Mudanças anatômicas e fisiológicas durante o trabalho de parto

Seu corpo muda em sintonia com o resto dos aspectos de sua vida. Confira nossas informações e se prepare para receber seu filho de braços abertos.
Mudanças anatômicas e fisiológicas durante o trabalho de parto

Última atualização: 29 dezembro, 2021

O parto é a fase final da gestação, na qual a mulher dá à luz seu bebê e expulsa a placenta do útero. Independentemente da rota pela qual o feto deixa o corpo materno, durante o nascimento o organismo feminino passa por mudanças anatômicas e fisiológicas muito importantes.

Assim como no início da gravidez ocorreram modificações para acomodar uma nova vida, é nesse momento que se inicia a fase de retorno ao estado anterior. Mas nem todas as estruturas vão voltar ao estado original, pois muitas delas serão ativadas para garantir o cuidado do novo bebê.

A seguir, contaremos como o corpo se prepara nos momentos que antecedem a chegada do futuro bebê.

As fases do parto

O nascimento do bebê é apenas uma das fases do trabalho de parto. Na verdade, para que isso ocorra, é necessário que o organismo materno se prepare com antecedência. Fatores maternos, fetais e hormonais participam desse processo.

Da combinação dos sinais emitidos por esses três protagonistas, resultará o início do trabalho de parto.

As fases do parto envolvem todo o conjunto de mudanças anatômicas e fisiológicas do corpo da mulher no final da gestação. Ou seja, vai além das conhecidas etapas do parto (dilatação, expulsão e nascimento). Para Cunningham et al. (2019), essas fases são as seguintes:

  1. Prelúdio do parto (ou fase de inatividade): compreende grande parte da gravidez e se caracteriza pela remodelação do colo do útero (sem dilatação).
  2. Preparação para o trabalho de parto (ou ativação uterina): começa nas semanas anteriores ao nascimento e inclui a maturação do colo do útero e algumas alterações nos músculos do útero.
  3. Processo do trabalho de parto (ou fase de estimulação uterina): é a fase de contrações uterinas dolorosas, que são acompanhadas por processos cardinais do parto (dilatação, expulsão e nascimento).
  4. Recuperação do parto (ou involução): começa após o nascimento e envolve os processos de involução uterina, reparo do pescoço e início da lactação.
Mulher em trabalho de parto

Você pode gostar de ler: Mudanças no corpo após a gravidez

Mudanças anatômicas e fisiológicas no corpo da mãe durante o parto

Como antecipamos, as mudanças no organismo materno seguem uma sequência definida para se adaptar às necessidades do novo bebê. À medida que amadurece, o trato genital feminino se adapta para dar à luz e se recuperar para a próxima gravidez.

A seguir, descreveremos as modificações anatômicas e fisiológicas das principais estruturas envolvidas no nascimento da criança.

Útero e placenta

É a cavidade que abriga o bebê para garantir sua nutrição, crescimento e desenvolvimento até a fase fetal madura, por volta da 40ª semana de gestação.

Durante os 9 meses ocorrem alterações em todas as estruturas: o endométrio (camada uterina em contato com as estruturas fetais), o miômetro (camada muscular) e o colo do útero, entre outras.

Perto do final da gravidez, ocorrem as seguintes mudanças:

  • Amadurecimento cervical: o pescoço amolece e encurta.
  • Formação do segmento uterino inferior: essa região é formada dentro da cavidade uterina e é preparada para abrigar a cabeça do bebê. Dessa forma, permite que o feto se encaixe na pelve materna.
  • Aumento da sensibilidade do miométrio a estímulos hormonais durante o trabalho de parto (principalmente oxitocina) e aumento da capacidade de contração.

Quando a fase 3 (ou processo de trabalho de parto) começa, têm início as contrações uterinas necessárias para expulsar o bebê. Geralmente são intensas, regulares e involuntárias.

Portanto, a contração rítmica do miométrio causa as seguintes alterações:

  • Eliminação e dilatação cervical (até 10 centímetros de diâmetro).
  • Perda do tampão mucoso.
  • Formação da bolsa de água.
  • Endireitamento da coluna vertebral do feto e descida pelo canal de parto.
  • Alterações no assoalho pélvico para favorecer o parto do bebê.

Assim que o bebê sai do útero, esse órgão começa a encolher até chegar ao nível do umbigo (fase de involução). Isso ocorre graças à contração do miométrio, mas em níveis quase imperceptíveis pela mãe. Esse mecanismo visa comprimir os vasos sanguíneos para prevenir sangramentos.

Por sua vez, a placenta se dobra sobre si mesma e lentamente se desprende do endométrio (ou decídua). Dentro dessas duas camadas, um hematoma é formado com os restos de sangue e todo o órgão é lentamente liberado através do canal do parto. Esse fenômeno é conhecido como nascimento.

Finalmente, o colo do útero entra em um estágio de reparo para evitar infecções e se tornar apto novamente para abrigar uma nova vida.

Mães

As novas protagonistas dessa história serão as glândulas mamárias, pois terão a importante missão de nutrir o novo bebê.

Embora suas estruturas tenham se desenvolvido durante a gravidez, esse mecanismo será ativado após a primeira sucção do bebê. E assim como aconteceu com os órgãos genitais, todo esse processo dependerá dos estímulos hormonais correspondentes.

As mudanças físicas durante o trabalho de parto são apenas o começo…

A maternidade é muito mais do que biologia e, embora essas transformações sejam imensas e palpáveis, são apenas o pontapé inicial para uma nova vida.

Nesse sentido, a natureza é sábia e nos mostra que trazer uma criança ao mundo não é uma coisa fácil. Pelo contrário, requer um esforço em vários aspectos e uma dedicação de corpo e alma. Mas o prêmio que nos devolve supera todas as expectativas. Aproveite!

This might interest you...
Como o bebê sente o parto
Sou Mamãe
Leia em Sou Mamãe
Como o bebê sente o parto

Normalmente todas as informações que encontramos disponíveis costumam falar sobre como a mãe sente o parto. Mas, e o bebê? Como o bebê sente o part...



  • Cunningham G, Leveno K, Bloom S et al. Fisiología del trabajo de parto. Capítulo 21. En: F. Gary Cunningham, Kenneth J. Leveno, Steven L. Bloom, Jodi S. Dashe, Barbara L. Hoffman, Brian M. Casey, Catherine Y. Spong. Williams Obstetricia. 25 edición. McGRAW-HILL INTERAMERICANA. 2019. ISBN: 978-1-4562-6736-0. Disponible en: https://accessmedicina.mhmedical.com/content.aspx?bookid=1525&sectionid=100458658
  • Condon JC, Jeyasuria P, Faust JM, Wilson JW, Mendelson CR. A decline in the levels of progesterone receptor coactivators in the pregnant uterus at term may antagonize progesterone receptor function and contribute to the initiation of parturition. Proc Natl Acad Sci U S A. 2003 Aug 5;100(16):9518-23. doi: 10.1073/pnas.1633616100. Epub 2003 Jul 28. PMID: 12886011; PMCID: PMC170950. Disponible en: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC170950/
  • Menon R, Bonney EA, Condon J, Mesiano S, Taylor RN. Novel concepts on pregnancy clocks and alarms: redundancy and synergy in human parturition. Hum Reprod Update. 2016 Sep;22(5):535-60. doi: 10.1093/humupd/dmw022. Epub 2016 Jun 30. PMID: 27363410; PMCID: PMC5001499. Disponible en: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5001499/
  • Olson DM, Ammann C. Role of the prostaglandins in labour and prostaglandin receptor inhibitors in the prevention of preterm labour. Front Biosci. 2007 Jan 1;12:1329-43. doi: 10.2741/2151. PMID: 17127385. Disponible en: https://www.fbscience.com/Landmark/articles/10.2741/2151