Mães e filhas: um laço único, especial

Mães e filhas: um vínculo único, no qual a confiança é o principal ingrediente para fortalecê-lo.
Mães e filhas: um laço único, especial

Última atualização: 10 Dezembro, 2018

Não existe uma relação tão especial e complexa quanto a de mães e filhas. Poderíamos dizer que é um vínculo marcado por altos e baixos emocionais e, mesmo assim, o afeto está longe de diminuir: pelo contrário, cresce cada vez mais.

A verdade é que as mães e as filhas estão unidas por laços de cumplicidade e força. É um relacionamento muito mais além dos confrontos e das brigas que podem acontecer ao longo de suas vidas, é um amor muito mais forte.

Essas duas gerações são unidas pela compreensão e empatia.

Mães e filhas, um relacionamento indefinível

O vínculo entre mães e filhas é, sem dúvidas, indefinível. É um vínculo sem limitações que se encontra quase sempre nos extremos. Certamente, embora seja um dos laços mais maravilhosos, nem tudo é cor-de-rosa.

É como diz o ditado: os opostos se atraem, muito mais do que os iguais. Essa semelhança (ou não) pode ser física ou emocional.

Seja como for, ela está sempre presente, para o bem e para não tão bem assim. Além disso, essas características têm uma tendência a mudar e, portanto, evoluir.

Sim, esse vínculo está em constante transformação. Tem altos e baixos. Varia, gira, dá cambalhotas e volta outra vez como era antes. Mas sempre há um fator comum: tanto a mãe quanto a sua pequena bebê voltam, quantas vezes forem necessárias. Tudo isso acontece por causa do amor imenso e incondicional que as une.

A cumplicidade, o companheirismo particular de confidentes e quase amigas, e a compreensão apenas com um olhar são coisas que revelam o relacionamento entre mãe e filha.

Interpretar caretas e sorrisos, saber ler os olhos e seus brilhos, decodificar gestos, movimentos e atitudes, empatizar sem medida, compartilhar, viver, construir e desmoronar. Às vezes, também é preciso dar uma arrumada na bagunça.

A verdade é que ninguém te ama mais e te compreende melhor no mundo do que a sua própria mãe.

Um amor indomável

mães e filhas

Indomável, infinito, inigualável. Um amor que é realmente difícil de rotular e não entende nem permite análises. Funciona como um “tudo ou nada”, onde o “nada” não existe.

Entre mães e filhas, é muito comum que passem do amor mais perfeito para o ódio mais visceral em questão de segundos.

Essa situação é tão comum que pode ser vista em filmes de animação ou em demais gêneros cinematográficos. Como esquecer do relacionamento tão bem retratado no filme da Pixar “Valente”, entre a rainha e sua filha Mérida.

Quando não entendemos completamente a nossa mãe, podemos vê-la como nossa inimiga. Ao mesmo tempo, podemos ser sua admiradora e fã número um.

Entre as mães e as filhas, o importante é o reconhecimento e a apreciação de todas as coisas, desde os menores acontecimentos até os grandes.

Muitas vezes, não entendemos que algo pode ser simplesmente a expressão máxima do amor, mesmo quando não gostamos.

Uma verdadeira montanha-russa emocional, mães e filhas não são mais nem menos do que pura dinamite quando estão juntas.

Parece realmente impossível, mas é assim que acontece. Passar de um dia ensolarado para as maiores tempestades em um piscar de olhos. E, mesmo na pior tormenta, é possível voltar mais tarde para ver o mais belo de todos os arco-íris do mundo.

Empatia feminina: um bem necessário

O vínculo entre mães e filhas pode ser complexo, é realmente bonito e não há palavras suficientes para defini-lo. Não pode ser visto ou explicado, é apenas sentido, experimentado e vivido intensamente.

Basta compartilhar os mesmos códigos. E, na nossa vez como mães, poderemos entender os seus motivos e as mudanças de paradigmas que são tão diferentes em diferentes gerações.

É por isso que é tão importante incentivar a empatia feminina tanto em nós mesmas quanto em nossas filhas. É um tesouro em nosso relacionamento, um bem mais do que necessário e vital em nossa vida cotidiana compartilhada.

Ser mãe de uma menina é ganhar uma cúmplice, uma amiga e uma companheira para toda a vida.

Por outro lado, como filhas, devemos entender que as nossas mães são humanas, de carne e osso. É por isso que, mais além da sua força, elas também são frágeis e perfeitamente imperfeitas.

Não podemos julgá-las porque elas provavelmente carregam uma infância muito mais difícil e complexa em suas costas. Dessa forma, não devemos idealizar, desacreditar ou minimizar.

mães e filhas

Portanto, o importante é tentar entender tanto o tempo presente quanto o passado para viver essa união mágica da melhor maneira. É imprescindível colocar-se no lugar do outro e, acima de tudo, perdoar os erros e até as feridas emocionais.

Mães e filhas: um amor sem limites ou condições

A relação entre mães e filhas é um amor profundo, sem limites ou condições. É sobre aceitar e respeitar.

Viver a vida como bem entender, mas também deixar viver como quiser. Amar-se, aceitar-se, valorizar-se e respeitar-se como são. Afinal, o que as une não é pouco.

A relação entre mãe e filha pode ser linda e maravilhosa. Desfrute cada segundo desta magia em que há muito em comum e ainda mais para compartilhar.

Embora seja uma das relações mais intensas, profundas e complexas, vale a pena o sofrimento, a alegria e o riso. Até mesmo os segredos entre as duas. Por mais momentos sagrados, de cumplicidade, força, e saúde!

Pode interessar a você...
Como agem os pais tóxicos?
Sou Mamãe
Leia em Sou Mamãe
Como agem os pais tóxicos?

Apesar do comportamento dos pais tóxicos ser evidente, nem sempre são identificados pelos seus filhos. De fato, isso é muito difícil de acontecer.



  • Bowlby, J. (1986). Vínculos afectivos: formación, desarrollo y pérdida. Madrid: Morata.
  • Bowlby, J. (1995). Teoría del apego. Lebovici, Weil-HalpernF.
  • Garrido-Rojas, L. (2006). Apego, emoción y regulación emocional. Implicaciones para la salud. Revista latinoamericana de psicología, 38(3), 493-507. https://www.redalyc.org/pdf/805/80538304.pdf
  • Marrone, M., Diamond, N., Juri, L., & Bleichmar, H. (2001). La teoría del apego: un enfoque actual. Madrid: Psimática.
  • Moneta, M. (2003). El Apego. Aspectos clínicos y psicobiológicos de la díada madre-hijo. Santiago: Cuatro Vientos.