Meu filho, uma fonte inesgotável de amor

23 Outubro, 2018
Eu guardo e guardarei para sempre em meu coração todos os momentos que compartilhei com ele desde que fiquei sabendo de sua existência.

O amor é vida, felicidade e alegria. O amor é calor e pureza. E justamente o meu filho é tudo isso e muito mais.

O verdadeiro amor não tem vergonha de mostrar sua sensibilidade. É profundo, sincero, sensível e puro. É incondicional, eterno e infinito. Não tem limites, não conhece barreiras ou condições.

Por isso meu filho é amor, o sentimento mais bonito que já pude sentir por alguém.

Felizmente, o amor do meu filho é recíproco. Ninguém nunca me deu tanta luz. Para ninguém me tornei uma figura tão importante.

Nunca alguém foi capaz de deixar tantas marcas no tempo e tatuar a minha alma como ele.

A vida dele marcou a minha para sempre e derramou no meu coração as mais belas sensações e os mais profundos sentimentos.

Ele preencheu a minha memória com as mais gratificantes histórias de crianças. Além de tudo, ele me deu um título mais importante da minha vida: mãe.

Esse pequeno e brilhante sol chegou em minha vida para me ensinar muito todos os dias. Foi a melhor aventura que eu poderia ter vivido, ao lado de alguém.

Ele é o protagonista de uma história sem fim. Meu motor para avançar dia a dia. O apoio que me sustenta diante de cada cambaleada e tropeços.

Por isso e por muito mais, eu agradeço a vida por tê-lo colocado em meu caminho.

Meu filho, meu mundo e amor puro

o amor

Meu filho é o meu mundo, o meu sorriso e o meu alicerce. Invade com alegria a minha tristeza e conquista meu coração.

Nutre a minha alma com sua inocência e frescor. Purifica o meu ser com cada uma de suas palhaçadas tão suas que me fazem enlouquecer.

Meu filho é essa louca razão de viver. Minha estrela, o Deus da minha própria religião.

Com ele aprendi o verdadeiro significado da vida, o modo que devemos percorrer o caminho por esse mundo. É o imenso valor das coisas mais simples de cada dia.

Ele me mostrou a força do amor, o calor dos abraços, o poder dos sorrisos. O valor dos beijos sentidos e esperados. O ensurdecedor que se esconde por trás de seu olhar silencioso.

O tsunami emocional que mobiliza a cada “eu te amo” correspondido para sempre. O carinho infinito que pode ser passado com apenas um beijo.

Não posso me sentir mais abençoada por tê-lo como filho. Sou orgulhosa de cuidar e proteger meu pequeno.

Porque é ele quem dá cor aos meus dias cinzentos, quem preenche de música com a sua doce voz todas as manhãs e enche a noite de paz só com sua existência.

Meu filho é tudo

o amor

Meu filho é tudo. Eu nunca teria pensado que isso poderia acontecer. Eu nunca pensei que poderia amar assim, com essa força e intensidade.

Meu filho se tornou a essência da minha vida, o combustível que me empurra a seguir em frente.

Não importa quantos obstáculos eu encontre ou as bofetadas do destino. A única coisa que realmente importa é o fato de crescer e poder avançar juntos. Vencer lado a lado. Aprender com os erros e quedas.

Sorrir ao sentirmos vencedores, ao sair com a cabeça erguida com a integridade sempre intacta.

O segredo de tudo é levar o seu sorriso e olhar como uma bandeira. É tudo o que é bom, essa pouca luz que ilumina cada um dos meus passos.

Por isso, eu sempre peço um favor a esse anjo que Deus enviou à Terra, em minha vida diária.

Peço à essa pequena vida para guiar o meu caminho como só ele soube fazer desde o momento em que começou a existir.

Obrigada, filho, por ser o meu mundo, meu tudo. Prometo sempre dar o melhor de mim para poder garantir que você seja feliz acima de tudo.

  • Bowlby, J. (1986). Vínculos afectivos: formación, desarrollo y pérdida. Madrid: Morata.
  • Bowlby, J. (1995). Teoría del apego. Lebovici, Weil-HalpernF.
  • Garrido-Rojas, L. (2006). Apego, emoción y regulación emocional. Implicaciones para la salud. Revista latinoamericana de psicología, 38(3), 493-507. https://www.redalyc.org/pdf/805/80538304.pdf
  • Marrone, M., Diamond, N., Juri, L., & Bleichmar, H. (2001). La teoría del apego: un enfoque actual. Madrid: Psimática.
  • Moneta, M. (2003). El Apego. Aspectos clínicos y psicobiológicos de la díada madre-hijo. Santiago: Cuatro Vientos.