Minha filha ainda é pequena para ter um namorado

22 Agosto, 2018
Em um piscar de olhos, nossos filhos já cresceram e começaram a ter outras preocupações. E se sua filha lhe diz que tem ou quer ter um namorado?
 

Alguma vez já ouvimos a frase “Criança pequena, problema pequeno. Criança grande, problema grande”. Isso não deixa de ser verdade quando o tempo passa tão rápido.

É normal ouvirmos na adolescência “Mamãe, papai, na escola há um menino que eu gosto muito e ele quer ser meu namorado”. Desde então, sentimos que o mundo conspira contra nós e não sabemos como agir.

Em tais situações, muitas vezes não sabemos sequer o que responder. Mas esses novos sentimentos que nossos filhos começam a experimentar nos incomodam e nos preocupam, embora sejam completamente naturais.

Como pais, temos uma tarefa importante: ensinar às nossas filhas desde cedo que é normal em determinado momento sentir atração por meninos e que isso faz parte do crescimento.

Adolescência feminina

Quando as meninas chegam na fase da adolescência, começam a passar por mudanças importantes e notáveis, como:

  • Etapas de rebeldia. Geralmente, elas tendem a ser mais vulneráveis ​​com seus sentimentos e pensamentos. Ainda mais quando não têm uma boa comunicação em casa com a mãe e o pai.
  • Desenvolvimento menstrual. Com este processo ocorrem mudanças significativas no corpo da menina: aumento das mamas, pelos pubianos, aparecimento de acne, alterações de humor, etc.
  • Relacionamento com as pessoas ao seu redor. Na etapa da adolescência, ocorre a seleção das amizades de acordo com as atividades e os gostos em comum.

Essas mudanças ocorrem em todas as meninas e nenhuma será a exceção. O que pode acontecer é que algumas se desenvolvam mais cedo do que outras.

 

É ou não é o primeiro namorado?

um namorado

Em muitas ocasiões, temos que aprender a medir o termo namorado, já que em alguns casos é geralmente bastante inofensivo.

Talvez sua filha só queira dar essa conotação a um amigo especial e não há nada com o que se preocupar. Independentemente disso, a comunicação será fundamental para termos certeza de que é completamente inofensivo.

Nós, mães, ficamos preocupadas com as intenções dos adolescentes, pois podem se tornar uma dor de cabeça. Basta imaginar outros cenários para temermos imediatamente pela integridade de nossas filhas.

Comunicação e zero paradigmas sociais são elementos fundamentais para conversar sobre o assunto dos namorados com nossas filhas

Comunicação: o segredo para o sucesso

um namorado

Pode acontecer que a qualquer momento nossa filha nos diga “Eu tenho um namorado” ou “Eu posso ter um namorado?”. É nesse momento em que nos perguntamos o que realmente podemos fazer.

 

A comunicação e a confiança entre pais e filhas certamente vai evitar qualquer situação indesejada ou desconfortável. Conversar sobre sexualidade, responsabilidade, consciência e respeito muitas vezes farão com que as meninas entendam o que exatamente tememos.

A situação pode nos desagradar. Mas devemos abordá-la com inteligência.

Veja a seguir algumas recomendações:

  • Estabelecer imediatamente uma conversa, sem o uso de tons de reclamação ou descontentamento. É natural que a notícia não nos agrade. Mas devemos buscar proximidade e não distância. Quanto mais nos opusermos, maior será a revolta.
  • Demonstrar que estamos interessados ​​no assunto. Podemos perguntar sobre seus sentimentos ou sobre quem é a pessoa, por exemplo. Assim, seremos capazes de dar conselhos certos para que a conversa flua e que a confiança aumente.
  • Conversar abertamente sobre tudo o que se deve saber em relação a começar um relacionamento de namoro em uma idade jovem. Devemos ser claros sobre a questão da sexualidade: as consequências de uma gravidez indesejada, as doenças sexualmente transmissíveis, etc. É importante dar uma ênfase sutil sobre a importância de viver as belas experiências da adolescência, fazendo nossa filha entender que é provavelmente muito cedo para se envolver em um relacionamento.
  • Se for o caso de um relacionamento de namoro: é importante conversar e chegar a acordos nos quais se determinem regras e condições simples. Sua filha deve se sentir livre em meio as regras, evitando que se sinta presa dentro de sua própria casa. É importante compreender que somente a confiança e o respeito poderão facilitar para que a relação seja harmoniosa com o ambiente em geral.
 

Aos nossos olhos, nossas filhas sempre serão muito pequenas para ter um namorado. Nós sempre vamos enxergá-las como uma princesa intocável. No entanto, apenas aceitando todas as etapas de seu crescimento que poderemos evitar problemas de comportamento e as consequências posteriores.