Como a música influencia a adolescência

A música tem uma influência poderosa na vida e na cultura das pessoas, mas adquire maior relevância no período da adolescência. Aqui vamos contar os efeitos positivos e negativos da música nos adolescentes.
Como a música influencia a adolescência

Última atualização: 29 março, 2022

Um elemento fundamental na formação cultural e que influencia emoções e costumes é a música. A música na adolescência é um fator influente no comportamento. Graças à diversidade de estilos musicais, a identidade de cada adolescente é construída.

Outros fatores de construção de identidade, como estilos de cabelo, linguagem e trajes se somam à música.

A música hoje contém cada vez mais mensagens sexuais e violentas, e os adolescentes são os que mais as ouvem. Geralmente, esses jovens são levados a ouvir essas músicas por pressão ou recomendações dos amigos. Nessa idade, as opiniões dos amigos costumam ser mais levadas em consideração do que as dos familiares.

O que é a musica?

É um recurso que possui grande poder persuasivo, ideal para influenciar o desenvolvimento comportamental do indivíduo. Isso ocorre graças à capacidade de impactar facilmente as emoções, os humores e os comportamentos humanos.

Como a música influencia a adolescência?

No processo de criação e consolidação da identidade pessoal, os adolescentes se reúnem em grupos com afinidades semelhantes. As amizades surgem dessas uniões grupais, peças-chave na formação dos padrões de comportamento característicos de cada tribo social. Frequentemente, os adolescentes substituem a dependência familiar pela dependência do grupo.

A música influencia fortemente os adolescentes.

A fase da adolescência é caracterizada por identidade e confusão, e ocupa a quinta etapa do processo de formação da identidade. Ressalta-se que é o momento-chave em que o adolescente busca seu lugar na sociedade. Muitos se enquadram em grupos sociais com atitudes tóxicas que afetam o relacionamento familiar e o desempenho na sociedade.

Nas tribos sociais, são estabelecidas crenças de que os membros devem seguir e agir de acordo. A música representa, em muitos casos, a crença de grupos sociais, determinando a forma de se movimentar, falar e se vestir.

Graças a essas crenças, constrói-se um sentimento mais sólido de pertencimento ao grupo. Essa população lidera a compra de discos musicais e visitas a canais audiovisuais na Internet. Por meio de algumas tendências estabelecidas, é fácil direcionar a ação de muitos grupos sociais e motivá-los a aderir a determinados estilos.

Efeitos negativos da música na adolescência

Os adolescentes são os mais propensos a sofrer as consequências dos efeitos da música:

  • Fraqueza sentimental e afetiva.
  • Fixação da ideia de que o sofredor é sempre aquele que é afetado.
  • Ideias suicidas.
  • Rebeldia causada pelo conteúdo da letra.

Existem alguns gêneros musicais mais associados do que outros à ideia de impactar negativamente o comportamento dos adolescentes. Vale destacar, por exemplo, a música eletrônica, que está ligada ao maior consumo de drogas como cocaína, maconha e ecstasy. Conforme descrito no artigo “A importância da música nos jovens e seus benefícios terapêuticos”.

Da mesma forma, o reggaeton, ritmo muito popular entre os jovens, está relacionado com o empobrecimento da linguagem dos adolescentes, em detrimento dos valores que dignificam o papel atual da mulher na sociedade. Embora nem todos os grupos musicais que o representam reproduzam esse padrão, é uma tendência que se generaliza.

Efeitos positivos da música na adolescência

A música também tem efeitos positivos, entre eles temos:

  • A música clássica e o gênero de adoração ou gênero gospel transmitem mensagens com valores e positividade. Esse estilo musical é terapêutico e relaxante em situações tensas.
  • Alguns gêneros musicais ou canções ajudam os adolescentes a se sentirem mais desinibidos. Às vezes é uma forma de disfarçar a timidez e ser aceito na sociedade.
  • O gosto dos adolescentes pela música lhes confere um espaço adequado para a realização de suas atividades com liberdade. Ouvir música clássica para estudar estimula o cérebro favorecendo o processo de aprendizagem. Além disso, oferece espaços saudáveis de distração.
A música faz parte da nossa cultura.

No processo de conquista da independência, a música influencia a adolescência, representando para os jovens uma via de escape dos problemas. A diversidade de estilos musicais e de estilo de vida faz com que o adolescente considere os comportamentos negativos como uma rebelião contra a autoridade. No entanto, pode ajudá-los a adotar atitudes positivas, como melhorar sua autoestima.

Muitos adolescentes são apresentados à música, e a paixão torna-se tamanha que eles a escolhem como carreira. A música facilita a propagação das culturas de um país e das diferentes manifestações musicais tradicionais de cada região. Da mesma forma, contribui para a identidade nacional de cada jovem.

Nas conversas dos adolescentes, a música costuma ser um dos temas centrais, de forma que se torna uma maneira de socialização. A interação com outros adolescentes com afinidades musicais semelhantes ajuda muitos jovens a terem um melhor comportamento social. Em outros casos, eles correm o risco de se tornarem agressivos ou viciados em drogas, por seguirem algumas subculturas de estilo de vida.

This might interest you...
Benefícios da música clássica para crianças
Sou Mamãe
Leia em Sou Mamãe
Benefícios da música clássica para crianças

Aprenda sobre os benefícios da música clássica para crianças e lembre-se deles da próxima vez que escolher uma lista de reprodução para ouvir.



  • BAUMANN, V. H. (1960). “Teen-age music preferences”, Journal of Research in Music Education, 8, pp. 75-84.
  • CÓRDOBA, Á. P., Tena, M. J. F., Hernández, Y. S., Marcos, J. M. O., & Ruíz, Y. D. (2020) La importancia de la música en los jóvenes y sus beneficios terapeúticos. CONDUCTAS DE RIESGO, 15.
  • HORMIGOS, J. (2004). “La construcción de la identidad juvenil a través de la música”, Revista Española de Sociología, 4, pp. 259-270.
  • MEGÍAS, I. y RODRÍGUEZ, E. (2002). Jóvenes entre sonidos: hábitos, gustos y referentes musicales. Madrid, Injuve.
  • RICE, F. P. (2000). Adolescencia. Desarrollo, relaciones y cultura. Madrid, Pretince-Hall.
  • RODRÍGUEZ, Á. R. (2015). El papel de la música en la construcción de una identidad durante la adolescencia:¿ Dime qué escuchas y te diré quién eres?. Síneris: revista de musicología, (22), 1. https://dialnet.unirioja.es/descarga/articulo/6357469.pdf