“Mãe, eu te odeio”, a frase que pode desmoronar seu mundo

· 18 de janeiro de 2017

É inevitável na vida de qualquer mãe ou pai. Com os limites, também chega essa frase irritante e dolorosa que só pode desmoronar seu mundo e ferir de morte o seu coração: “Eu te odeio”, a resposta amarga a qualquer proibição ou chamado de atenção.

Mas é importante se perguntar antes de sofrer em vão: uma criança pode odiar por pouca coisa a seus pais? Apenas para lhe dar tranquilidade lhe contamos que ele não lhe odeia, o que acontece é que quando a criança cresce quer impor sua vontade, o que acaba gerando raiva quando recebe qualquer negativa.

Os pequenos expressam sua raiva quando há falta de aceitação de seus pensamentos e sentimentos por parte de seus pais, e ele apela para o doloroso “Eu te odeio”, “Eu não te amo” ou “Você é o ruim” para expressar frustração, o que nos atinge profundamente e nos gela o sangue.

Mas por que ele manifesta o seu descontentamento com um “Eu te odeio”?

De acordo com a sustentada área da psicologia, embora os pequenos normalmente expressem um furioso “Eu te odeio” realmente não entendem o verdadeiro significado desta expressão lamentável, mas muitas vezes usam quando se sentem frustrados, irritados ou com muita raiva contida.

É por isso que se você quer evitar uma repetição desta frase como um gesto de desgosto ou desaprovação vai ser realmente necessário avaliar as razões pelas quais seu filho usa uma expressão deste calibre. Só desta forma vai conseguir agir de maneira adequada erradicar essas palavras de seu vocabulário.

“Quando as crianças tem menos de sete anos expressam essas palavras só porque elas as aprenderam e porque as associam com frustração, mas não porque elas as estão sentindo”, diz o psicólogo Carlos Velasquez, que acrescenta que é simplesmente uma reação circunstancial.

a84ed9dfbd650e5d970d4d0602a19694-500x332

Agora, quando se trata de crianças que tem mais de oito anos e adolescentes, um “eu te odeio” tem alguma intenção de expressar sua rejeição de algo que tem vindo construindo há algum tempo, mas, como eles estão na idade da rebeldia, agora é mais fácil dizê-lo.

Então a idade que tenham seus filhos na hora de proferir essas palavras é fundamental. Porque se é uma criança acima dos 8 anos de idade você deve investigar o que acontece através de uma conversa com empatia e tranquilidade para que vocês  possam se entender e resolver as diferenças.

O que fazer e como reagir frente a essa situação?

Não responda de forma agressiva para evitar entrar em uma discussão desnecessária com seu filho. O confronto, nestes casos, não lhe levará a lugar nenhum.

● Analise o que aconteceu para conseguir identificar os sentimentos de seu filho e para ajudá-lo a reconhecê-los e expressá-los apropriadamente. Para isso, você pode observar se no momento de dizer “eu te odeio” ele se encontrava chorando, lançando algum objeto ou rolando no chão.

● Fale com ele com empatia quando tudo estiver mais calmo e você já tenha definida sua estratégia para fazer ele compreender o que ele acabou de dizer com tanta facilidade.

● Mostre-lhe o peso de suas próprias palavras e expresse sua dor para que ele possa entender que não está fazendo o correto e que ele lhe feriu. Isto não significa que tenha que fomentar a culpa no seu filho, mas se você se sente triste, tem que demonstrar sem perder a compostura.

● Mostre a diferença entre raiva e ódio, dialogue com ele para saber por que ele está tão chateado com seus pais e explique para ele que “odiar” envolve não amar uma pessoa, o que não é bom, nem mesmo para chamar a atenção e gerar a reação de um adulto, ser chato não significa ser cruel. O fundamental seria que você pudesse ajudá-lo a reconhecer seus próprios sentimentos promovendo a inteligência emocional de seu filho.

● É tempo de compreender, ouvir, aceitar e considerar os sentimentos de seu filho, sempre respeitando suas emoções. Explique com tranquilidade suas decisões e por que você age desse modo. Não aceitar os sentimentos dele, rir do que ele pensa, criticar a sua maneira de ver as coisas e não respeitar suas decisões geralmente leva a mais “eu te odeio” e outras atitudes de rejeição por parte do seu filho.

1e2647930672dcead54845e7d0768303-500x281

As possíveis causas desse “ódio”

Ele disse “eu te odeio”? Esta confissão pode resultar de várias circunstâncias, principalmente de um somatório de raiva, frustrações e conflitos que geraram no adolescente alguns sentimentos de rejeição que serão expressados verbalmente em qualquer momento de fúria.

Geralmente as crianças que fazem tais declarações tem pais muito autoritários e repressivos que não aceitam nenhuma negociação só suas ordens e imposições, então os pequenos acumulam sentimentos obscuros que vêm a luz quando eles desenvolvem a capacidade de julgamento e crítica.

Pode pressupor-se que o ressentimento que motiva esse” ódio ” não se gera de um momento para outro no caso de crianças maiores que tem plena consciência de suas palavras. No entanto, o mais  saudável e que possam expressá-lo  para ter um aviso de que algo não está certo.

Por isso, se já passou por isso alguma vez ou se seu filho crava um punhal no seu coração não se culpe, não pense que você é uma mãe ruim, muito menos se prenda em seus pensamentos. Ouça a criança, conheça o que ela sente e por que ela age dessa maneira, não o julgue e nem continue alimentando sua raiva.