Infecções respiratórias em crianças. Conheça algumas!

31 de março de 2019
Existem muitos tipos de infecções respiratórias em crianças. Na verdade, também há muita facilidade de contágio, portanto tomar medidas preventivas será fundamental. 

Infecções respiratórias em crianças consistem em uma invasão de agentes patogênicos que causam doenças no trato respiratório, o qual é formado, em um nível mais elevado, por nariz, boca, faringe e laringe, e, no nível inferior, por traqueia, pulmão (brônquios, bronquíolos) e alvéolos pulmonares.

Algumas crianças têm peculiaridades imunológicas que as tornam mais propensas a contrair esses tipos de infecções respiratórias. Da mesma forma, há circunstâncias que contribuem, seja pelo ambiente em que se desenvolvem ou por atitudes familiares, para acentuar essas patologias.

Quais são os fatores de risco?

Existem condições de cuidado que promovem o desenvolvimento de infecções respiratórias em crianças. Estas podem andar de mãos dadas com o cuidado parental e a interação com os membros da família, tais como:

  • Amamentação inadequada: isto é, quando o bebê não é amamentado exclusivamente por leite materno ou o é por apenas alguns meses.
  • Desnutrição: uma dieta pobre para as crianças faz com que suas defesas fiquem baixas e a membrana dos pulmões seja reduzida, o que permite a entrada de microrganismos.
  • Poluição causada pela fumaça do cigarro: a exposição da criança à fumaça do cigarro afeta sua capacidade respiratória.
  • Condições do ambiente e superlotação: quando a criança dorme em um quarto com mais de três pessoas, a higiene e a segurança dela são colocadas em risco.

Sintomas de infecções respiratórias em crianças

Para conhecer mais sintomas específicos, leve em conta que o sistema respiratório é dividido em duas partes: a parte superior (nariz, boca e garganta) e a inferior (brônquios e pulmões).

Os sintomas que geralmente acompanham uma infecção respiratória são os seguintes.

  • Tosse
  • Dor de cabeça
  • Febre
  • Irritabilidade
  • Rouquidão
  • Dor ou secreção de ouvido
  • Nariz congestionado devido à secreção de muco
menina doente

Sintomas de infecção respiratória no sistema respiratório superior

  • Resfriado comum: é muito contagioso e afeta a maioria das crianças. É caracterizado por congestão nasal, espirros, dor de garganta, tosse seca e um pouco de febre.
  • Influenza: é semelhante a um resfriado, mas causa mais complicações. Há febre com calafrios, fadiga, fraqueza, possível dor de estômago e vômitos.
  • Crupe: doença que inflama a traqueia, a laringe e os bronquíolos. É reconhecida por causar uma tosse rouca ou afônica e respiração ruidosa em crianças.
  • Sinusite: infecção viral que causa inflamação e excesso de muco, o que, por sua vez, leva ao depósito de germes nos seios nasais das crianças.

Sintomas de infecção respiratória no sistema respiratório inferior

  • Vírus sincicial respiratório (VSR): afeta a maioria das crianças menores de 2 anos de idade. Tem sintomas semelhantes aos do resfriado comum, causa dificuldades respiratórias e, em casos graves, pode causar asma.
  • Bronquiolite: afeta crianças nos primeiros 2 anos de vida, especialmente entre 3 e 6 meses. Inflama as vias aéreas que transportam ar para os pulmões, o que dificulta a respiração.
  • Pneumonia: é uma infecção que afeta os pulmões das crianças. Estes geram fluidos que se acumulam no trato respiratório e dificultam a respiração.
  • Asma: causa inflamação das vias aéreas da criança, aumento da frequência cardíaca, dificuldade para respirar e falta de ar quando corre ou brinca.
  • Doenças por refluxo gastroesofágico (DRGE): quando o músculo que fecha a abertura entre o estômago e o esôfago das crianças não funciona corretamente, pedaços de comida e ácido gástrico passam do estômago para o esôfago causando irritação e ardor.
  • Alergias respiratórias: são ocasionadas por alérgenos que estão no ambiente da criança, o que provoca congestão nasal, olhos lacrimejantes, garganta apertada e espirros, entre outros.
  • Anafilaxia: alergia a picadas de insetos, látex, medicamentos ou alimentos.

Como prevenir infecções respiratórias em crianças

Algumas agências de saúde pública, como o Ministério da Saúde da Nação Argentina, destacaram medidas a serem tomadas para evitar que crianças e bebês contraiam uma infecção respiratória:

  • Ter hábitos de higiene ao lidar com recém-nascidos.
  • Se o bebê está abaixo do peso, leve a criança ao médico o mais rápido possível.
  • No caso de bebês, continue amamentando para fortalecer seu sistema imunológico por pelo menos até os 6 meses.
menino com falta de ar

  • Areje a sala, evite mudanças bruscas de temperatura e evite espaços fechados.
  • Mantenha a casa livre de fumaça e evite que as pessoas fumem nas proximidades.
  • Aumente as defesas do corpo com uma boa dieta.
  • Diga às crianças para lavar as mãos dos dois lados quando chegarem em casa e antes de cada refeição.
  • Evite que as crianças compartilhem suas coisas; brinquedos, utensílios (pratos, copos, talheres) e comida.
  • Agasalhe muito bem  durante temperaturas muito baixas.
  • Se a criança tiver algum sintoma, como tosse, febre, congestão nasal ou se tiver respiração acelerada, chiado no peito ou rouquidão, consulte imediatamente o médico.

Embora a criança perca o apetite por causa da infecção respiratória, é essencial que ela receba uma boa dieta.

Infecções respiratórias em crianças não podem ser evitadas, mas podemos reduzir o risco de sermos afetados por elas. Esses tipos de doenças podem ser tratados com medicamentos. No entanto, se não formos ao pediatra a tempo, complicações muito graves podem ocorrer.

  • Álvarez Castelló, M., Castro Almarales, R., Abdo Rodríguez, A., Orta Hernández, S. D., Gómez Martínez, M., & Álvarez Castelló, M. D. P. (2008). Infecciones respiratorias altas recurrentes: Algunas consideraciones. Revista cubana de medicina general integral, 24(1), 0-0. http://scielo.sld.cu/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0864-21252008000100011
  • Benguigui, Y., Antuñano, F. J. L., Schmunis, G., & Yunes, J. Y. (1997). Infecciones respiratorias en niños. OPS.
  • Cohen R, Just J, Koskas M. (2005). Infecciones respiratorias recidivantes en pediatría, cómo estudiarlas y tratarlas. Archivo de Pediatría. 2005;12(2):183-90.
  • Lozano, J., Yánez, L., Lapadula, M., Lafourcade, M., Burgos, F., Budnik, I., & Herrada, L. (2008). Infecciones respiratorias agudas bajas en niños: Estudio etiológico prospectivo. Revista chilena de enfermedades respiratorias, 24(2), 107-112. https://scielo.conicyt.cl/scielo.php?pid=S0717-73482008000200004&script=sci_arttext
  • Pérez Sánchez, M., Fundora Hernández, H., Notario Rodríguez, M., Rabaza Pérez, J., Hernández Sánchez, M. D. L. Á., & Rodríguez Bertheau, A. (2011). Factores de riesgo inmunoepidemiológicos en niños con infecciones respiratorias recurrentes. Revista cubana de pediatría, 83(3), 225-235. http://scielo.sld.cu/scielo.php?script=sci_arttext&pid=s0034-75312011000300002