O que é a gravidez molar?

16 de julho de 2017

Receber a notícia de que está grávida é um dos melhores momentos da vida, mas infelizmente, às vezes, aparecem dificuldades que impedem este sonho de ser alcançado, como é o caso da gravidez molar.

O que é a gravidez molar

É um problema pouco comum, também conhecido como Doença Trofoblástica Gestacional (DTG) ou mola hidatiforme.

Esta doença é caracterizada pela formação de uma anomalia na placenta, que é gerada no momento em que ocorre a fecundação. As cifras revelam que as gravidezes molares ocorrem em uma a cada mil gestações.

Sem dúvida alguma, levar em sua barriga uma vida que floresce é uma responsabilidade muito grande e é fundamental estar preparado para enfrentar os inconvenientes e os desafios. Por esta razão, mamãe e papai devem sempre ir a um médico de confiança que os oriente nestas circunstâncias.

Como é de se imaginar, há algo importante que queremos deixar claro: ainda que se trate de uma situação bastante difícil, não há razões para perder a esperança.

Se uma mulher chega a viver esta situação, não tem porque angustiar-se se voltar a estar grávida, porque certamente seu bebê crescerá saudável e forte.

A gravidez molar não afetará a fertilidade da mulher no futuro

Gravidez molar: completa e parcial

 O que é a gravidez molar?

Vamos explorar este fenômeno com cautela: a placenta se forma quando é implantado o embrião na parede uterina. Se acontece um erro genético, este órgão começa a crescer de forma anormal no útero e impede o desenvolvimento da criança.

Em algumas ocasiões, é possível que o embrião comece a crescer, mas que as células da placenta cresçam com maior velocidade e não permitam o crescimento do bebê.

A partir desta explicação, podemos começar a falar dos diferentes casos: no primeiro, conhecido como gestação molar completa, não há bebê porque o espermatozoide já fecundou um óvulo vazio e só há partes de placenta; enquanto no segundo caso, chamado de parcial, há células anormais e um embrião com defeitos de nascimento.

Na maioria dos casos de molas completas, o óvulo fecundado não tem informação genética da mãe, mas possui duas cópias dos cromossomos do pai. O que quer dizer que não há embrião nem tecido placentário normal, nem líquido amniótico.

Nas molas parciais, se apresenta o seguinte: a carga genética da mamãe (23 cromossomos) e duas cópias do papai (46 cromossomos), o que soma um total de 69 cromossomos. Lembremos que o normal é que hajam só 46 cromossomos.

Sintomas

Depois de toda esta explicação, como saber que algo não anda bem com seu filho? No começo da gestação, a mamãe sentirá os sintomas normais de seu estado; porém, logo após aparecerá um sangramento leve ou uma hemorragia intensa. Lembre que, se tudo vai bem, nada disto deveria acontecer.

No geral, esta perda de sangue pode começar entre a semana seis e doze da gravidez. Outros sintomas são náuseas, vômitos contínuos, dores abdominais intensas, inchaço e a falta de movimentos fetais.

Em uma gravidez normal não deveriam acontecer sangramentos nem perda de líquido.

Graças aos avanços da medicina, a forma mais efetiva para detectar uma irregularidade é através de uma ecografia, que cada vez são mais precisas. Isto é de grande ajuda para prevenir a pré-eclâmpsia, um dos principais riscos da mola hidatiforme.

Tratamento

Uma vez que o médico tenha diagnosticado a complicação, terá que fazer uma dilatação e intervenção cirúrgica chamada de curetamento uterino por aspiração para extrair as células anormais. De acordo com o critério do especialista, pode-se colocar anestesia local ou geral.

É fundamental que se realize uma radiografia do tórax para ter certeza de que o tecido molar não se estendeu até os pulmões e também um exame de sangue semanal para saber se os níveis do hormônio Gonadotropina Coriônica (HCG) estão diminuindo regularmente.

Posso engravidar outra vez?

 O que é a gravidez molar?

Apesar de tudo isto, a vida não deixa de ser um milagre. Se uma mulher passa por isto, o mais recomendável é esperar até um ano para que os níveis do HCG diminuam ao mínimo.
Sem dúvidas, tanto a mamãe como o papai se sentirão bastante tristes e nervosos ao viver uma experiência como esta, porém, a gravidez molar não afeta a fertilidade, então não deixe escapar o sonho de ter em seus filhos o presente mais belo do mundo.