O que é o mutismo seletivo infantil?

01 Setembro, 2017

O transtorno conhecido como mutismo seletivo é mais comum do que achamos. Em muitas crianças aparece repentinamente, mas nem todos os pais reconhecem como uma doença. Trata-se de uma situação que leva os pequenos a ficarem mudos em diferentes contextos. Às vezes acontece de uma criança, mesmo quando sabe falar, preferir ficar quieta em determinados lugares.

A maneira como tratamos nossos filhos quando esses episódios acontecem nem sempre é a mais adequada. Pode chegar a nos estressar e nos fazer perder a paciência. No entanto, os psicólogos afirmam que de fato é um transtorno que deve ser tratado para evitar complicações. Ou seja, se deixarmos de agir em relação ao mutismo seletivo, essa situação pode ficar mais grave.

Os especialistas sugerem procurar um profissional quando percebermos os sintomas dessa doença. A seguir, contaremos como se manifesta o mutismo seletivo e como agir nesses casos.

Sintomas de mutismo seletivo infantil

mutismo seletivo

Os psicólogos explicam que o mutismo seletivo não se manifesta apenas em episódios isolados em que a criança não quer falar. Outros sinais indicam que ela está manifestando essa doença. Entre os principais temos:

  • Ansiedade na presença de desconhecidos ou pessoas com quem não costuma interagir regularmente
  • Timidez na maior parte do tempo
  • Incapacidade total ou dificuldade para falar em determinados contextos, por exemplo, ao chegar na escola, no parque e em lugares públicos no geral. No entanto, em casa é uma criança que demonstra capacidade de falar e socializar com pessoas próximas.

Para estarmos seguros de que se trata desse transtorno, é preciso observar a criança agir dessa maneira por mais de um mês. Pois é possível confundir os sintomas com situações como nos primeiros dias de aula, ou quando a criança ainda está se integrando a um ambiente novo.

É normal que algumas crianças fiquem tímidas ou pareçam não querer falar em determinados contextos. O verdadeiro problema ocorre quando o comportamento se repete e se mantém durante meses.

Como agir para combater o mutismo seletivo?

A chave para ajudar nossos filhos a superar o mutismo seletivo se encontra na maneira com que agimos nessas situações. Se não tivermos tato suficiente, sem querer podemos provocar algum dano psicológico, pois é algo que a criança não consegue controlar. Para melhorar a situação os especialistas recomendam as seguintes orientações:

Um ambiente transparente faz com que o significado seja mais acessível

-J. G. T. Van Dalen-

  • É necessário equilibrar as relações sociais da criança e, para isso, devem existir condições pessoais pertinentes. Nesse sentido, é conveniente que a família e os amigos mais próximos estejam conscientes do problema, a fim de que possam contribuir na superação do mesmo pela criança.
  • Incentive grupos de estudo, convide amigos da escola e procure fazer com que a criança passe mais tempo, principalmente com outras crianças da mesma idade
  • Um fator determinante na solução desse problema consiste em reforçar a autoestima da criança. Para isso é recomendável evitar a superproteção, que pode limitar a autoconfiança dos pequenos. Deixe a criança realizar pequenas tarefas sozinha, isso a ajudará a acreditar nas suas capacidades. Além disso, podem virar tema de conversas.
mutismo seletivo

  • Valorizar abertamente os méritos do seu filho contribui para que ele fique consciente de que todos sabem das suas qualidades e que, portanto, é respeitado.
  • Adequar a conversa entre pais e filhos é primordial nesses casos. Escute seu filho com cuidado para que ele adquira confiança e sinta vontade de conversar. Às vezes, nossos filhos não conversam porque supõem que não prestamos atenção neles, e talvez seja porque realmente estamos agindo assim.
  • A motivação quando se sai bem é tão importante quanto quando a criança erra. É conveniente evitar as críticas em relação aos erros. Devemos nos lembrar de que nosso objetivo é encorajá-la a sair do mutismo, não buscar a perfeição.
  • As comparações com os irmãos ou com outras crianças são prejudiciais nesses casos. Deixe a criança falar quando quiser e não porque deve fazer a mesma coisa que as outras pessoas.
  • Evite rótulos como “tímido” quando os sintomas do transtorno aparecerem. Os rótulos são tão prejudiciais quanto a pressão e a repressão.

 

  • Rodríguez, José. (2018). Mutismo selectivo. Naturaleza, evaluación y tratamiento.
  • Rodríguez, José & X. Méndez, Francisco & Macià, Diego. (1996). Mutismo Selectivo. Un Modelo Explicativo. Behavioral Psychology/Psicologia Conductual. 4.
  • Rodríguez, José & Rosa-Alcázar, Ana & Olivares, Pablo José. (2007). Tratamiento psicológico del mutismo selectivo.