Meu filho não quer ir para a aula, o que eu faço?

31 de janeiro de 2019
Veja o que você pode fazer se seu filho não quer ir para a aula, preste atenção.

Para alguns pais, pode ser uma luta ter que levar seus filhos para a escola. Não porque precisam acordar cedo ou cumprir horário, mas porque a criança muitas vezes não quer ir para a aula ou faz birra.

Essa situação faz com que muitos pais se encontrem em um mar de dúvidas sobre o que fazer se o filho não quer ir para a aula, sempre buscando a melhor maneira de agir sem afetar o pequeno ou a pequena.

O que fazer se seu filho não quer ir para a aula

1. Investigue e comunique

criança entediada na escola

Se seu filho não quer ir para a aula, isso pode ser normal em algumas situações. Por exemplo, se ele pode estar em processo de adaptação a escola, está começando um novo ano letivo ou voltando à rotina após as férias.

No entanto, se observarmos que esse processo continua, apesar da passagem dos dias, esse comportamento deixa de responder a um processo de simples adaptação. 

A partir desse momento, é necessário investigar o que pode estar acontecendo para que nosso filho não queira ir às aulas.

Analise as mudanças que podem ter surgido. Se ele brigou com um colega de classe, se não gosta de nenhum de seus professores, etc.

2. Comunique-se com seu filho

É importante que, como pais, levemos em conta quando essa situação começou a surgir.

Pense que, se a criança normalmente frequentava as aulas e tudo parecia ir muito bem, mas um dia se transformou em tortura, isso é algo para se estranhar. Deve haver alguma razão para isso estar acontecendo.

A melhor maneira de agir nesses casos é conversar de maneira calma, para que seu filho se sinta confortável em comunicar o que sente. Faça-o ver que você não vai repreendê-lo, mas que você o entende e que vai apoiá-lo em qualquer circunstância.

3. Fale com o professor

Além de conversar com seu filho, você deve entrar em contato com o professor o mais rápido possível, ou com o psicólogo da escola. Isso porque eles devem estar cientes de todas as coisas que estão acontecendo com as crianças naquele local.

Além disso, nunca ignore a recusa do seu filho em ir para outro lugar. As crianças geralmente adoram encontrar seus amigos fora da escola. Então, se não quiserem sair, isso pode ser um fator a ser considerado.

4. Converse com outras mães e pais

Se seu filho não quer ir para a aula, uma boa opção para elucidar o problema pode ser conversar com outras mães e pais.

Dessa forma, você saberá se é apenas o seu filho que tem problemas para assistir às aulas ou se há outras crianças que também não se sentem confortáveis ​​nesse local. Além disso, talvez outras crianças tenham contado aos pais alguma coisa sobre seu filho.

5. Ele dorme bem?

Além disso, se você acha que a razão pela qual seu filho não quer frequentar as aulas é porque ele não gosta de acordar cedo todos os dias, então é hora de começar a supervisionar o horário em que ele vai dormir todas as noites.

Talvez, apesar de ter dormido cedo, ele não consiga descansar o suficiente para recuperar toda a energia necessária.

menina acorda cedo para ir a escola

Talvez o quarto não tenha os requisitos para ser um lugar de descanso, como no caso em que a desordem e as cores fortes predominem ou receba muita luz.

Outra razão pela qual as crianças não são capazes de relaxar durante a noite é o fato de poderem apresentar dificuldade para respirar, algo muito comum.

Claro, se seu filho tem um problema psicológico ou está preocupado, seu sono poderá ser gravemente afetado.

6. Analise seu comportamento em outros contextos

Não se esqueça de observar o comportamento do seu filho em outros ambientes. Por exemplo, se ele não se sente confortável quando seus pais não estão no mesmo lugar que ele.

Se assim for, ele pode ter problemas de insegurança e independência e, dependendo da idade, terá que trabalhar isso de uma maneira ou de outra.

Além disso, uma maneira de saber se isso ocorre é observá-lo em algum lugar que ele goste, como em uma festa de aniversário ou com os avós.

Entretanto, a melhor atitude para esses casos é procurar ajuda profissional e trabalhar para melhorar a comunicação com a criança. Ela deve saber que você está aqui para ouvi-la e oferecer seu apoio em qualquer circunstância.

A segurança é uma das coisas mais importantes que um pai pode proporcionar aos filhos. Portanto, não deixe de exercitá-la. Observe o que pode estar acontecendo com o seu filho e, não se esqueça, comunique-se com ele sempre ao longo de sua vida.

  • Carneiro, Diana; Figueiredo, A. (Unidade D. S. F. H. – U. L. D. S. D. M. (2012). «Recuso-me a ir para aquela escola» – Um caso clínico de. Rev Port Med Geral Fam.
  • Martínez-Otero Pérez, V. (2001). Convivencia escolar problemas y soluciones. Revista complutense de Educación.