Métodos para selecionar o sexo do bebê

5 de agosto de 2018

Nenhuma de nós escapa da ilusão de imaginar o sexo do bebê. Nós fechamos nossos olhos e imaginamos brincar com bonecas com uma menina ou um  rapazinho acompanhando nosso marido para jogar futebol. Cada uma tem uma motivação diferente para preferir ter um menino ou uma menina, embora quando ouvimos a pergunta sempre respondemos: “Eu só quero que tenha boa saúde”.

Haverá aquelas que já têm uma filha e desejam conceber um menino por conta do “equilíbrio familiar”. Enquanto outras, que ainda não são mães vão desejar que o primeiro filho seja um menino e que, em seguida, possa cuidar de sua irmãzinha.

A verdade é que as consultas de medicina reprodutiva são cada dia mais numerosas. Casais e famílias inteiras dirigem-se à ciência para ajudar a moldar o destino e intervir no que até recentemente estava apenas nas mãos da natureza.

Se você ficou curiosa sobre isso e quiser investigar quais são os métodos que estão sendo aplicados para determinar o sexo dos bebês, essas informações serão valiosas para você.

Procedimentos de alta tecnologia para selecionar o sexo do bebê

definir o sexo do bebê

A primeira coisa que deve saber é que o seu médico vai fazer você passar por vários testes para determinar se é fértil, já que as opções mais sofisticadas para selecionar o sexo de seu bebê têm como base procedimentos de fertilidade.

  • A fertilização in vitro. Como o próprio nome indica, é a fecundação extrauterina em vidro. O óvulo e o espermatozoide são fertilizados em uma placa de Petri. Uma vez que a eficácia do processo está assegurada os ovos fertilizados se tornam embriões, os quais o seu médico irá inserir no colo do seu útero, via vaginal, com a ajuda de um cateter.
  • Inseminação artificial. Este procedimento é menos invasivo do que a fertilização in vitro. Embora existam várias técnicas, a mais utilizada é a inseminação intrauterina, que envolve a colheita de uma amostra de esperma que são introduzidas também através de um cateter no cérvix ou colo do útero.

Ambos os métodos requerem tratamentos de fertilidade, tais como a estimulação ovariana para aumentar a eficácia.

  • Diagnóstico genético pré-implantatório. É uma avaliação dos embriões utilizados por recomendação médica, e geralmente é aplicado quando os pais temem que o bebê possa apresentar alguma patologia genética. Há afecções que estão relacionadas ao sexo, por isso esse teste serve para separar os embriões de acordo com os cromossomos XX ou XY.
  • Rastreio genético pré-implantacional. Pode ser aplicado por recomendação médica ou somente por equilíbrio familiar; este consiste em detectar uma anormalidade no número de cromossomos, tais como a síndrome de Down. Ao focar-se nos cromossomos você pode escolher o sexo dos bebês. A sua eficácia é de 100% como o diagnóstico genético de pré-implantação.
  • Método Ericsson. É um componente da inseminação artificial. Neste caso os espermatozoides são introduzidos num tubo de ensaio com uma substância viscosa e são separados de acordo com a sua velocidade (os masculinos nadam mais rápido do que os femininos), logo se introduz a série desejada diretamente no útero. A sua eficácia depende do sexo que você preferir. Para conceber os homens é garantido entre 78% e 85%, e se forem meninas a eficácia pode ser entre 73% e 75%.

Técnicas caseiras para selecionar o sexo do bebê

Técnicas caseiras para selecionar o sexo do bebê

  • Método da tabela chinês para definir o sexo do bebê. Tem base em cálculos de uma tabela antiga chinesa que leva em conta a idade da mãe e o mês em que o bebê é concebido. Então se você quiser uma menina terá que procurar ficar grávida nos meses indicados.
  • Método Baretta. Este método foi desenhado pela bioquímica Adriana Baretta que estabeleceu que a dieta pode influenciar nos cromossomos. A especialista parte de duas variáveis que podem definir o sexo: sódio-potássio e cálcio e magnésio. A dieta deve ser seguida durante três meses e, de acordo com estudos, tem uma eficiência de 98%, sempre que seja combinado com o cálculo da ovulação.

A especialista indica que a alta ingestão de legumes, nozes, peixe e frutas ajudam a conceber garotos enquanto o leite, a aveia e acelga permitem ter meninas.

  • Método Shettles. Está associado com a ovulação e o dia que tiver relações sexuais, tendo em conta as diferenças entre o esperma: os masculinos são mais rápidos, mas os mais fracos; os femininos levam mais tempo em chegar ao encontro com o ovo, mas são muito mais resistentes.

De acordo com esta técnica, se você quiser ter uma menina deve ter relações sexuais dois dias antes da ovulação, mas se quiser uma criança do sexo masculino, tem que calcular o tempo específico da ovulação para ter relações sexuais com seu parceiro.

As técnicas caseiras estão associadas com o ciclo de ovulação, por isso é imperativo aprender qual é o seu tempo ideal. Existem calculadoras on-line disponíveis  para ajudá-la com este processo.

Você deve se lembrar que naturalmente tem 50% de chance de conceber um menino ou uma menina. E se o método que usou não for bem sucedido, o melhor é se concentrar no fato de que uma criança, sem importar o sexo, é uma bênção e uma oportunidade para aprender a ser uma pessoa melhor.