O que é a mentalização?

A mentalização é a chave para o desenvolvimento social das crianças. A seguir, descubra em que consiste essa habilidade mental!
O que é a mentalização?

Última atualização: 06 Dezembro, 2020

Você já se perguntou como alguns seres humanos podem chegar a “ler” a mente dos outros? Essa capacidade é chamada de mentalização e envolve o desenvolvimento da inteligência interpessoal e intrapessoal.

Você quer saber quais são as características da mentalização, para que ela serve e quando é adquirida? Preste atenção ao que vamos dizer abaixo, pois vamos responder a essas perguntas.

Antes de continuar, você deve saber que os bebês não nascem com a habilidade de colocar em prática essa capacidade mental, pois ela se desenvolve gradualmente através da experiência e das relações que as crianças estabelecem com outras pessoas.

A mentalização

O que é a mentalização?

A mentalização, também conhecida como função reflexiva, é uma capacidade mental que permite imaginar e compreender seus próprios estados mentais e os de outras pessoas, a fim de perceber e interpretar os comportamentos e as ações que você e os outros realizam. Ou seja, consiste em atribuir determinados pensamentos, sentimentos, desejos, crenças, necessidades, motivações, etc., que explicariam os comportamentos próprios e alheios.

Essa capacidade cognitiva complexa é fundamental para estabelecer relações sociais e afetivas satisfatórias, baseadas em ajuda mútua, comunicação, empatia, assertividade e escuta ativa.

“A capacidade de se colocar no lugar do outro é uma das funções mais importantes da inteligência. Demonstra o grau de maturidade do ser humano”.

-Augusto Cury-

Qual é a função dessa capacidade mental?

Segundo os psicólogos e psicanalistas Angelina Graell Amat e Gustavo Lanza Castelli, algumas das funções mais relevantes relacionadas à mentalização são as seguintes:

  • Permite entender e prever mais facilmente os comportamentos próprios e dos demais.
  • Favorece o autocontrole comportamental, sendo capaz de antecipar como certas atitudes próprias podem ter impacto sobre outros.
  • Favorece o autocontrole emocional, que ajuda a identificar e expressar seus próprios desejos, pensamentos e sentimentos de acordo com a situação, assim como regular os mesmos.
  • Promove a apego seguro entre pais e filhos.
  • Melhora a comunicação entre as pessoas, pois para manter uma conversa fluida, é necessário considerar o estado mental do interlocutor.
  • Permite compreender nossos próprios pensamentos como simples representações mentais, como algo diferente ou separado da realidade.

O desenvolvimento da mentalização na infância

Segundo o psicanalista Peter Fonagy, um dos criadores do termo mentalização, essa capacidade cognitiva começa a aparecer de forma muito primitiva a partir dos seis meses de vida e, pouco a pouco, vai se aperfeiçoando e se tornando cada vez mais complexa.

Aos três anos de idade, as crianças começam a mostrar certas reações empáticas. Ao longo dessa idade elas adquirem a capacidade de identificar determinadas emoções básicas nos outros e entender que são diferentes daquelas que elas mesmas sentem.

Entretanto, somente após os quatro ou cinco anos que as crianças serão capazes de atribuir e representar estados mentais em si mesmas e em outros. Portanto, considera-se que, nessa época, as crianças entram na fase do simbolismo.

A mentalização

Qual papel os pais desempenham no desenvolvimento desta capacidade?

Deve-se notar que, para que o desenvolvimento da mentalização siga seu curso normalmente, é necessário que mães, pais ou as principais figuras de referência das crianças fomentem sua inteligência emocional desde os primeiros anos de vida. Como? Muito simples! Desde o momento do nascimento, eles devem agir com empatia e mostrar a elas que podem compreender e reagir às suas necessidades e desejos.

Quando as crianças são mais velhas, é conveniente começar a falar sobre os pensamentos e sentimentos que elas têm, é útil colocar nomes e rotular cada um deles. Dessa forma, as crianças aprendem a refletir sobre seus próprios sentimentos e, mais tarde, elas também adquirem naturalmente a capacidade de reconhecer e interpretar os estados mentais dos outros.

Portanto, a educação no lar e a forma de se relacionar com as crianças são o segredo para o desenvolvimento correto da mentalização.

Pode interessar a você...
O jogo imitativo promove a empatia e a socialização
Sou Mamãe
Leia em Sou Mamãe
O jogo imitativo promove a empatia e a socialização

A função socializadora do jogo imitativo começa muito cedo na vida do bebê: quando ele balbucia um som e a mãe o repete, por exemplo. Saiba mais!