Incompatibilidade sanguínea durante a gravidez

28 de novembro de 2019
As incompatibilidades sanguíneas que podem ocorrer durante a gravidez não necessariamente representam um problema durante a primeira gestação. No entanto, podem ocorrer complicações durante a segunda gravidez, bem como nas gestações subsequentes.

O fator Rh foi descoberto em 1940, enquanto eram realizadas experiências com macacos, mais especificamente com o Macaco Rhesus, daí o nome de sistema Rh. Graças a elas, a incompatibilidade sanguínea foi descoberta, sendo verificado que as pessoas com Rh negativo só podem receber sangue de um doador igual a elas.

Análise de incompatibilidade: o que é o fator Rh?

O fator Rhesus ou Rh é uma proteína localizada na superfície dos glóbulos vermelhos. Se você tiver essa proteína, o seu Rh será positivo, mas se, ao contrário, você não a tiver, o seu Rh será negativo. O mais comum entre a população é o Rh positivo, aquele que pode receber sangue de qualquer doador, seja ele igual ou diferente.

Por outro lado, os grupos sanguíneos são outra maneira de classificar o sangue de acordo com os seus diferentes fenótipos; trata-se do sistema A, B, O.

Na superfície dos glóbulos vermelhos, existem outras moléculas chamadas antígenos, responsáveis ​​pelas incompatibilidades nas transfusões e doações de órgãos. De acordo com a sua composição, é possível encontrar 4 grupos sanguíneos: A, B, AB e O, e todos eles podem ser positivos ou negativos.

Incompatibilidade de Rh dos grupos sanguíneos

A falta do fator Rhesus não é considerada uma doença e, portanto, não afeta a nossa saúde. Mas é recomendável que as mulheres com Rh- sejam testadas durante a gravidez para verificar o Rh do bebê e a presença de anticorpos. Assim, as precauções necessárias poderão ser tomadas em caso de incompatibilidade sanguínea.

A incompatibilidade sanguínea

Há outros casos em que a mãe pode ter gerado anticorpos anti-Rh positivo sem necessariamente engravidar: um aborto, uma gravidez ectópica ou uma transfusão incorreta podem ser algumas dessas causas.

O sangue do bebê e o da mãe raramente se misturam. Porém, durante o parto, há uma pequena chance de que isso aconteça. Uma vez que o fator Rh é hereditário, o grupo sanguíneo do bebê não precisa necessariamente corresponder ao nosso, ou seja, ele pode ser igual ao do pai.

Se esse for o caso e houver contato com os glóbulos vermelhos do bebê, algumas proteínas serão geradas, os anticorpos anti-Rh positivo, em resposta aos antígenos presentes no sangue. Essa circunstância pode causar problemas em uma segunda gravidez devido à incompatibilidade sanguínea com o nosso segundo filho.

Se eu engravidar novamente, haverá incompatibilidade sanguínea?

Conforme dissemos, caso haja uma mistura sanguínea, vamos gerar anticorpos anti-Rh positivo, mas esse fato não representa, de forma alguma, um problema para a nossa vida diária. Porém, devemos tomar algumas precauções durante a segunda gravidez, bem como durante as gestações subsequentes.

Durante a segunda gravidez, se o sangue do bebê for Rh positivo, os nossos anticorpos anti-Rh positivo vão atacar os seus glóbulos vermelhos caso atravessem a barreira placentária, pois vão identificá-los como uma ameaça.

Como consequência, os glóbulos vermelhos do bebê serão destruídos a uma taxa mais alta do que os que são repostos, causando, assim, uma anemia que pode ser fatal.

Incompatibilidade sanguínea

Conclusões e precauções

Se o nosso bebê for Rh negativo, assim como nós mesmas, não precisamos nos preocupar, pois esses fatos não aconteceriam. Caso contrário, o médico fará alguns testes e aplicará um fator de correção:

  • Exames de sangue no primeiro trimestre.
  • Se você ainda não começou a produzir anticorpos, será administrada a imunoglobulina Rh, que impede a formação de anticorpos.
  • Exame na 28ª semana e após o parto.
  • Uma última injeção de imunoglobulina após o parto.

No entanto, se os anticorpos já tiverem sido gerados, a imunoglobulina não será eficaz. Nesse caso, a única coisa que pode ser feita é manter um controle rigoroso da mãe e do filho e, quando chegar a hora, realizar uma transfusão através do cordão umbilical.

Há outros casos em que a mãe pode ter gerado anticorpos anti-Rh positivo sem necessariamente engravidar: um aborto, uma gravidez ectópica ou uma transfusão incorreta podem ser algumas dessas causas. De qualquer forma, se você suspeitar que este seja o seu caso, o melhor a fazer é avisar o seu médico e solicitar um teste pré-natal.

As estatísticas mais recentes da organização KidsHealth indicam que, desde que esse controle passou a ser realizado e a injeção de imunoglobulina passou a ser utilizada, os casos de aborto ou de transfusões de troca foram drasticamente reduzidos e atualmente quase não são praticados.

  • Fuentes, A, (octubre 2018). La incompatibilidad de Rh durante el embarazo [artículo en web]. Recuperado de: www.kidshealth.org
  • Mayo Clinic. (enero 2018). Análisis de sangre de factor Rh [artículo en web]. Recuperado de: www.mayoclinic.org
  • Sebastián, I. (noviembre 2017). Aprendamos un poco a cerca de los grupos sanguíneos [artículo en blog].Recuperado de: www.revistamedica.com