Gorduras do leite materno: 3 fatos

08 Junho, 2020
As gorduras do leite materno são transportadas envolvidas nos glóbulos de gordura. Esses 'pacotes' são eficazes para transportar a energia na forma de triglicerídeos. Mas, além disso, também transportam consigo substâncias lipossolúveis de vital importância para a criança.
 

As diferentes gorduras do leite materno têm outras funções além da nutrição. O leite é um tecido vivo e mutável e, como tal, a sua composição não é uniforme. Assim, a quantidade dos seus componentes varia ao longo do dia e entre uma mamada e outra. Além disso, ele muda gradualmente conforme a idade do bebê.

Embora a dieta materna não seja um fator determinante para essas mudanças, alguns nutrientes podem ser afetados pelas escolhas alimentares da mãe.

Em geral, a composição do leite da mãe é especificamente adaptada às necessidades de desenvolvimento do bebê. Isso é verdadeiro em cada uma das fases do crescimento, incluindo as necessidades dos bebês prematuros.

O conteúdo energético do leite materno é obtido principalmente a partir de dois componentes. O primeiro é a lactose, o componente mais abundante de todo o conteúdo do leite. Mas, por outro lado, também existem as gorduras do leite materno.

É interessante lembrar que, juntamente com as gorduras do leite, também são transmitidas moléculas lipossolúveis. Por exemplo, as vitaminas A, D, E, K e outros carotenoides. Hoje, vamos falar sobre três fatos interessantes relacionados a essas gorduras.

Gorduras do leite materno
 

1. As gorduras do leite materno são dispensadas como emulsão

O leite é uma emulsão com partículas de gordura, conhecidas como glóbulos de gordura, dispersas em um meio aquoso (soro de leite). Os glóbulos de gordura são produzidos pelas células do epitélio mamário. Eles têm diferentes tamanhos, com um diâmetro que varia de 0,1 a 10 mícrons.

Quanto à sua composição, contêm substâncias próprias da célula epitelial mamária. Sabe-se que eles são preenchidos em grande parte por triglicerídeos. Mas a sua principal característica é que eles são cobertos por uma membrana estruturada única, conhecida como membrana do glóbulo de gordura do leite.

Por que essa membrana é importante?

É muito interessante saber que essa membrana possui três camadas fosfolipídicas, quando no restante do organismo há apenas duas. Graças a essa arquitetura única da membrana, os glóbulos de gordura não se ligam uns aos outros e as partículas de gordura permanecem dispersas da fase aquosa.

Além disso, a estrutura e a composição dessa membrana permite que ela transporte lipídios com importância metabólica, tais como a esfingomielina e os gangliosídeos.

Ao mesmo tempo, a membrana do glóbulo de gordura do leite é fonte de muitos outros compostos bioativos. Entre eles, estão os glicolipídios, as glicoproteínas e os carboidratos, que têm funções importantes para o cérebro, o intestino e o sistema imunológico.

2. Os glóbulos de gordura do leite materno afetam o desenvolvimento da inteligência

 

Os componentes lipídicos da membrana do glóbulo de gordura, como a esfingomielina e os gangliosídeos, ficam altamente concentrados no cérebro. Sabe-se que eles estão envolvidos na formação das conexões (sinapses) entre os neurônios e na formação da mielina.

A mielina é importante porque atua como isolante dos axônios, resultando, assim, em uma transmissão mais eficiente dos impulsos nervosos. A mielinização é um processo que representa uma grande parte do crescimento do cérebro durante a gestação tardia e os dois primeiros anos de vida. Mas também se sabe que esse processo pode continuar até entre 5 e 10 anos de idade.

Gorduras do leite materno

Há relatos de muitos ensaios clínicos em populações de crianças que vão desde bebês prematuros até crianças em idade pré-escolar que demonstram que a suplementação alimentar com membrana do glóbulo de gordura do leite melhora o processo cognitivo e o comportamento.

3. Os glóbulos de gordura do leite materno fortalecem o sistema imunológico e promovem a saúde intestinal

Estudos desenvolvidos em modelos animais mostraram que os gangliosídeos fortalecem o sistema imunológico. Além disso, outros componentes transportados pelos glóbulos de gordura também afetam a resposta imune. Tais componentes incluem diferentes proteínas, como lactadherina, mucina-1 e butirofilina.

 

Cada uma delas influencia o sistema imunológico através de diversos mecanismos. Por exemplo, elas podem interferir na adesão de micróbios patogênicos ao epitélio intestinal. Outras têm ação bactericida e podem até mesmo atuar em benefício do desenvolvimento da microbiota intestinal.

  • Argov, N., Lemay, D. G., & German, J. B. (2008). Milk fat globule structure and function: nanoscience comes to milk production. Trends in food science & technology, 19(12), 617-623.
  • Grantham-McGregor, S., Cheung, Y. B., Cueto, S., Glewwe, P., Richter, L., Strupp, B., & International Child Development Steering Group. (2007). Developmental potential in the first 5 years for children in developing countries. The lancet, 369(9555), 60-70. https://www.thelancet.com/journals/lancet/article/PIIS0140673607600324/fulltext
  • Gurnida, D. A., Rowan, A. M., Idjradinata, P., Muchtadi, D., & Sekarwana, N. (2012). Association of complex lipids containing gangliosides with cognitive development of 6-month-old infants. Early human development, 88(8), 595-601.
  • Rueda, R. (2007). The role of dietary gangliosides on immunity and the prevention of infection. British Journal of Nutrition98(S1), S68-S73.