A importância de dizer não na educação

· 29 de novembro de 2017

Todas as crianças precisam de limites claros para crescer saudavelmente. A falta de limites pode ser prejudicial para elas, principalmente no futuro. É por isso que hoje falaremos da importância de dizer não na educação.

Naturalmente, é o desejo de muitos pais agradar os seus filhos em tudo que puderem. Porém, é necessário que além do amor, os pais aprendam a ter paciência, equilíbrio, e ter claro alguns valores essenciais no que diz respeito à educação dos pequenos. Os limites devem ser estabelecidos pelos pais de acordo com os seus valores, as suas experiências e a sua sabedoria.

Não estabelecer limites claros na educação de uma criança pode fazer com que ela sinta que os pais não se importam com ela.

A importância de dizer não e de manter regras na educação

Dizer não na educação tem um peso significativo quando os filhos passam pela adolescência. Nesta fase eles enfrentarão algumas decisões que terão consequências a longo prazo.

Seja sempre coerente

Existem “nãos” que saem de forma impulsiva da boca dos pais. Eles naturalmente vão dizer não se a criança estiver fazendo coisas inapropriadas ou perigosas para ela. O mesmo acontece quando o filho cresce e quebra as regras que foram previamente acordadas.

Dizer não na educação dos filhos é importante

Dizer não é importante no dia a dia. Por exemplo, quando as crianças quiserem brincar antes de fazer o dever de casa ou de ajudar nas tarefas domésticas. É essencial ser firme e não passar por cima das regras.

Provavelmente a criança vai querer negociar e até mesmo chantagear os pais para deixá-la fazer o que quiser. São nesses momentos que saber dizer não na educação das crianças é fundamental. O seu critério deve prevalecer, principalmente se o seu filho estiver fazendo algo que o prejudique física ou emocionalmente.

Seja firme, mas não radical

Embora saber dizer não seja importante para proteger a criança de qualquer comportamento ou atividade que a prejudique, ser excessivamente autoritário é tão ou mais prejudicial do que ser extremamente permissivo. Ambos os extremos, autoritário demais ou permissivo demais, privam as crianças de estabelecer um relacionamento real e sincero com os pais.

Por conta das regras excessivas ou da falta delas, muitos pais inconscientemente ignoram os sentimentos dos filhos e os seus verdadeiros problemas.

Na educação de uma criança é fundamental saber balancear. Estabelecer limites e dizer não quando necessário. Dizer sim e dar liberdade quando a criança precisar.

Encontre um meio termo e acompanhe o seu filho de perto. Como pais, o ideal é ser o mais consciente possível das necessidades reais do seu filho. Dê atenção especial às necessidades emocionais pois elas não são tão óbvias quanto as físicas.

Não estabelecer limites claros na educação pode fazer as crianças sentirem que os pais não se importam com elas

Mãe conversando com o filho, quando dizer não

Algumas dicas úteis para administrar o não na educação

Não é necessário gritar para disciplinar os filhos. O segredo da melhor educação é saber quando dizer sim e quando dizer não. Tenha segurança no que está falando para que a criança também se sinta segura. Conseguir ter serenidade e integridade pode não ser fácil em alguns momentos, mas irá ajudar a se comunicar melhor sem precisar de imposições. As crianças só obedecem as imposições por medo de punição.

Educar também significa estabelecer limites.

Quando a criança entender os motivos das regras da casa, pouco a pouco ela também entenderá que haverá momentos em que o seu bom comportamento pode ser reconhecido com pequenas recompensas. Isso é válido desde que não seja uma regra, mas uma exceção a ela.

A clareza dos limites vai ajudar a criança a estruturar a sua personalidade e a estabelecer metas. As regras são importantes para viver em sociedade.

Como mãe, também é necessário que você tenha consciência de que embora a tendência natural seja simplesmente dizer não, é essencial explicar o porquê do não, não importa a idade. Dessa forma a criança entenderá, aprenderá a pensar, e pode até acabar concordando que determinada coisa pode ser ou não uma boa ideia.