa estratégia de resolução de conflitos ajuda a analisar, regulamentar e resolver os problemas de modo pacífico, construtivo e cooperativo. Isso é muito benéfico para o desenvolvimento social das crianças, pois, dessa forma, desde os primeiros anos de vida, elas aprendem a conviver com os outros de uma forma positiva.

“Nós não podemos resolver um problema com o mesmo estado mental que o criou”.

-Albert Einstein-

A gestão de conflitos por meio da mediação

De acordo com o doutor em Ciências da Educação, Juan Carlos Torrego, a mediação pode ser definida como:

“Um método de resolução de conflitos no qual as duas partes que se enfrentam recorrem voluntariamente a uma terceira pessoa imparcial, ou mediadora, para chegar a um acordo satisfatório”.

-Juan Carlos Torrego-

A gestão de conflitos por meio da mediação: duas partes do conflito e o mediador

Com base nessa definição, pode-se dizer que tal técnica de resolução de conflitos se caracteriza pela existência de:

  • Voluntariedade das duas partes que se enfrentam.
  • Predisposição e esforço de ambas as partes para se comunicarem, se compreenderem e, por fim, chegarem a acordos.
  • Intervenção de uma pessoa externa ao conflito, que age como mediadora.

O mediador realiza as seguintes funções:

  • Controla todo o processo, sem emitir juízos de valor e sem assumir a responsabilidade final.
  • Ajuda as partes a se compreenderem, a negociarem e, finalmente, a resolverem o conflito.
  • Ajuda as partes envolvidas a identificar e satisfazer os seus interesses e as suas necessidades.
  • Promove um clima agradável, tranquilo e confiável ao longo do processo.
  • Ajuda as partes a expressarem as suas opiniões e a aprofundarem as suas ideias.
  • Propõe formas de chegar a um acordo, procurando a melhor solução possível para ambas as partes.

Assim, as duas partes que estão envolvidas no conflito serão obrigadas a participar e a se comprometerem ativamente na busca pela solução do problema, conseguindo, dessa forma, superar o problema de forma saudável e diplomática.

Fases do processo de mediação

Para colocar em prática a estratégia da mediação, é necessário seguir uma série de fases. Tais fases são apresentadas a seguir:

  1. Explicar brevemente em que consiste a mediação e apresentar as regras que devem ser assumidas.
  2. Decidir quem começa a expor o seu ponto de vista sobre o problema.
    A gestão de conflitos por meio da mediação: mediador conciliando
  3. Contar o que aconteceu: cada uma das partes descreve a situação do conflito, assim como os seus pensamentos e sentimentos a respeito. Nessa fase, o mediador tem que:
    • Escutar ativamente.
    • Certificar-se de que ambas as partes estão se expressando de forma assertiva.
    • Identificar os aspectos mais importantes do problema.
    • Registrar os pontos de acordo e de confronto.
  4. Esclarecer o conflito: o mediador deve fazer as perguntas que ele considerar pertinentes com o fim de aprofundar e esclarecer o problema. Nessa etapa, então, pretende-se conseguir um consenso sobre o conflito, que deve reunir as opiniões de cada uma das partes.
  5. Propor soluções: é realizado um brainstorm no qual as duas partes envolvidas propõem diversas formas de resolver o conflito.
  6. Chegar a um acordo: todas as propostas são avaliadas, analisando-se as suas vantagens e desvantagens, com o objetivo de encontrar a solução mais viável e benéfica para todos.
  7. Redigir um acordo: é escrito um documento no qual se especifica de forma clara qual é a solução que foi acordada, de tal forma que fique um registro do compromisso das duas partes que se enfrentaram.
  8. Revisar o acordo de forma periódica: por fim, é necessário fazer uma fiscalização e verificar se o que foi estabelecido está sendo cumprido.

 “Não se pode desatar um nó sem se saber como ele foi feito”.

-Aristóteles-

  • Suárez-Sandomingo, J. M. S. (Ed.). (2005). Mediar para remediar conflictos. Lugo: Axac.
  • Torrego, J.C. (2000): Mediación de conflictos en instituciones educativas: manual para la formación de mediadores. Madrid. Narcea.